Política Nacional

Deputada usa máscara com a frase ”E daí?” durante sessão na Câmara

Publicados

em


source
Deputada do PSL
Foto: Reprodução/Câmara dos Deputados

Deputada do PSL usou a máscara de proteção contra o Covid-19 com a frase dita pelo presidente Bolsonaro

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) usou uma máscara de proteção com a frase “E daí?” durante sessão plenária na Câmara dos Deputados, na quarta-feira (20). Frase foi dita pelo presidente Jair Bolsonaro quando questionado sobre o número de mortos no Brasil pelo Covid-19.

“E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, afirmou o presidente após pergunta de repórter em frente ao Palácio da Alvorada. 

Após revelação de suposto vazamento para Flávio, Bolsonaro evita imprensa

Em seu Twitter, a deputada compartilhou vídeo que, segundo ela, inspirou uma fã a doar a máscara que ela usou. Nas imagens, Kicis diz frases como “E daí que cidadãos de bem estejam apanhando da polícia e guardas municipais, pelo simples exercício de seu direito constitucional de ir e vir” e “E daí que estão gastando rios de dinheiro com caixões, aberturas de covas, sacos para defuntos, mas o número geral de mortos em 2020 é inferior ao mesmo período de 2019?”

Leia Também:  Após adiamento das eleições, TSE adia prazos eleitorais em 42 dias

A deputada também alfinetou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ao postar “antes e daí do que ‘ainda bem'”, em referência à fala de Lula.

O ex-presidente declarou que “ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus, pois a população entenderia a necessidade do Estado.” Após repercussão negativa, Lula se desculpou pela frase, que classificou como “infeliz”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Gabinete de Bolsonaro tinha vaivem suspeito de dinheiro e cargos, revela jornal

Publicados

em


source
Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR

Movimentações analisadas são do tempo em que o presidente era deputado federal

Uma intensa e incomum rotatividade salarial de assessores e exonerações “de fachada”. Assim pode ser explicada a análise realizada em documentos relativos aos anos em que o  presidente Jair Bolsonaro era deputado federal e tinha grande movimentação, tanto de pessoal quanto de dinheiro, dentro de seu gabinete.

Segundo denúncia da Folha de S.Paulo, as movimentações atingem cerca de um terço das mais de 100 pessoas que passaram pelo gabinete de Bolsonaro entre os anos de 1991 e 2018. Tal modelo de gestão incluiu ainda a exoneração de auxiliares que eram recontratados no mesmo dia, prática que acabou proibida pela Câmara dos Deputados sob o argumento de ser lesiva aos cofres públicos.

Leia Também:  Gabinete de Bolsonaro tinha vaivem suspeito de dinheiro e cargos, revela jornal

Entre os exemplos de movimentações, estão inclusive alguns assessores que deixaram o gabinete do pai Jair para assumir função ao lado de Flávio Bolsonaro , atualmente senador pelo Republicanos-RJ, quando ele ocupava cargo na Alerj e que hoje são investigados pelo s uposto esquema de rachadinha .

A reportagem aponta ainda que a filha de Fabrício Queiroz , ex-assessor do Flávio que foi preso no último mês em uma casa na cidade de Atibaia, Nathália Queiroz , também consta na lista de movimentações suspeitas, tendo diversas “oscilações salariais” até ser demitida em 2018, mesmo dia em que o pai foi exonerado.

Sobre as “demissões de fachada”, o levantamento mostra que o gabinete de Bolsonaro registrou nada menos do que 18 exonerações de assessores nos 12 meses anteriores ao ato da Câmara que proibiu tal ação, sendo que todos foram recontratados sempre no mesmo dia da demissão.

Vale ressaltar que a Câmara dos Deputados tem uma grande verba para gastos dos parlamentares. Atualmente, cada um dos deputados recebe uma conta de mais de R$ 111 mil para contratações, que devem ser de um mínimo de 5 e um máximo de 25. As remunerações também variam, indo de R$ 1.025 para as funções mais simples até R$ 15.698 para os chefes de gabinete.

Leia Também:  "Invasivas e agressivas": Serra se defende e ataca ações da Lava Jato

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA