Economia

Eletrobras oferta ações a R$ 44 e governo prevê arrecadar R$ 35,2 bi

Publicados

em

source
Governo deverá arrecadar R$ 35,2 bilhões com privatização da Eletrobras
Felipe Moreno

Governo deverá arrecadar R$ 35,2 bilhões com privatização da Eletrobras

A Eletrobras publicou nesta sexta-feira (27) aviso da oferta pública de ações, que viabilizará a privatização da companhia. Conforme documento protocolado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), foi considerado o preço da ação de R$ 44, cotação do fechamento da véspera. Com isso, a operação pode movimentar até R$ 35,291 bilhões, incluindo um lote suplementar.

No prospecto da operação divulgado hoje, a empresa alerta os investidores para os riscos da operação, entre eles as “obrigações financeiras de Furnas e da companhia”. Uma dessas obrigações diz respeito ao aporte bilionário que a subsidiária da Eletrobras deve fazer na Santo Antônio Energia, que opera a hidrelétrica de mesmo nome.

A Eletrobras já tem investidores privados, mas seu controle está nas mãos da União. O que a empresa vai fazer com a oferta oficializada hoje é emitir uma nova leva de ações, para atrair novos investidores.

O governo federal não vai acompanhar a compra desses papéis e, assim, será diluído. A expectativa é que, após a operação, o Estado fique com uma fatia de 45% do capital votante, perdendo assim o controle. Hoje, o governo federal detém cerca de 72% das ações com direito a voto.

A chamada oferta primária envolverá 627.675.340 ações. Haverá ainda oferta secundária de 69,8 milhões de ações, o que resultaria numa movimentação de R$ 30,688 bilhões, considerando a demanda por todos esses papéis. Esse número poderá ser acrescido de um lote suplementar de até 15% do total das ações, o que elevaria o negócio para R$ 35,291 bilhões.

Até ontem, havia demanda de investidores por ao menos R$ 13 bilhões, segundo a Bloomberg. Mas, segundo gestores que vêm sendo contatados pelos bancos que coordenam a operação, já haveria demanda por todos os papéis.

Leia Também:  Imposto de Renda: prazo para enviar declaração é aberto; saiba fazer

O início do período de reserva será de 3 a 7 de junho. No dia 8 de junho, será contabilizado o total de pedidos de reserva com o uso do FGTS. No dia 9, será fixado o preço da ação com base na demanda. As ações devem ser negociadas no dia 13 de junho na B3, a Bolsa de Valores de São Paulo.

Ações sobem no exterior e têm volatilidade no Brasil

A oferta está sendo coordenada por BTG, Bank of America, Goldman Sachs, Itaú BBA, Citigroup, Credit SUISSE, JP e Safra.

Após o lançamento oficial da oferta, os papéis ordinários (ELET3, com direito a voto) da Eletrobras subiam 0,30%, negociados a R$ 44,12 e os preferenciais (ELET6, sem direito a voto) cediam 0,05%, cotados a R$ 42,50.

As ADRs, recibos de ações, negociadas no exterior subiam 1,93%, cotadas a US$ 8,98. O valor das ADRs na oferta da Eletrobras foi definido em US$ 9,23 por papel.

Eletrobras republica balanço e inclui ‘risco Furnas’

Na manhã desta sexta-feira, a Eletrobras republicou o seu balanço relativo ao primeiro trimestre para incluir, no parecer do auditor independente, um parágrafo que enfatiza as incertezas decorrentes da decisão de Furnas.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

No fim de semana, Furnas publicou edital de convocação para assembleia geral de debenturistas para o próximo dia 30 de maio, com o objetivo de obter aval para fazer o aporte na Santo Antônio Energia. Isso significa que a empresa vai ampliar a participação na usina, localizada no Rio Madeira, em Rondônia, podendo assumir seu controle.

A convocação vem na sequência à aprovação pelos acionistas da Madeira Energia (Mesa), controladora da Santo Antônio Energia, que cuida da operação da usina, no último dia 29 de abril.

Por unanimidade, os sócios da Mesa — Furnas, Caixa, Odebrecht, Andrade Gutierrez e Cemig — aprovaram um aumento de capital de até R$ 1,58 bilhão para quitar o pagamento de uma decisão arbitral desfavorável à Santo Antônio Energia.

No prospeto da oferta, a Eletrobras diz que a previsão é que Furnas passa a deter até 72,36% do capital votante e total da Madeira Energia.

O imbróglio pode gerar a ” violação de contratos financeiros de Furnas, o que pode desencadear obrigações significativas para a Companhia, comprometendo os negócios da Companhia, sua condição financeira e resultado de suas operações”, diz o documento.

Uso do FGTS na operação

No prospecto, a Eletrobras informou ainda que 10% da quantidade total de ações serão destinadas a empregados e aposentados.

Disse também que será garantida a alocação mínima de ações a cada pessoa física (o chamado investidor de varejo) de, ao menor, R$ 5 mil. A empresa lembra que esse valor poderá ser aumentado até R$ 50 mil, a depender do volume de pedidos.

Com a operação, o BNDESPar – braço de participações do BNDES – pode arrecadar pouco mais de R$ 3 bilhões com a venda de suas ações.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

ANP muda regra de estoque de combustíveis para evitar falta de diesel

Publicados

em

ANP alterou regra sobre estoque para evitar falta de diesel nos postos
Marcello Casal Jr/ Agência Brasil

ANP alterou regra sobre estoque para evitar falta de diesel nos postos

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) vai propor uma mudança na regulação para aumentar a segurança de abastecimento em meio aos riscos de falta de diesel no Brasil ao longo do segundo semestre deste ano. A decisão ocorreu na tarde desta quinta-feira em reunião da diretoria do órgão regulador.

Pela proposta, a agência quer manter o nível de estoques de diesel S10 em 1.650 metros cúbicos, volume determinado com base na média de maio deste ano. Para alcançar isso, as empresas terão de fazer nove dias de estoques por semana. Até então, a exigência era de três a cinco dias, a depender da região do país.

Hoje, as grandes companhias distribuidoras do país, como a Vibra e Ipiranga, já têm essa média de estoque, de cerca de 9 dias, segundo fontes. Para fontes do setor, a iniciativa é tímida, pois é o volume que já está ocorrendo na prática. Enquanto isso, segundo uma fonte, o setor de abastecimento está em “alerta”.

Leia Também:  Lucro líquido da TIM fica em R$ 419 milhões no 1T22

Segundo a ANP, vão precisar seguir essa nova regra produtores e distribuidores que tenham um market share acima de 8% com base nas informações relativas ao ano passado. Porém, segundo Valéria Amoroso Lima, diretora executiva de downstream do Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP), a medida pode elevar os custos e onerar ainda mais os consumidores.

Pela regra, essa exigência será temporária, valendo apenas entre setembro e novembro.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Estoques chegam a 45 dias

Segundo estimativa da ANP, a demanda total de diesel para o segundo semestre é de 104,7 mil metros cúbicos por dia. Desse total, a importação mínima deve ser de 35% (37 mil metros cúbicos por dia) para poder atender ao consumo, já que a produção nacional será de 67,7 mil metros cúbicos por dia.

Leia Também:  PF faz nova mobilização por reajuste salarial

Segundo a ANP, se todas as importações forem suspensas, os estoques para suprir o déficit da demanda chegam a 45 dias.

A nova regulamentação precisa passar ainda por consulta e audiência públicas. Entre os novos pedidos, a ANP quer ainda ampliar as informações recebidas.

Desde março, quando declarou “sobreaviso” de abastecimento, a ANP vem acompanhando os estoques. O volume chegou ao máximo de 1.718 metros cúbicos no fim de maio. Na última semana de junho, os estoques estão em 1.523 metros cúbicos, o equivalente ao mês de abril.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA