Negócios

Dinheiro público: Folha consegue acesso a parte dos relatórios do BNDES

Publicados

em

Por | 08.05.2012

 

Por Pedro Canário (Revista Consultor Jurídico)

 

A Justiça Federal do Rio de Janeiro deu ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) 30 dias para que forneça cópias de partes de seus relatórios de análise para a Folha de S. Paulo. Em Mandado de Segurança, o jornal pediu para ler os relatórios sobre todas as operações financeiras acima de R$ 100 milhões aprovadas pela diretoria do banco.

 

De acordo com decisão do juiz federal Dario Ribeiro Machado Junior, da 5ª Vara Federal Cível do Rio de Janeiro, o jornal pode ver as transferências financeiras feitas entre o BNDES e entidades públicas, como prefeituras, autarquias e concessionárias públicas.

 

Entretanto, não pode ver as transações feitas entre o banco e entidades privadas. Isso porque “pessoas jurídicas de direito privadas” estão protegidas pelo sigilo bancário descrito na Lei Complementar 105/2001. O jornal, representado pelo advogado Alexandre Fidalgo, do Espallargas, Gonzalez, Sampaio, Ciochetti e Fidalgo Advogados, já adiantou que pretende recorrer dessa parte da decisão. Segundo ele, a liberdade de informação é um dos “valores estruturais de um Estado Democrático de Direito e devem ser sempre privilegiados”. “Não cabe a diferenciar, para a hipótese tratada, os entes de natureza de direito público dos privados, eis que todos se utilizam de dinheiro público e precisam prestar contas à sociedade”, declarou.

 

Fiscalização de contas públicas


Em agosto do ano passado, a Folha pediu que o BNDES informasse as operações aprovadas entre janeiro de 2008 e março daquele ano. Esse documento é o laudo técnico que justifica as liberações de recursos do banco para financiamentos. O acesso foi negado pelo banco, sob a afirmação de que as informações estavam protegidas pelo sigilo bancário, regulamentado na Lei Complementar 105.

 

O jornal entendeu que a negativa violou os artigos 5º, incisos XXXIII, e 220, inciso XIV, da Constituição Federal, que garantem a liberdade de informação e o não impedimento da atividade jornalística da imprensa, respectivamente. Foi à Justiça Federal do Rio, onde fica o BNDES, defender seu ponto de vista.

 

Alegou que o banco é uma instituição pública, que tem como fontes de recursos transferências diretas do governo e o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Também afirmou que o governo, nos últimos anos, “emitiu volume expressivo de títulos da dívida pública para financiar o banco”. “A privacidade das pessoas deve ser protegida sem que seja prejudicado o direito de livre expressão do pensamento e o direito de receber informações. Será uma afronta aos valores constitucionais a preservação da privacidade de uma empresa, na medida em que se deixa toda a sociedade sem acesso a fatos de evidente interesse público”, sustentou.

Leia Também:  Empresários têm até dia 25 para evitar exclusão do Simples

 

No fim de 2010, diz a Folha, os empréstimos do Tesouro ao BNDES atingiram R$ 235,9 bilhões, 90% do total dos empréstimos do governo federal a bancos públicos. O FAT, uma das fontes de recursos do banco, por sua vez, é um fundo ligado ao Ministério do Trabalho e Emprego, e tem como fontes de recursos os tributos Programa de Integração Social (PIS) e o Programa de Formação do Patrimônio Público (Pasep), pagos por empresas.

 

Também em 2010, ainda de acordo com as alegações da Folha, o BNDES desembolsou R$ 168 bilhões, 158% a mais que o liberado em 2007. “Em suma, além de ser uma empresa pública, custeada pela emissão de títulos da dívida pública, parcela representativa dos recursos do BNDES é produto da contribuição compulsória do trabalhador”, disse a Folha, ao propor o Mandado de Segurança. Citou o professor universitário e doutor em administração de empresas Sérgio Lazarini: “Os trabalhadores e suas famílias poupam compulsoriamente – consomem menos agora – para financiar projetos aprovados pelo governo”.

 

Empresa pública, recursos públicos


O juiz federal Dario Ribeiro Machado Junior, da 5ª Vara Federal Cível do Rio de Janeiro, deu razão ao jornal. Entendeu que o BNDES, por mais que negocie com companhias privadas, é uma empresa pública, financiada por recursos públicos, e por isso deve ser regida pelo princípio constitucional da publicidade de seus atos.

 

“Dessa forma, verifica-se sem maiores dificuldades que são públicos os recursos utilizados pelo BNDES na consecução de seus objetivos, tanto quanto basta para que o tratamento concedido à sua atuação, no que tange à publicidade de seus atos, seja distinto do atribuído às demais instituições financeiras. Nesse contexto, verifica-se que o deslinde do feito passa pela solução da tensão existente entre (i) o direito à privacidade das entidades que prestaram informações ao BNDES e (ii) o Princípio da Publicidade ao qual está submetida aquela empresa pública”, sentenciou ele.

Leia Também:  Fruticultura cresce no Espírito Santo

 

O juiz também negou o argumento do BNDES de que o relatório estaria protegido pelo sigilo bancário, conforme dispõe a Lei Complementar 105/01. Citou precedente do Supremo Tribunal Federal que, em 1999, decidiu que o sigilo bancário não é um direito absoluto. Na interpretação de Machado Junior, “o sigilo bancário deve ser entendido como um aspecto do direito à intimidade, direito esse que não subsiste diante do Princípio da Publicidade que, é sabido, é intrínseco à atuação daquelas entidades [entidades públicas]”.

 

Conflitos constitucionais


O juiz federal Dario Machado fez ressalvas ao falar no princípio da publicidade e ao direito à informação. Afirmou que, por mais que o BNDES seja uma empresa pública, lida com informações sensíveis a empresas privadas. O direito à informação, portanto, no entendimento do juiz, não é absoluto.

 

Cita o artigo 5º, inciso XXXIII, da Constituição, levantado pela Folha: “Todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado”.

 

No entendimento do juiz, a própria Constituição impõe limites ao Direito, o que se aplica diretamente ao pedido da Folha. “Quando estivermos diante de entes integrantes da Administração que sejam pessoas jurídicas de direito privado, deve prevalecer o sigilo bancário, uma vez que tais entidades submetem-se em larga escala ao regime jurídico próprio dos entes tipicamente privados, pelo que devem ter preservadas as informações referentes às suas movimentações financeiras.”

 

Decidiu, então, que a Folha só pode ter acesso a detalhes das relações financeiras entre o BNDES e entes públicos, mas não a privados.

 

Clique aqui para ler a sentença.

 

 

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Negócios

Economia forte faz Ford lançar no Brasil primeiro carro global

Publicados

em

Por

Por | 05.01.2012

 

BRASÍLIA – AGÊNCIA CONGRESSO – O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, falou da força da economia brasileira durante o lançamento do novo Ford EcoSport, o primeiro carro da Ford produzido no Brasil, que será exportado para mais de 100 países.

“Esse é um momento especial, vivemos um momento de crise mundial e ao mesmo tempo os investimentos no Brasil crescem. Isso mostra a força do nosso país que hoje é fundamental para a sustentação da economia global”, disse Mercadante, que representou a presidenta Dilma no evento.

 

Criado em Camaçari, na Bahia, o EcoSport de nova geração faz hoje sua pré-estreia mundial também na capital da Índia. Os eventos em Brasília e Nova Déli simbolizam a popularidade que a Ford espera alcançar nos grandes mercados emergentes globais e também o crescente papel que a área de desenvolvimento do produto da América do Sul.

Os investimentos do novo Ecosport fazem parte de um total de R$ 2,8 bilhões que a companhia pretende investir no Nordeste, até 2015

“O lançamento no Brasil e na Índia, dois países da BRICS, mostra a nossa força e importância na economia mundial. Em um momento de crise global continuamos crescendo e vamos investir cada vez mais em pesquisa, engenharia, crédito e incentivo fiscal”, acrescentou o ministro.

O governador da Bahia, Jaques Wagner, também participou do lançamento e falou da importância do investimento para a economia da país e do seu estado.

“O Brasil começou na Bahia e o primeiro carro global da Ford também foi criado lá. A criatividade do nosso povo está nesse projeto que foi liderado por mais de mil engenheiros brasileiros na Bahia. É um orgulho ter um carro vendido em todo mundo com o carimbo do Brasil”, disse o governador.

Leia Também:  Fruticultura cresce no Espírito Santo

Com mais de 700.000 unidades produzidas desde o lançamento em 2003, o EcoSport é um caso de sucesso da indústria automobilística latino-americana. Desde então, tem sido o modelo mais vendido da categoria na região. O Centro de Desenvolvimento do Produto da Ford América do Sul fica localizado no Complexo Industrial Ford Nordeste, em Camaçari, na Bahia. Único do gênero na região, ele conta com mais de 1.200 engenheiros e designers que utilizam o estado da arte da tecnologia, incluindo avançadas ferramentas de design e engenharia baseadas em computação (CAD/CAE), para o desenvolvimento de veículos.


Ele é um dos oito centros de excelência da Ford no mundo e opera conectado em tempo real com outros centros nos Estados Unidos, Europa e Ásia.O complexo foi inaugurado em 2001 e trabalha junto com o Campo de Provas de Tatuí, em São Paulo, onde os novos veículos são testados e certificados. Ele é um dos dois únicos campos de provas existentes na América do Sul e um dos mais modernos do mundo.

Leia Também:  Nossocrédito Cachoeiro: R$ 2,5 milhões financiados e novo recorde

 

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA