Política

Educação debate ensino de alunos com deficit de atenção

Publicados

em


A educação especial de crianças com transtorno do deficit de atenção e hiperatividade (TDAH), transtorno opositivo desafiador (TOD) e dislexia será assunto abordado na reunião da Comissão de Educação na segunda-feira (8), a partir da 12h15, no Plenário Rui Barbosa.

Um dos convidados é o neuropediatra Raphael Rangel. De acordo com o especialista, esses três transtornos se complementam e são classificados como de neurodesenvolvimento e comportamentais e, se não tratados, podem acarretar em problemas no aprendizado escolar.

O tratamento é seguro e eficaz e consiste no uso de medicamentos e realização de terapia de apoio na escola com equipe multidisciplinar. No entanto, obter um diagnóstico precoce é importante para o desenvolvimento do estudante e, nesse caso, o papel do professor é fundamental.

A neuropsicóloga Marta Rossoni explica que geralmente a mudança comportamental nas crianças é observada primeiramente onde ela estuda, e, na sua grande maioria, começa no final da educação infantil e no início do ensino fundamental.

Por isso, segundo o médico Rafael Rangel, é preciso investir na capacitação dos docentes para que possam ajudar na identificação desses casos, principalmente a partir da alfabetização, para minimizar ou evitar perdas educativas, tornando a evolução “completamente diferente”.

Leia Também:  Matéria reserva assento para aluno autista

Conforme Marta, a ausência de diagnóstico faz com que muitas vezes essas crianças sejam taxadas de mal-educadas, burras ou perversas e, embora exista um percentual de professores que busca aperfeiçoamento, muitos têm dificuldades no processo ensino-aprendizagem.

As escolas podem contribuir com programas de reforço pedagógico voltados para esses estudantes, como salas de reforço no contraturno, envio de material para casa ou até mesmo um professor de apoio. E, embora não possa dar o diagnóstico, o professor com “olho clínico” deve orientar sobre um comportamento fora do padrão e falar para família procurar um profissional.

De acordo com a neuropsicóloga, os três transtornos são muitos comuns e a presença de um não exclui o outro. É possível que uma pessoa tenha TOD com TDAH ou TOD com dislexia, por exemplo.

A reunião deve contar também com a presença do pediatra Tadeu Marino, que representará a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) no debate.

Comissão de Turismo

Os deputados do colegiado recebem o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-ES), Gustavo Guimarães, que falará sobre o turismo pós-pandemia. A reunião híbrida será às 11 horas de segunda (8) no Plenário Dirceu Cardoso.

Leia Também:  PL reserva assento para aluno autista em escolas

Comissão de Cidadania

O colegiado realizará audiência pública virtual para debater o papel das mulheres trabalhadoras da saúde durante a pandemia. O encontro será na quinta (11), às 17 horas.

Comissão de Saúde

“Vivendo bem com a Doença Renal em tempos de Pandemia”. Esse será o assunto da comissão, que se reúne na terça (9), a partir das 9 horas, e recebe o chefe do Serviço de Nefrologia do Hospital das Clínicas, Lauro Monteiro Vasconcellos Filho.

Confira a agenda das comissões*

Segunda (08)
11 horas – Comissão de Turismo – Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)
11 horas – Comissão de Defesa do Consumidor – Plenário Rui Barbosa
12h15 – Comissão de Educação – Plenário Rui Barbosa
13h30 – Comissão de Finanças – Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)

Terça (09)
9 horas  – Comissão de Saúde – Virtual
13h30 – Comissão de Justiça – Local: Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)

Quarta (10)
13 horas – Comissão de Assistência Social – Local: Plenário Dirceu Cardoso (híbrida)

Quinta (11)
17 horas – Audiência Pública da Comissão de Cidadania – Virtual

*Agenda sujeita a alterações 
 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Combate ao preconceito psiquiátrico é alvo de PL

Publicados

em


Para a maioria dos brasileiros o termo psicofobia ainda é bastante novo, mas se trata de expressão usada para designar atitudes preconceituosas e discriminatórias contra pessoas com deficiências ou transtornos mentais.

Para conscientizar a sociedade capixaba sobre a importância de combater esse tipo de discriminação o deputado Doutor Emílio Mameri (PSDB) apresentou o Projeto de Lei (PL) 44/2021 para que seja incluída no calendário oficial de eventos do estado uma data com essa finalidade. Caso vire lei, 12 de abril será considerado o Dia Estadual contra a Psicofobia.

Chico Anysio

Mameri relata no projeto que o termo psicofobia foi criado a partir de um pedido do falecido humorista Chico Anysio, que fez acompanhamento psiquiátrico, por causa da depressão, durante mais de duas décadas.

Num depoimento gravado para a Sociedade Brasileira de Psiquiatria (SBP) Chico revelou sua luta para se manter produtivo apesar da doença e opinou que faltava uma expressão que denominasse a discriminação sofrida por muitos que dependem de acompanhamento psiquiátrico.

“Chico Anysio sugeriu que fosse criado um nome para conceituar esse tipo de preconceito, daí a escolha do termo ‘psicofobia’ pela Associação Brasileira de Psiquiatria”, explica Emílio Mameri.

Leia Também:  Matéria reserva assento para aluno autista

Frente Parlamentar

O deputado acrescentou que, em julho de 2020, o presidente da SBP participou de reunião da Frente Parlamentar em Defesa da Saúde Mental, instituída pela Assembleia Legislativa (Ales), que debateu a história das políticas de saúde mental no país e a correlação com o estigma social e a psicofobia.

Na ocasião, ele recomendou medidas no estado, como a criação do dia estadual contra a psicofobia e informou que há um projeto nesse sentido tramitando no Congresso Nacional.

O deputado considera que a aprovação da iniciativa, tornando 12 de abril Dia Estadual de Combate à Psicofobia, significará um apoio importante na luta contra o preconceito sofrido por milhões de brasileiros acometidos por transtornos psíquicos.

Por se tratar de matéria que altera a norma sobre legislação em vigor referente às semanas e aos dias estaduais comemorativos de relevantes datas e de assuntos de interesse público (Lei 11.212/2020), a proposta será analisada conclusivamente pela Comissão de Justiça, colegiado responsável por emitir parecer quanto à legalidade, juridicidade e constitucionalidade dos projetos que tramitam na Casa. 
 

Leia Também:  Tupiniquim de Aracruz resgata sua língua nativa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA