Política

Fake news prejudicam planos de vacinação

Publicados

em


Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) estimam que, atualmente, as vacinas previnem cerca de 3 milhões de mortes todos os anos por enfermidades como difteria, tétano, coqueluche, influenza e sarampo.

Nos últimos 200 anos, as imunizações salvaram vidas e erradicaram doenças fatais. Mesmo assim, mitos, desinformações e o compartilhamento massivo de notícias falsas têm deixado a população insegura e reticente com a liberação de vacinas contra a Covid-19, podendo colocar em risco a eficácia dos programas de vacinação.

No último domingo (17), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial dos imunizantes CoronaVac e Oxford/AstraZeneca. A vacinação começou no domingo mesmo em São Paulo e tem início nesta segunda-feira (18) em outros estados, inclusive no Espírito Santo, de acordo com informações do governador Renato Casagrande (PSB) em suas redes sociais oficiais. 

Fake News

A crescente expansão de “movimentos antivacina” e informações falsas disseminadas nas redes sociais sobre o combate à Covid-19 são fatores que preocupam médicos e autoridades políticas em relação à imunização da coletividade e no êxito para conter o avanço da pandemia.

Com intuito de combater a divulgação dessas notícias falsas envolvendo doenças que se alastraram e causam pandemias, foi regulamentada no Espírito Santo a Lei 11.135/2020.  Tal legislação é oriunda do Projeto de Lei (PL) 195/2020, do deputado Doutor Hércules (MDB), e prevê multa de até R$ 700 para quem, dolosamente, ou seja, de modo consciente, espalhar por meio eletrônico ou similar fake news acerca do tema.

“Questões políticas, desinformação e informações distorcidas, como brincadeiras de mau gosto, incitam dúvidas e o temor da população em relação às vacinas. Entretanto, elas são ferramentas seguras que estimulam as defesas do organismo contra agentes infecciosos. Sem as vacinas ficamos suscetíveis a inúmeras infecções”, ressaltou o autor da iniciativa.

Velocidade de aprovação

Um dos fatores de desconfiança em relação às vacinas que protegem contra o novo coronavírus é a aprovação em tempo recorde: menos de um ano. Entretanto, o infectologista Carlos Urbano assegura que esse tempo hábil não negligencia a segurança das vacinas. Ele ainda ressalta que a existência de uma plataforma inicial já pronta, contra o primeiro coronavírus que apareceu 20 anos atrás, ajudou a acelerar o processo para que alguns imunizantes fossem desenvolvidos.

“Estamos enfrentando uma pandemia muito grave, não podemos esperar 10 a 15 anos por uma vacina. Por isso, o processo de descoberta foi acelerado, mas sempre de maneira segura. Sempre supervisionado por uma agência regulatória como a FDA nos Estados Unidos, a EMA na Europa, e a Anvisa no Brasil”, explica Urbano.

Doutor Hércules, que é médico e preside a Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, também defende a segurança das vacinas e ressalta os avanços tecnológicos.

“O avanço da medicina, da tecnologia e da robótica, permitiu que diferentes países descobrissem vacinas contra a Covid-19 em tempo recorde. Antigamente, as imunizações demoravam para serem aprovadas por falta de recursos. Mas vale ressaltar que elas são extremamente seguras e foram originadas através de muitos estudos. Podemos ficar tranquilos quanto à eficácia e segurança das vacinas. O perigo está em não se proteger”, avalia o parlamentar.

Leia Também:  PL dá preferência a paciente com câncer

Queda nas vacinações

Doutor Hércules ainda observa com preocupação a tendência de redução no número de vacinações desde o início da pandemia de Covid. Para ele, o declínio de adultos e crianças que estão deixando de se vacinar já é um fator preocupante.

“O medo de sair de casa provocou um relaxamento nas pessoas que deixaram de tomar vacinas essenciais. Vale lembrar que uma doença infecciosa pode ser agravada por uma gripe simples e principalmente pela Covid-19”, comenta o parlamentar.

A infectologista pediátrica, professora e coordenadora do Programa de Residência Médica em Pediatria da Universidade Vila Velha, Jacqueline Oliveira Rueda, reforça a importância de seguir o Calendário Nacional de Vacinação.

“As doenças erradicadas ou controladas em nosso país podem reaparecer se a cobertura vacinal cair. Mantendo uma alta cobertura vacinal foi possível eliminar a poliomielite, rubéola, síndrome da rubéola congênita, tétano materno e neonatal. Além disso, o sarampo foi controlado e houve redução drástica da incidência de importantes causas de adoecimento e mortalidade, como a difteria, as meningites bacterianas e a coqueluche”, esclarece Jacqueline Rueda.

Ação das vacinas

As vacinas protegem o organismo antes que haja contato com as doenças. Para isso, são usadas as defesas naturais do corpo que criam resistência a infecções específicas estimulando o sistema imunológico a criar anticorpos, da mesma maneira de quando é exposto à doença.

As imunizações geralmente contêm formas mortas ou enfraquecidas de germes, como vírus ou bactérias. Entretanto, elas não causam a doença e nem colocam as pessoas em risco de complicações. “Pelo contrário, as vacinas nos previnem, em primeiro lugar, de adoecer”, destaca o infectologista Carlos Urbano.

O médico também ressalta que os possíveis efeitos colaterais causados por vacinas não são considerados complicações e que os resultados mais comuns estão relacionados ao local de aplicação, como dor, inchaço e vermelhidão.

“Alguns efeitos podem causar mal-estar e febre, que são sintomas leves e passam rapidamente. As vacinas protegem de doenças graves que causam sequelas. Os benefícios das vacinas são muito maiores do que os efeitos colaterais que elas podem causar”, explica Urbano.

Mitos e verdade

Os infectologistas Carlos Urbano e Jacqueline Oliveira Rueda esclarecem o que é fato e o que é mito sobre as vacinas.

Deixar de vacinar crianças faz com que doenças já extintas voltem a se manifestar?
Sim. As doenças erradicadas ou controladas em nosso país podem reaparecer se a cobertura vacinal cair. O fato de não vacinar pode levar ao reaparecimento de doenças já controladas em nossa região. Mantendo uma alta cobertura vacinal foi possível eliminar a poliomielite, rubéola, síndrome da rubéola congênita, tétano materno e neonatal.

A vacina contra o novo coronavírus é mais perigosa que a Covid-19?
De forma alguma. A Covid-19 é uma doença grave. A vacina causa sintomas locais leves, enquanto a Covid-19 tem alta contagiosidade e morbidade, sem considerar a letalidade.

A vacina contra a Covid-19 pode mudar permanentemente o DNA?
As vacinas das empresas Pfizer e Moderna usam material genético, mas elas não mudam o DNA. Elas utilizam tecnologia de DNA, colocando uma parte dos genes do vírus em uma molécula que é injetada no corpo humano para gerar uma resposta imunológica do organismo. As vacinas não têm potencial para alterar o código genético de células humanas.

Leia Também:  Hércules quer preferência para pacientes com câncer

É possível garantir a segurança das vacinas para Covid diante do tempo tão rápido de aprovação?
As vacinas foram feitas a partir de tecnologias já estudadas e/ou utilizadas. E além dos testes de eficácia foram feitos testes de segurança. O comitê técnico assessor do Programa Nacional de Imunização é composto por profissionais competentes e responsáveis que avaliam questões relacionadas à segurança e eficácia.

Vacinas podem causar autismo? 
Vacinas não causam autismo. Essa hipótese foi levantada por um médico inglês que foi processado e perdeu o direito de exercer a medicina porque ele assumiu publicamente que havia mentido na pesquisa.

Pode ser administrada mais de uma vacina ao mesmo tempo? 
Depende. Algumas podem, sim, ser aplicadas no mesmo dia e outras devem ter um intervalo de 30 dias de administração. No momento da vacinação haverá orientação sobre quais podem ser tomadas em conjunto ou não. O sistema imunológico não fica sobrecarregado e a produção de anticorpos ocorre normalmente.

É perigoso tomar a mesma vacina duas vezes?
Não existe risco. Inclusive, pessoas que não lembram se já receberam alguma vacina podem tomá-la novamente.

As vacinas garantem 100% de proteção?
A maioria das vacinas oferece uma alta taxa de proteção, em torno de 90-95%.

Algumas vacinas podem causar doenças graves e sequelas?
De maneira geral, não. As vacinas protegem de doenças graves que causam sequelas. Essas reações raríssimas vezes podem acontecer, mas em frequência muito menor do que a doença que elas previnem, tendo seus benefícios muito maiores que os riscos.

Vacinas podem causar efeitos colaterais? 
Sim, mas a grande maioria são efeitos leves. Dor local, edema, febre, um pouco de dor de cabeça. Efeitos mais graves são muito incomuns. Os benefícios das vacinas são muito maiores do que os efeitos colaterais que elas apresentam.

É melhor ser imunizado pela doença do que pela vacina?
É muito melhor ser imunizado pela vacina. Uma das propostas básicas é impedir a pessoa de adoecer ou, se adoecer, ter a doença muito mais leve. Vacinado você se torna imune e não adoece.

Vacina contra gripe causa gripe?
Não! Não existe nenhuma chance, não há nada vivo na vacina para poder causar uma gripe. A vacina contra gripe protege contra formas graves de gripe e reduz a incidência de complicações, como pneumonia. Muitas pessoas confundem com resfriado: doença causada por outros vírus e que tem sintomas leves.

Pessoas que têm alergias não podem tomar as vacinas?
Algumas pessoas que têm alergia grave devem evitar alguns produtos. Por exemplo, quem tem alergia grave à gema de ovo deve tomar cuidado quando for tomar a vacina contra febre amarela. Alergias leves, alergias gerais tipo asma e rinite alérgica não impedem ninguém de tomar vacina. Em caso de dúvida, é necessário consultar um médico previamente.
 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Covid-19: vacinação de professores é tema de audiência

Publicados

em


A inclusão de professores e demais profissionais da área no grupo prioritário da vacinação contra a Covid-19 será debatida em audiência pública na segunda-feira (1º), no Plenário Rui Barbosa, a partir das 12h15. A iniciativa é da Comissão de Educação, que se reúne com representantes das secretarias de Estado da Saúde (Sesa) e da Educação (Sedu). 

O assunto foi deliberado no primeiro encontro do colegiado em 2021, promovido no último dia 23, a pedido do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Espírito Santo (Sindiupes). Conforme o presidente do colegiado, deputado Bruno Lamas (PSB), todas as medidas de segurança sanitária serão adotadas para que a reunião seja promovida.  

Segundo o diretor do Sindiupes Gean Carlos Nunes de Jesus, os profissionais da educação entendem que não há segurança para o retorno das atividades presenciais nas escolas, embora o governo estadual tenha decidido o contrário, apoiado por decisão judicial. 

Além disso, explica o diretor, a demanda do sindicado se espelha em uma campanha da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) para que os profissionais da educação tenham prioridade na imunização. 

Gean Nunes revela que a categoria tem se articulado junto aos órgãos e, nesta semana, obteve uma vitória quando o Conselho Estadual de Saúde (CES) endossou a causa da entidade. 

Leia Também:  Covid-19: vacinação de professores é tema de audiência

Para ele, a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que autoriza estados e municípios a comprar vacinas – desde que a União não cumpra com o plano de imunização ou as doses não sejam suficientes – pode contribuir para o pleito. “O que nos ajuda mais ainda a imunizar a nossa população, em especial os profissionais da educação”.

De acordo com o sindicalista, somente na rede pública de educação existem de 40 a 50 mil pessoas trabalhando,  como professores, pedagogos, bibliotecários, serventes e auxiliares de secretaria, entre outros. As apresentações durante a audiência ficarão a cargo dos diretores do Sindiupes Hildebrando Paranhos e Noêmia Simonassi. 

CPIs

Duas comissões parlamentares de inquérito (CPIs) se reúnem virtualmente para eleição de membros. A CPI da Sonegação escolhe presidente, vice e relator – cargos ocupados anteriormente, na respectiva ordem, pelos ex-deputados Enivaldo dos Anjos (PSD) e Euclério Sampaio (DEM), além de Marcelo Santos (Pode), primeiro-vice-presidente da Casa.

Já a CPI das Licenças decide quem será o seu relator, papel desempenhando até o ano passado por Euclério Sampaio.

Leia Também:  Mansur quer que Estado divulgue locais de radares

Agricultura

A Comissão de Agricultura recebe, na terça (2), às 10 horas, o superintendente Federal de Agricultura no Espírito Santo, Aureliano Nogueira da Costa. O representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento vai apresentar os programas e ações da pasta.

Veja a agenda da semana

Segunda (1º)
11 horas – Comissão de Segurança – Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)
12h15 – Comissão de Educação – Plenário Rui Barbosa 
13h30 – Comissão de Finanças – Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)
18h10 – CPI das Licenças (virtual)
18h20 – CPI da Sonegação (virtual)

Terça (2)
9 horas – Comissão de Saúde (virtual)
10 horas – Comissão de Agricultura – Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)
11 horas – Comissão de Ciência e Tecnologia – Plenário Judith Leão
13h10 – Comissão de Cidadania – Plenário Judith Leão
13h30 – Comissão de Justiça – Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)

Quarta (3)
12h10 – Comissão de Defesa do Consumidor – Plenário Judith Leão
13 horas – Comissão de Proteção à Criança e ao Adolescente – Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)
 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA