Política

Evento discute cuidado materno e neonatal

Publicados

em


No Dia Mundial da Segurança do Paciente, comemorado nesta sexta-feira (17), a Assembleia Legislativa (Ales) sediou um seminário sobre o tema com participação de profissionais da saúde e pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Este ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) instituiu como tema da campanha o cuidado materno e neonatal seguro. Durante o seminário, foram debatidas ações de segurança do paciente para redução de riscos e eventos adversos durante os atendimentos, em especial ligados ao pré-natal e ao parto seguro e respeitoso. 

A representante da Sociedade Brasileira para Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (Sobrasp), Flávia Batista Portugal, alertou que, no mundo, cerca de 830 mulheres morrem por dia de causas evitáveis relacionadas à gravidez e ao parto. E, em média, 6,7 mil recém-nascidos morrem diariamente.

“A OMS definiu para esse ano o tema cuidado materno e neonatal seguro devido ao impacto que a ausência da assistência ou uma assistência inadequada pode gerar. Além disso, é importante destacar que a violência obstétrica é bastante presente. O cuidado materno ainda está permeado por questões de gênero que precisam ser discutidas”, destacou.

Leia Também:  STF confirma validade de lei sobre tráfego de dados

Veja as fotos do evento

Impactos da pandemia

Flávia ressaltou que a situação foi agravada pela pandemia de coronavírus, já que, com as medidas de distanciamento, muitas mulheres tiveram dificuldades de procurar o serviço de saúde para realização de pré-natal. “Hoje, a principal ação que pode garantir que a mulher não tenha problemas durante o parto é um pré-natal adequado. Com a pandemia, muitos serviços e a quantidade de atendimentos diminuíram e isso dificultou o acesso das mulheres às medidas capazes de evitar eventos adversos no futuro”.

A representante do Conselho Regional de Medicina (CRM-ES), Marta Helena Zortea, destacou que o atendimento adequado e o parto seguro a todas as pacientes devem ser garantidos por políticas públicas. “É necessário proporcionar recursos, estruturas e responsabilização para a manutenção efetiva da segurança. Isso passa pela questão da gestão. Não basta apenas ter um profissional de saúde cheio de boa intenção, tem que se trabalhar a política pública para que esses recursos venham para os profissionais e para as pacientes”, frisou.

O seminário sobre o Dia Mundial da Segurança do Paciente foi proposto pelo deputado Gandini (Cidadania). O parlamentar destacou o papel do poder público na garantia da segurança nos atendimentos de saúde. “Essa discussão é muito importante para alcançarmos avanços no controle de mortes evitáveis. No Espírito Santo, por exemplo, 77% das mortes de mães eram evitáveis se tivessem sido tomados os cuidados necessários. A pandemia ocasionou ainda mais problemas desse tipo, por isso o poder público precisa se aproximar desse debate”, concluiu o deputado.

Leia Também:  Autoexame e mamografia contra o câncer

Ao final do seminário, Gandini assinou uma carta-compromisso com medidas de redução da mortalidade materna e neonatal. A carta-compromisso é uma iniciativa da Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso, grupo criado por 50 entidades, entre elas a Sobrasp, o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) e universidades públicas. O objetivo da aliança é colher assinaturas das autoridades públicas dos poderes legislativos e executivos para que as medidas em defesa do atendimento adequado às gestantes e aos recém-nascidos sejam colocadas em prática no Brasil.
 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PCES: agentes são homenageados na Ales

Publicados

em


O agente de polícia é capacitado para efetuar prisões, buscas, participar de operações policiais, atender ocorrências, além de desempenhar responsabilidades administrativas, entre outras tarefas e missões. Para comemorar o Dia do Agente de Polícia Civil no Espírito Santo, celebrado em 14 de outubro, a Assembleia Legislativa realizou uma sessão solene na noite desta sexta-feira (15).

O proponente da sessão solene, o deputado Delegado Danilo Bahiense (sem partido), que atuou por mais de 30 anos na Polícia Civil (PCES), lamentou que exista um déficit de mais de 70% no quadro organizacional da instituição. “O último levantamento mostra que temos 274 agentes, quando deveríamos ter 1.060. A Polícia Civil só vai melhorar com a chegada de novos servidores, com valorização salarial, melhores condições de trabalho e reconhecimento da instituição e da população”, afirmou.

Veja as fotos da sessão

O parlamentar espera que um projeto de lei que revisa as questões de vencimento e de funções chegue à Assembleia para ser apreciado, concedendo nivelamento salarial de acordo com as atividades realizadas.

Participaram do evento o presidente da Associação dos Agentes da Polícia Civil (Agepol), Paulo Pignaton, e o delegado Marcelo Nolasco, chefe da regional de Vila Velha. Ambos destacaram também a busca da categoria pela equiparação salarial com o nível superior.

Leia Também:  Ales reconhece importância de agricultores

Homenagem

Trinta servidores públicos foram homenageados, sendo 15 com placas de reconhecimento do mérito e outros 15 com a Medalha Policial Civil Edmar Guimarães, por se destacarem nos exercícios de suas funções.

Paola Ruzzene falou em nome dos homenageados. Além de agradecer a homenagem, ela destacou a luta da categoria. “Nosso cargo é tão sofrido, mas temos esperança e fé, acreditamos que a injustiça que vivemos há mais de 20 anos seja corrigida. Seguimos lutando pelo reconhecimento e equiparação salarial com o nível superior”, pontuou.

Reconhecimento

A Medalha Policial Civil Edmar Guimarães foi instituída em 2016, por meio de projeto de autoria do ex-deputado Euclério Sampaio. Ela é destinada a incentivar e valorizar os policiais civis e demais servidores civis da área da segurança pública, que se destacarem nos exercícios de suas funções, contribuindo para o bom nome das instituições públicas e da sociedade capixaba – inclusive os que dedicam suas vidas em prol da segurança pública do estado do Espírito Santo e tiveram suas vidas ceifadas no estrito cumprimento do dever.

Leia Também:  STF confirma validade de lei sobre tráfego de dados

Já a data de 14 de outubro para comemorar o Dia do Agente da Polícia Civil foi instituída por meio da Lei 11.058/2019, aprovada após apresentação do projeto de lei 513/2019, de autoria do deputado Delegado Danilo Bahiense.

Confira os nomes dos homenageados:

Medalha Policial Civil Edmar Guimarães

Alexandre Vieira Soares
Alison Penha Antolini
Augusto César Cabral
Caroline Mancini Zanirati
Edinalva de Almeida
Ewerton Bueno
Felipe Seidel Albuquerque
Gustavo de Amorim Mattos
Harlen Vieira de Andrade
Jomar Santa Rita de Assis
Jubel Antônio da Penha
Julimar de Jesus Silva
Renato Gomes Alves 
Roger Gonzaga Pachito
Sérgio Moura Vasconcelos

Placa de reconhecimento

Anacleto Menelli
Antonio Celso Lourenço da Costa 
Carlos Durval Barreto Benevides
Camila Araújo Andrade
Fábio Fávaro
Fábio Henrique Barbosa Tonon
Joselito Neves da Silva
Lucas Siqueira Netto
Marcelo Pereira Porto
Mara Baptista de Souza 
Nilzo de Almeida Plazzi Neto 
Paola Ruzzene
Pedro Claudino De Souza Júnior
Roberto Carlos Esteves Quintanilha
Rodrigo Antônio Freitas Santana de Menezes

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA