Economia

Eduardo Bolsonaro defende compra de leite condensado: “produto calórico”

Publicados

em


source

Brasil Econômico

Eduardo Bolsonaro defende compra de leite condensado
Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Eduardo Bolsonaro defende compra de leite condensado

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) se manifestou, nesta quarta-feira (27), a respeito dos gastos do governo federal com a compra de leite condensado . O filho de Jair Bolsonaro disse que foi criada uma “narrativa para desgastar o presidente” e defendeu a compra do doce.

Em um publicação no Twitter, Eduardo começou dizendo que o leite condensado foi escolhido “por ter virado de certa maneira uma marca do presidente, presente até em seu café da manhã com NSC John Bolton em sua residência no Rio durante a transição em 2018”.

Depois, o deputado disse que o maior gasto (91%) com leite condensado foi do Ministério da Defesa . Ele ainda julgou a quantidade “bem razoável” para alimentar as tropas militares .

Você viu?

“O item é um produto calórico indicado a quem faz muitas atividades físicas e serve de base para a elaboração de vários outros alimentos comuns a mesa dos brasileiros como bolos”, continuou Eduardo.

O filho de Bolsonaro aproveitou para atacar figuras políticas que criticaram o gasto, como Ciro Gomes e Sâmia Bomfim . Ele, porém, não comentou a respeito dos demais itens do “carrinho” do governo federal. Dentre os gastos, estão R$ 2,2 milhões em chicletes, R$ 32,7 milhões em pizzas e refrigerantes e R$ 7 milhões em bacon. 

Só de vinho, o Ministério da Defesa , defendido por Eduardo Bolsonaro , gastou mais de R$ 2,5 milhões em 2020.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Planos de saúde: operadoras terão de explicar ao governo reajuste na pandemia

Publicados

em


source
Operadoras de planos de saúde terão de explicar ao governo reajuste durante a pandemia
Agência Brasil

Operadoras de planos de saúde terão de explicar ao governo reajuste durante a pandemia

As operadoras de planos de saúde terão que dar explicações sobre os reajustes aplicados durante a pandemia ao Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC). O órgão do Ministério da Justiça notificou as empresas.

Possíveis distorções nos preços dos planos levaram consumidores mais vulneráveis, e sem meios de negociar com as empresas, a enfrentarem aumentos maiores que os registrados nos grandes contratos, que tiveram até queda de valor em alguns casos.

O impacto do reajuste varia para cada consumidor.

Para encerrar o problema, o DPDC avalia que seria preciso assinar um termo de ajustamento de conduta (TAC) com as operadoras de saúde . O objetivo é equacionar problemas com os reajustes aplicados no ano passado, com os cerca de 20 milhões de contratos que tiveram aumento suspenso e, agora, têm de pagar não apenas o novo índice, mas também a recomposição do valor que deixou de ser cobrado.

Leia Também:  Imposto de Renda 2021: prazo para entrega da declaração começa hoje

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA