Agronegócio

Cultivo de oliveiras para produção de azeite cresce na região das Montanhas Capixabas

Publicados

em

O plantio, além de ser rentável, é tolerante à seca, o que pode ser mais uma alternativa para agricultores diante da crise hídrica

Por | 00.00.

(Foto: Divulgação/Incaper)

O cultivo de oliveiras está em expansão no Espírito Santo. Além do município de Santa Teresa, pioneiro na atividade, os plantios dessa cultura foram iniciados em Santa Leopoldina, Santa Maria de Jetibá e Afonso Cláudio. Toda região Serrana do Estado é potencialmente promissora para cultivos de oliveiras com o objetivo de produzir azeite. O plantio, além de ser rentável, é tolerante à seca, o que pode ser mais uma alternativa para agricultores diante da crise hídrica. 

Para os extensionistas do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) do município de Santa Teresa, a atividade de olivicultura na região Serrana é uma grande aposta, pois permite a diversificação agrícola, o que contribui para o equilíbrio da renda da propriedade. “A olivicultura pode ser a redenção no desenvolvimento da agricultura de montanhas dada à sua característica peculiar, que consiste no processamento da azeitona para produção de azeite. É uma atividade que proporciona agregação de valor e geração de emprego e renda”, explicou o chefe do escritório local do Incaper em Santa Teresa, Carlos Alberto Sangali.

Ele disse que a olivicultura, além de se tratar de uma atividade rústica, perene e tolerante à seca, apresenta alta rentabilidade, o que pode permitir o retorno dos filhos dos agricultores familiares para a propriedade rural. “O cultivo de azeitonas também contribui na composição harmônica da paisagem e potencializa o turismo rural”, falou Sangali.

Incentivo à atividade

A proposta do Incaper é incentivar e fomentar a atividade de olivicultura, viabilizando a aquisição de mudas e a elaboração de projetos de financiamento para alavancar a cultura. Além disso, irá contribuir na identificação de canais de comercialização para o azeite de modo que os produtores obtenham maior remuneração.

Leia Também:  CNA debate ações para área ambiental em 2022

“Orientamos tecnicamente os agricultores na realização dos plantios de oliveira e iremos contribuir para sua organização na formação de uma associação forte e na criação de uma cooperativa de caráter coletivo. Nosso objetivo é a produção de um azeite genuíno, com características edafoclimáticas, sociais e étnicas, evidenciando as Montanhas Capixabas. Esse azeite deve ter aroma e sabores diferenciados, de baixa acidez”, falou o extensionista.

Na realização do Dia Especial de Olivicultura, ocorrido em setembro em Santa Teresa, ocorreram palestras que abordaram tecnologias de produção, planejamento da atividade, organização do produtor e processamento. Na ocasião, houve distribuição de mudas de qualidade superior e preços compatíveis, oriundas da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), aos agricultores.

Destaca-se nesse município a implantação de uma Unidade de Demonstração e jardim clonal, que possibilitará a produção de mudas de oliveiras no Espírito Santo. Essa unidade terá 10 dez variedades como Arbequina, Grappolo 541, Maria da Fé, Ascolano, Arbosana, Frantoio, Manzanilia, Grappolo 575, Mission e Koroneike.

Fabricação do azeite

Atualmente, o Estado conta com 75,5 hectares plantados de oliveiras, com 49 produtores envolvidos, utilizando cinco variedades: Arbequina, Grappolo, Maria da Fé, Ascolano e Koroneike. A expectativa é chegar a 2020 com uma área aproximada de 300 hectares e 200 produtores beneficiados, bem como iniciar em 2019 a produção de um azeite genuinamente capixaba.

“Nesse momento, além do fomento e orientação técnica, estamos envidando esforços para a elaboração da indústria de beneficiamento coletiva que será construída com recursos dos governos municipal, estadual e federal”, afirmou Sangali.

Leia Também:  Governo Estadual lança Nota Fiscal Fácil

Panorama da atividade

A olivicultura é uma atividade promissora e sua produção inicia-se a partir do 4º ano de implantação, apresentando uma produtividade de 2,5 toneladas por hectare. A partir do 6º ano, sua produção chega a 10 toneladas. O rendimento médio é de 1.600 litros de azeite por hectare.

Esses dados de produção são confirmados desde que o produtor obedeça às tecnologias preconizadas, tais como: plantio em áreas com altitude superior a 800m, com temperaturas adequadas à necessidade da cultura, que é de, aproximadamente, 200 horas/frio acumuladas abaixo de 12ºC; escolha da gleba com intensa luminosidade e arejamento; utilização de mudas geneticamente melhoradas (clonal); correção e nutrição baseadas em análise de solo; controle efetivo de formiga; utilização de um mix de variedades permitindo maior polinização e produção da oliveira, além da correta condução e poda de formação.

Expectativas dos produtores

Para o produtor Ruskim Junior, que plantou as oliveiras há um ano, as expectativas em torno da atividade são grandes. “O que me fez entrar na atividade é a rentabilidade. Tudo indica também que a mão-de-obra é menor. Plantei 800 mudas e cuido de quatro hectares. O único alerta que faço é em relação às formigas. Realmente, é preciso ter cuidados”, falou Ruskim.

Já o agricultor Sebastião Boff, da comunidade de Aparecidinha, decidiu investir na atividade neste ano. “Sou agricultor há 36 anos e recebi notícias do cultivo de oliveira. Vi nessa cultura uma grande oportunidade. Além do Incaper, também procurei informações na internet e vi que a cultura é realmente promissora”, relatou Sebastião.

Incaper

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Agronegócio

Rendimentos de trigo produzidos na Ucrânia podem ser reduzidos, enquanto os de milho podem aumentar

Publicados

em

A unidade de pesquisa agrícola SovEcon da Rússia reduziu seu rendimento de grãos ucraniano em 2022 em 1,4 milhão de toneladas, para 20,7 milhões de toneladas. Na temporada de 2021, o valor total registrado foi de 32,2 milhões de toneladas.

Em termos de safra de milho do país, a consultoria aumentou sua previsão em 1,1 milhão de toneladas, para 28,1 milhões de toneladas ante 42,1 milhões de toneladas até 2021.

De acordo com Andrey Sizov, analista do mercado de trigo da região do Mar Negro e diretor da SovEcon, em um relatório enviado aos clientes, os rendimentos do trigo são baixos nas áreas devastadas pela guerra. Soma-se a isso o baixo rendimento de grãos devido à falta de chuvas. “Grande parte das áreas semeadas recebeu apenas 60% e 80% da precipitação normal durante os últimos meses”, disse.

Odessa, uma cidade costeira da Ucrânia na costa do Mar Negro, recebeu menos de 50% das chuvas. “A produtividade atual de cevada de inverno na região, com queda de 50% em relação à temporada anterior, indica que a produção de trigo também provavelmente será baixa”, disse ele.

Leia Também:  Missão da CNA à Dubai termina com novos negócios e saldo positivo

Por outro lado, a produtividade média do milho aumentou para 6,10 toneladas/hectare de 5,86 toneladas/hectare, e a disponibilidade de insumos agrícolas superou as expectativas.

As condições climáticas são um tanto quanto desfavoráveis devido a ausência de chuvas, lembrou Sizov.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estima que a safra de trigo da Ucrânia seja de 21,5 milhões de toneladas e a de milho seja de 25,0 milhões de toneladas.

Fonte: Agroplus.tv

Fonte: AgroPlus

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA