Economia

Dá para viver com o auxílio emergencial? Especialista conta o que priorizar

Publicados

em


source
auxílio
Divulgação

Auxílio emergencial foi renovado por mais dois meses pelo governo, mas R$ 600 não dão conta de todas as despesas familiares no Brasil

O governo aprovou a prorrogação do  auxílio emergencial por mais dois meses , ainda com parcelas de R$ 600, para os meses de julho e agosto. O auxílio busca diminuir os impactos financeiros causados em famílias de baixa renda durante a crise provocada pela pandemia de Covid-19.

No entanto, o  auxílio emergencial de R$ 600 representa apenas pouco mais da metade do salário mínimo (R$ 1.045).

O iG conversou com Jefferson Mariano, professor de economia e doutor em desenvolvimento econômico pela Unicamp, sobre como é a sobrevivência de famílias de baixa renda neste momento.

jefferson mariano
Reprodução BandNews

‘Questão de sobrevivência e não de uma vida com mínimo de dignidade’, diz Jefferson Mariano, doutor em desenvolvimento econômico, sobre o auxílio emergencial


Dá para sobreviver com o auxílio emergencial (R$ 600)?

Evidentemente que é impossível pensar em manter um domicílio com o auxílio. Mas é uma questão de sobrevivência, e não de uma vida com mínimo de dignidade. Vamos lembrar que esse valor corresponde a  pouco mais da metade do salário mínimo.

Por outro lado, há um número significativo de pessoas que residem em domicílios com esse valor de rendimento médio por pessoa. Aqueles que são elegíveis conseguem obter transferências do governo, como o  Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada. No entanto, há um enorme contingente de famílias que não tem acesso a esses recursos, especialmente os que moram nas ruas ou residem em domicílios improvisados.

Leia Também:  Número de fusões e aquisições em 2021 supera 2020

O que as pessoas devem priorizar, com uma renda tão baixa?

A prioridade passa ser a alimentação, higiene pessoal e limpeza e pelo menos um mínimo provisionamento para medicamentos. Além disso, se possível, é importante ter recursos para aquisição de itens que garantam o mínimo de conforto no domicílio como  água, luz e gás.

Mas não é possível falar em gastos com habitação de modo mais abrangente, uma vez que, pessoas com nível de renda tão baixo só teriam acesso a domicílios cedidos, ocupados ou improvisados. Vale destacar que quanto menor a renda das famílias, maior é o percentual gasto com  itens de alimentação.

Como pesquisar preços de alimentos e itens essenciais (como de higiene pessoal e de limpeza) neste momento?

Em um cenário de redução de mobilidade sociais as opções de despesas ficam mais restritas. Nos casos das famílias com faixas de maior poder aquisitivo, a opção tem sido o e-commerce. O reflexo tem sido a prática de preços mais elevados.

Enquanto estamos em  cenário de deflação, os alimentos seguem com variações positivas. Para o grupo de pessoas com menores rendimentos, resta, além dos riscos da pandemia, a alternativa de buscar a aquisição em redes maiores, pois em razão da escala os preços tendem a ser menores do que nos pequenos estabelecimentos.

No caso específico de itens de  alimentação e higiene, a alternativa de fato acaba sendo as grandes redes (hiper, supermercados e os “atacarejos”).

Nesse caso, as pesquisas via internet acabam ajudando. Nem sempre todos os itens são mais baixos em um único estabelecimento. Assim, tende a ocorrer o fracionamento das despesas por estabelecimento comercial.

Leia Também:  Ministério da Economia diz que pandemia se estabilizou e não espera  agravamento

No caso dos alimentos, as feiras livres tendem a ser uma alternativa, mas, novamente, é importante destacar os cuidados relacionados à pandemia. Perto do término os preços tendem a cair, mas é importante observar atentamente a qualidade dos produtos, especialmente aqueles mais frágeis e perecíveis. 

O que cortar das compras neste momento? 

Em relação aos itens de alimentação a alternativa para as famílias de baixa renda é tentar substituir os alimentos processados e industrializados por in natura. Os primeiros, além de mais caros tem um comportamento de preços rígidos.  Os alimentos in natura são mais baratos quando estão na sua época. Além disso, quando há uma safra muito boa, os preços têm quedas maiores. Na página da secretaria de agricultura do Estado de São Paulo há  todo mês a indicação dos alimentos de época.

Há também taxas que o consumidor geralmente não percebe que paga (como em cartões de crédito, por exemplo), que podem ser cortadas.

Sem dúvidas que, neste cenário de grandes restrições, todas taxas adicionais precisam ser cortadas. No caso de cartão de crédito, há a cobrança de taxas de anuidade. Nesse caso, vale negociar com as instituições, no sentido de pleitear isenções. Também é importante  não usar em hipótese nenhuma o crédito rotativo, pois as taxas são muito elevadas. Além disso, aquisição de itens de consumo imediato com o cartão de crédito é também extremamente arriscado.

Como lidar com o aluguel – com uma renegociação, por exemplo?

Caso a família resida em imóvel alugado, nesse cenário de pandemia e redução no rendimento habitual, deve-se optar por tentativa de  renegociação do aluguel.  Esse processo se intensificou nas últimas semanas e, em alguns casos tem ocorrido redução em torno de 30% – e não há ainda nenhuma norma ou legislação a respeito do tema. Porém o quadro tem levado a um número significativo de acordos, inclusive no caso dos imóveis comerciais.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Inflação desacelera para todas as faixas de renda em abril; confira

Publicados

em


source
Inflação desacelera para todas as faixas de renda em abril; confira
Lorena Amaro

Inflação desacelera para todas as faixas de renda em abril; confira

O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda registrou, em abril, uma desaceleração para todas as faixas de renda, interrompendo a tendência de crescimento sentida em dois meses consecutivos.

O estudo foi divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), nesta sexta-feira (14), e revelou que as taxas de inflação das famílias de renda média alta e alta, que possuem renda domiciliar entre R$ 8.254,83 e 16.509,66 e acima desse valor, passaram de 1,08% e 1,0% em março para 0,20% e 0,23%, respectivamente, em abril. Já as famílias de renda muito baixa, com renda domiciliar inferior a R﹩ 1.650,50, tiveram um menor alívio inflacionário, com uma variação dos preços passando de 0,71% para 0,45%

Diferente do ocorrido em janeiro e março, o segmento com a maior contribuição inflacionária deixou de ser o de Transportes e passou a ser o grupo de Saúde e Cuidados Pessoais. Esse impacto veio pelos 2,7% de aumento dos preços dos produtos farmacêuticos.

Leia Também:  IRPF 2021: BS2 dá 8 dicas de como declarar seus investimentos

Para as famílias de renda mais baixa, além do preço dos remédios, o grupo alimentos e bebidas foi o segundo com maior foco inflacionário para essa classe, principalmente por conta do aumento do preço das carnes (1,0%), das aves e ovos (1,5%) e dos leites e derivados (1,5%).

Você viu?

As famílias mais pobres tiveram um alívio, por outro lado, nas quedas das tarifas de energia elétrica (-0,04%) e dos ônibus intermunicipais (-0,11%), e com a redução do preço do botijão de gás (de 5,0% em março para 1,1% em abril).

Inflação

Além de terem menor impacto com o aumento dos medicamentos e alimentos, as famílias mais ricas contaram com a deflação de 0,9% dos combustíveis e de 11,3% dos transportes por aplicativo e também com a desaceleração dos preços dos serviços pessoais. Esse alívio só não foi maior para esses domicílios por causa do aumento de 6,4% do preço das passagens aéreas.

A variação acumulada do ano, já com os resultados de abril incorporados, revela que a inflação sofrida pela classe de renda mais baixa está menor do que o segmento mais rico da população, com taxas de 2,1% e 2,5%, respectivamente.

Essa diferença é explicada pela desaceleração dos alimentos e pela alta dos combustíveis registradas no primeiro trimestre de 2021. Já a variação acumulada em doze meses revela que a taxa de inflação das famílias mais pobres (7,7%) segue em um patamar bem acima que a observada no segmento mais rico da população (5,2%).

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA