Economia

Falha do Bradesco expôs dados de contratos de 53 mil clientes

Publicados

em

source
Bradesco pode ter exposto dados de clientes
Wikimedia Commons

Bradesco pode ter exposto dados de clientes

O Bradesco informou nesta sexta-feira (13) que sua subsidiária Bradesco Financiamentos S.A. detectou um incidente que pode ter resultado no vazamento de dados de 53 mil clientes.

O banco frisou que a suspeita de exposição de dados está restrita à Bradesco Financiamentos. O Bradesco afirmou, em comunicado ao mercado, que essa falha “pode ter permitido a visualização não autorizada de dados de contratos de financiamento de veículos de aproximadamente 53 mil clientes”.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

O texto, assinado pelo diretor executivo e de Relações com Investidores do Bradesco, Leandro de Miranda Araujo, diz que “todas as medidas necessárias para a solução do incidente, bem como de comunicação aos clientes e às autoridades competentes, foram adotadas pela Bradesco Financiamentos”.

Os clientes que foram alvo de vazamento teriam sido alertados a ficarem atentos a golpes, apesar das informações vazadas não incluírem dados transacionáveis.

Leia Também:  Saiba tudo sobre a antecipação do 13º do INSS e do saque do FGTS

O comunicado ressalta que “a característica dos dados eventualmente visualizados não coloca em risco a integridade de acesso a sistemas transacionais desses clientes junto à Bradesco Financiamentos”. O banco ainda diz que “reforça seu compromisso com a transparência e a segurança dos dados de seus clientes”.

Empresas do mundo todo têm registrado falhas e ataques digitais que resultaram em vazamento de dados de clientes. No Brasil, o Banco Pan comunicou que sofreu uma invasão de cibercriminosos , que vazaram os dados de usuários de cartões de crédito da instituição.

Em fevereiro, um  ataque hacker sofrido pela Americanas resultou em uma perda de R$ 923 milhões em vendas, segundo o relatório divulgado nesta sexta-feira pela varejista.

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) não prevê sanções específicas para vazamento de dados, mas pode haver medidas administrativas. Caso o consumidor sofra algum dano como consequência do vazamento dos seus dados pessoais, ele pode acionar judicialmente a empresa responsável pelo tratamento para garantir uma reparação.

Leia Também:  PIS e Pasep são pagos nesta quinta; veja quem recebe

O que fazer em caso de dados vazados

A recomendação geral de especialistas é que os usuários fiquem atentos a contratação de serviços e empréstimos desconhecidos em seu nome, bem como desconfiar de cobranças ou avisos repentinos por mídia física ou digital. Não clique em links recebidos de desconhecidos.

Consumidores também devem ficar atentos a contatos que pedem informações confidenciais, mesmo quando fornecem parte dos seus dados. Na dúvida, não forneça e entre em contato com sua instituição financeira pelos canais oficiais.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Dólar cai pelo terceiro dia seguido e fecha a R$ 4,80

Publicados

em

source
Dólar cai pelo terceiro dia seguido e fecha a R$ 4,80
Ivonete Dainese

Dólar cai pelo terceiro dia seguido e fecha a R$ 4,80

Após ter fechado o pregão da última sexta-feira (20) com queda de 0,98%, o dólar continuou a recuar frente ao real nesta segunda (23), e fechou o dia cotado a R$ 4,8075 – queda de 1,31% e bem abaixo da média móvel linear dos últimos 50 dias.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

No acumulado do mês de maio, a moeda norte-americana já recuou 2,79%. Com o desempenho, o dólar acumula queda de 13,7% em 2022. Depois de disparar no primeiro trimestre, o real perdeu fôlego a partir de abril, e se mantinha abaixo das máximas do ano, oscilando praticamente em sincronia com a performance do dólar no mercado internacional.

Na Bolsa de Valores, o Ibovespa fechou o dia no maior patamar em quase um mês, diante de ganhos em Nova York e impulso de ações de commodities locais.

Grandes bancos e a Petrobras foram as empresas que impulsionaram a alta. Segundo a agência de notícias internacionais Reuters, o Ibovespa subiu 1,93%, a 110.582,52 pontos, terceira alta seguida e maior fechamento desde 25 de abril. O volume financeiro foi de 23,3 bilhões de reais.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA