Saúde

Farmácia Central de Cachoeiro mudará de endereço

Publicados

em

Novo endereço

 A partir da quinta-feira (2), ela funcionará na rua 25 de Março, Centro

Por | 26.04.2019

Localizada no bairro Ferroviários, a Farmácia Central de Cachoeiro, que abastece as unidades básicas de saúde do município, vai mudar de endereço. A partir da próxima quinta-feira (2), ela funcionará na rua 25 de Março, Centro, no prédio do antigo Sine, próximo à ponte municipal, dispensando os medicamentos necessários para os servidores que abastecem as farmácias que atendem o cidadão.

A mudança começou na primeira quinzena de abril, com a transferência de itens do estoque e almoxarifado. Na terça-feira (30), será realizada a última etapa da transferência: o setor de atendimento migrará para o novo endereço e os servidores trabalharão apenas na organização do espaço.

Nesse dia, apenas as farmácias das unidades básicas de saúde e do Centro Municipal de Saúde Bolívar de Abreu funcionarão com atendimento à população. Mas, na quinta (2), tudo volta ao normal. 

A mudança é necessária, segundo a subsecretária municipal de Assistência e Vigilância em Saúde, Alexandra da Penha Araújo, porque o espaço físico que era ocupado anteriormente não mais atendia às necessidades do setor.

Leia Também:  Faculdade de medicina da Universidade de Buenos Aires publica carta aberta em alerta à Covid-19

“É de suma importância um local mais amplo para acondicionar os medicamentos e melhor atender à população. O imóvel escolhido, no centro da cidade, permitirá oferecer maior conforto, acessibilidade e comodidade aos pacientes e servidores, além de garantir mais segurança e organização aos medicamentos estocados”, avalia. 

Novo endereço da Farmácia Central (a partir de dia 2 de abril): Rua 25 de Março, Centro, nº 73/79 (antiga sede do Sine).

 

 

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Faculdade de medicina da Universidade de Buenos Aires publica carta aberta em alerta à Covid-19

Publicados

em

Imagem – Pixabay

No início de setembro, a faculdade de medicina da Universidade Federal de Buenos Aires (UBA), em conjunto com a comunidade médica e científica, alertou a sociedade argentina, em carta aberta, advertindo que este ainda é um momento difícil para o enfrentamento da pandemia de SARS-CoV2. A UBA afirmou que se “não forem implementadas medidas adicionais a situação continuará a agravar-se dia a dia” e que “o distanciamento social continua representando a medida fundamental na luta contra a Covid-19”.

O comunicado acrescentou ainda que os profissionais de saúde observam “com grande preocupação uma flexibilização no cumprimento das regras de distanciamento que não respeita limites geográficos ou distritos políticos”. Neste sentido, a casa de estudos fez um apelo enérgico aos governos e cidadãos que dizia: “estamos falando de milhares e milhares de mortes que podem ser evitadas”.

O professor da UBA, Edgardo Knopoff, disse em entrevista à agência de notícias Télam que “a estratégia adotada até agora foi boa porque os leitos dobraram e a mortalidade é baixa”, embora “não tenhamos dobrado o número de médicos”.

Knopoff alertou ainda que colegas médicos estão doentes, com estresse e exaustão, por isso ainda não é o momento de flexibilizar as atividades. Ele disse que “as necessidades econômicas são compreendidas, no que diz respeito à abertura de fábricas, mas não de um café na rua”.

Leia Também:  Samu é confirmado em Cachoeiro; consórcio lança edital para operação do serviço

No depoimento da faculdade de medicina da UBA, os profissionais destacaram que “os dispositivos de busca de pessoas infectadas com e sem sintomas (mas ainda contagiosas) e contatos próximos devem ser colocados em funcionamento o mais rapidamente possível”. Para isso é necessário ampliar drasticamente a capacidade de diagnóstico.

Embora a mortalidade na Argentina seja menor do que em muitos países, o número de infectados e mortos continua a aumentar. Os profissionais de medicina estão fazendo um esforço extraordinário, colocando em risco suas vidas e de seus familiares. Portanto, é fundamental reconhecer este trabalho e fortalecer urgentemente o sistema de saúde do país, incorporando pessoal e equipamentos adequados. “Pedimos à sociedade e aos governos que nos ajudem e que cuidem de nós ”, frisou a carta.

Os profissionais da UBA declaram que estão muito preocupados com o aumento da circulação de pessoas na comunidade argentina, a falta ou uso indevido de máscaras de proteção, o desrespeito pelas medidas de distanciamento, as reuniões sociais desnecessárias e sem cuidados, porque isso leva diretamente ao aumento de infecções e mortes. “É necessário aumentar a consciência sobre o risco, como indivíduos e como sociedade ”, concluíram.

Neste mês, a Sociedade Argentina de Terapia Intensiva (SATI) também divulgou um comunicado à sociedade para alertar que “os recursos para salvar os pacientes com coronavírus estão se esgotando” e apelou à todos os argentinos para “refletir” por quê ” o vírus está nos vencendo. ”

Leia Também:  Secretaria da Saúde do ES explica como será a retomada dos atendimentos nos hospitais

“Médicos, enfermeiras, fisioterapeutas e outros membros da comunidade de terapia intensiva sentem que estamos perdendo a batalha. Sentimos que os recursos para salvar pacientes com coronavírus estão se esgotando”, afirmou o comunicado.

Ao mesmo tempo, a SATI ressaltou que “a maioria das Unidades de Terapia Intensiva do país está com um índice de ocupação muito elevado. Os recursos físicos e tecnológicos como camas com respiradores e monitores são cada vez mais escassos. A questão principal, porém” é a falta de trabalhadores de terapia intensiva, que, ao contrário de camas e respiradores, não podem se multiplicar. ”

O governo argentino de Alberto Fernández mantém as medidas de isolamento social no País até o dia 20 de setembro. Levando em consideração que o confinamento teve início no dia 20 de março, com um regime bem mais restritivo do que o atual, até o final desta fase terão se passado 183 dias (exatamente seis meses) desde o início da sua implantação. Embora sem confirmação oficial, para esta nova instância estão previstas reaberturas, apesar dos números recordes de contágios que preocupam as autoridades de saúde.

Segundo o mapa desenvolvido pela Universidade Johns Hopkins, que mostra o avanço do coronavírus em tempo real, a Argentina tem hoje 577.338 casos de Covid-19, que resultaram em 11.910 óbitos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA