Política Nacional

Deputado bolsonarista é condenado a pagaar R$ 20 mil por dossiê antifascista

Publicados

em


source
garcia
Reprodução/Facebook

Douglas Garcia (PTB-SP) já fez comentário transfóbico na Alesp


O deputado estadual Douglas Garcia (PTB-SP), alinhado ao governo federal, foi condenado a pagar R$ 20 mil de indenização por danos morais a uma mulher que ele acusou de ser “antifascista” ligada ao terrorismo, em uma lista que ele criou. 


O nome da mulher estava em um dossiê divulgado por Garcia com infomrações de pessoas que, segundo ele, estavam envolvidas em atos violentos em protestos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realizados no dia 31 de maio na Avenida Paulista.

O deputado ainda pode entrar com recurso. A decisão foi expedida no dia 6 de agosto e afirma que “o réu catalisou e sistematizou, naquilo que ele mesmo chamou de dossiê , uma lista com 700 a 1.000 nomes de pessoas (fotograficamente identificadas) suspeitas de integrarem o tal grupo Antifas”, conforme escreveu o juiz Guilherme Ferreira da Cruz, da 45ª Vara Cível Central de São Paulo.

Leia Também:  Procurador envia representação contra Flávio Bolsonaro à PGR

Garcia chegou a dizer que não sabia sobre o dossiê e que reuniu nomes em uma lista repassada à Polícia Civil, sob sigilo. O deputado é investigado por ter utilizado a estrutura do gabinete para criar a lista, conforme as informações veículadas no jornal O Estado de São Paulo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Witzel cita Tiradentes e diz que é “perseguido” na Alerj

Publicados

em


source
Wilson Witzel%2C governador do Rio de Janeiro
Reprodução/Tv Alerj

Wilson Witzel é julgado por suposta prática de corrupção na Saúde

O governador afastado do Rio de Janeiro,  Wilson Witzel (PSC), fez seu discurso de defesa por videoconferência na Assembleia Legsialtiva do Rio de Janeiro  (Alerj) nesta quarta-feira (23) e citou  Tiradentes ao dizer que é “perseguido” pelo deputados que votarão pelo seu impeachment.

“Estou sendo linchado moralmente e politicamente sem ter o direito de me defender”, inciou Witzel ao criticar também a “injustiça” da qual está sendo alvo.

“Tiradentes que foi delatado, vendido, morreu enforcado e as partes do seu corpo foram jogadas em praça pública para servir de exemplo para a tirania. A tirania escolhe suas vítimas e as expõem para que outros não mais se atrevam”, afirmou o governador afastado.

Leia Também:  Carlos Bolsonaro comprou imóvel por R$ 150 mil em dinheiro vivo

“Eu não me importo de ser julgado e submetido a julgamento nenhum porque tenho a convicção de que jamais cometi um ato ilícito”, disse Witzel. Neste momento ele continua fazendo seu discurso de defesa, que tem duração prevista no regimento de uma hora.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA