Economia

Depois de três meses, milhões seguem sem auxílio emergencial

Publicados

em


source
auxílio
Divulgação

Depois de três meses de pagamentos do auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal, milhões de pessoas que pediram a renda de socorro ainda não foram atendidas

Depois de três meses de pagamentos do  auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal, milhões de pessoas que pediram a renda de socorro ainda não foram atendidas.

Segundo os dados mais recentes da  Caixa Econômica Federal, há 1,2 milhão de pessoas em primeira análise e 700 mil em reanálise para obter o auxílio, totalizando 1,9 milhões de pessoas à espera dos R$ 600 – ou, no caso de mães solteiras, R$ 1.200.

Em um total de 108,9 milhões de pessoas que pediram o auxílio, 107,7 milhões já foram analisados – 65,2 milhões foram considerados elegíveis, mas 42,5 milhões foram tidos como inelegíveis.

Leia Também:  MP que prevê facilidade no funcionamento de empresas será votado nesta terça

A Dataprev, empresa responsável por realizar as análises dos cadastros, divulgou no sábado (4) que  1,1 milhão  dos cadastros são inconclusivos. Isso significa que os dados foram preenchidos de maneira incorreta pelos candidatos ao auxílio.

As pessoas ainda podem ajustar os cadastros, mesmo que o prazo para  inscrição ao auxílio já tenha terminado na semana passada.

Quem quiser contestar o auxílio negado pode fazer isso no aplicativo e site da Caixa (Caixa Auxílio Emergencial), ou na  Defensoria Pública da União.

Se pedir reanálise pelo DPU, ela será feita de forma individual pelo órgão, com base nos documentos comprobatórios enviados. A orientação do procedimento está disponível no  site da Defensoria.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Idosa de 83 anos é resgatada após 60 anos de trabalho análogo à escravidão

Publicados

em


source
Idosa de 83 anos é resgatada após 60 anos de trabalho análogo à escravidão
Reprodução / MPT-MG

Idosa de 83 anos é resgatada após 60 anos de trabalho análogo à escravidão


Um grupo de quatro trabalhadores rurais foi resgatado em condições análogas à escravidão na Zona Rural do Município de Rio Vermelho ( MG ). Entre os resgatados está uma idosa de 83 anos que trabalhou na fazenda por mais de 60 anos sem remuneração e nenhum outro direito trabalhista, como descanso semanal ou férias. Um trabalhador rural de 49 anos também foi liberto após prestar serviços no local há mais de 30 anos, nas mesmas condições.

A fiscalização foi realizada em conjunto pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), Auditoria Fiscal do Trabalho (Ministério da Economia) e Polícia Rodoviária Federal (PRF). As informações são do MPT de Minas. 

A força-tarefa foi mobilizada para apurar denúncias da trabalhadora doméstica. Na sede da fazenda , a fiscalização confirmou a denúncia, além de encontrar outros trabalhadores em situação degradante. Nenhum dos trabalhadores tinha registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) e, à exceção de botas de borracha, não utilizavam equipamentos de proteção individual.

O procurador da PTM Governador Valadares, Fabrício Borela Pena, que atuou no caso, relata que foram constatadas inúmeras irregularidades, como: 

  • falta de registro em CTPS; 
  • falta de pagamento de salários e 13º salário; 
  • ausência de depósito de FGTS e contribuição previdenciária; não concessão de férias; 
  • ausência de limitação da jornada de trabalho; 
  • não fornecimento de EPIs; 
  • ausência de realização de exames médicos e de medidas de gestão de segurança no trabalho rural.

Ele ainda aponta que a moradia das vítimas não tinham condições adequadas de segurança, conforto e higiene e alojamentos em condições precárias, como fornecimento de água potável, dormitórios limpos com colchões com densidade adequada, armários individuais e sem local adequado para guarda e preparo de refeições.


Uma vida inteira sem liberdade

A trabalhadora chegou à fazenda aos 12 anos de idade com a mãe e ali viveu por toda sua vida. O procurador relata que “ela jamais foi reconhecida como trabalhadora: nunca recebeu salário, nunca tirou férias, não tinha limitação de jornada, folga semanal ou intervalos. Trabalhou por, no mínimo, 60 anos em favor da família do proprietário, preparando as refeições, limpando e organizando a casa, lavando e passando roupas, cuidando das crianças, entre inúmeras outras tarefas”.

“Nos últimos anos, com o avançar da idade, ela já não tinha condições físicas de trabalhar com a mesma intensidade, de modo que o proprietário passou a contratar pessoas para realizar o trabalho doméstico, em alguns dias da semana. No entanto, ela nunca parou totalmente de trabalhar na casa. Os valores que recebia em dinheiro eram contados e destinados a pagar despesas específicas e inevitáveis da trabalhadora, em geral relacionadas a gastos com saúde”, relata.

Você viu?

De acordo com Borela, as próprias roupas da trabalhadora, em sua maioria, eram doadas pela família do proprietário. Ela também não possuía FGTS, poupança ou qualquer quantia guardada, jamais contribuiu para a Previdência Social e não se aposentou. 

No momento em que foi encontrada pela equipe, ela se mostrava em condições físicas bastante debilitadas, com uma ferida na perna e muita dificuldade para se locomover.

Além da idosa, foi também resgatado um trabalhador com deficiência auditiva, em situação semelhante. Ele trabalhava todos os dias, sem direito ao descanso semanal, e jamais recebeu salário regular ou férias. 

O procurador conta que “o trabalhador dormia em uma cama de madeira, com colchão encardido e empoeirado, roupas de cama gastas e sujas. Não havia armário para guarda de pertences, com objetos espalhados por todo o quarto e roupas amontoadas em um varal improvisado. Embora houvesse janela, ela era mantida sempre fechada, de modo que o cômodo era impregnado por forte cheiro de mofo, com muita poeira e sujidade. O teto, o piso, as portas e o pouco mobiliário existente estavam deteriorados e sujos. Dentro do quarto ainda eram deixadas diversas ferramentas de trabalho, como facões, enxadas, garrafas, etc”.

Leia Também:  Após aulas de economia, Anitta participará da sua primeira reunião no Nubank

Outras infrações

A situação dos outros dois trabalhadores resgatados também era inadequada. “Eles moravam em uma pequena casa, a cerca de três quilômetros da propriedade, com três filhos, em local de difícil acesso, localizada a cerca de uma hora de caminhada da sede da fazenda. Os trabalhadores faziam o deslocamento de ida e volta a pé, todos os dias (cerca de 3km cada trecho) e, para chegar à casa, têm que cruzar um riacho, com água até acima do joelho, ou passar por uma pinguela precária construída no local por eles mesmos”, diz o procurador.

Segundo ele, a casa em que residem é de pau a pique, subdimensionada, com diversas frestas no telhado que permitem a entrada de animais peçonhentos. Há fiação exposta e improvisada, com riscos de choques elétricos. 

Não há local adequado para guarda de alimentos. A água é retirada de uma pequena cisterna que não possuía vedação adequada, permitindo a queda de matéria orgânica e até pequenos animais e insetos, tornando a água imprópria para consumo, uma vez que não passa por qualquer processo de purificação ou filtragem.

Devido à situação de extrema vulnerabilidade socioeconômica, eles foram encaminhados à rede de proteção especial do município, onde serão acompanhados e inscritos nos programas sociais existentes. Também foram emitidas guias para recebimento de seguro desemprego.

O Ministério Público do Trabalho continua negociando com o empregador o pagamento das verbas salariais, rescisórias e indenizatórias dos trabalhadores, além da compensação pelos danos sociais decorrentes da gravíssima conduta praticada.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA