Esportes

Cuba tem melhor desempenho da América Latina nas Olimpíadas

Publicados

em

Por | 14.08.2012

 A cubana Yanet Bermoy, medalha de ouro em Londres, vence seu primeiro combate na categoria para até 78 quilos / Foto: Granma

Com uma população de apenas onze milhões de habitantes, a ilha de Cuba encerrou, neste domingo (12), sua participação na Olimpíada de Londres na honrosa 16.ª posição no quadro geral de medalhas, o terceiro melhor país das américas e o melhor desempenho entre todos os países da América Latina

 

No total, o país obteve cinco medalhas de ouro, três de prata e seis de bronze, totalizando 17 premiações. Em todo o continente americano, ficou atrás apenas dos Estados Unidos, que venceu a competição segundo os critérios do quadro de medalhas (46 medalhas de ouro, 29 de prata e 29 de bronze, com 106 no total) e da Jamaica (4 de cada peso, 12 no total),que contou com a excepcionalidade de uma geração imbatível no atletismo, comandada pelo velocista Usain Bolt, detentor das melhores marcas em provas de velocidade plena. Cuba também ficou na frente do Canadá (apenas uma de ouro, 5 de prata e 12 de bronze).

Cuba recuperou o posto de nação latino-americana mais bem-sucedida, perdido em 2008 para o Brasil (três medalhas de ouro contra duas na ocasião). Nesta Olimpíada de Londres, os brasileiros obtiveram o mesmo número de medalhas dos atletas da ilha, mas em colocações mais baixas. Voltaram para casa com 3 medalhas de ouro, cinco de prata e nove de bronze. Enquanto o país sul-americano levou 257 atletas aos jogos deste ano, Cuba conseguiu uma atuação melhor levando apenas 110 esportistas.

Leia Também:  Papel do Flamengo é liderar e não ser lobo de outros clubes

As cinco medalhas de ouro cubanas foram obtidas pelos pugilistas Roniel Iglesias (até 64 kg) e Robeisy Ramírez (até 52 kg); a judoca Idalys Ortiz (até 78 quilos), o lutador greco-romano Mijaín López (até 120 quilos). O único medalhista de ouro cubano não-lutador foi o atirador Leuris Pupo, na pistola rápida 25 metros.

A grande decepção ficou no atletismo, onde o país ficou em branco, apesar da expectativa em torno do fundista Dayron Robles nos 110 metros com barreira. O campeão olímpico de 2008 e recordista mundial se lesionou na prova final.

Os demais países latino-americanos tiveram um desempenho discreto: Colômbia (1de ouro, três de prata e quatro de bronze), México (1, 3 e 3 respectivamente), Argentina (1, 1 e 2), República Dominicana (1, 1 e 0) e Venezuela (uma de ouro). Trinidad e Tobago (1 de ouro e 3 e prata), Bahamas e Granada (uma de ouro) foram as outras nações americanas a terminar em primeiro lugar em alguma modalidade. Porto Rico (uma de prata eoutra de bronze) e Guatemala, com uma de prata, também conseguiram uma menção no quadro.

Leia Também:  Em seu terceiro ano, Bolsa Atleta Capixaba beneficiará 104 atletas olímpicos

Com Opera Mundi

 

 

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Papel do Flamengo é liderar e não ser lobo de outros clubes

Publicados

em

“Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” – Marcos 8:36

A vocação para a glória que faz do Flamengo um dos maiores clubes do mundo não pode ser confundida com arrogância e prepotência.

Este outro patamar onde o clube se encontra em relação a demais agremiações deve servir não apenas para levantar taças, mas também novos conceitos que atendam ao Flamengo e a todo futebol brasileiro.

De que serve ser uma superpotência futebolística e financeira se ao seu redor outros clubes de iguais tradições e histórias morrem com os cofres vazios?

A história linda do rubro-negro carioca não foi construída apenas de épicos embates contra Liverpool ou Boca Júnior. Nosso caminho de campeão foi trilhado ao longo do tempo contra o América, contra o Bangu, o Olaria, o Volta Redonda… e, claro, contra os três grandes do Rio de Janeiro.

É preciso que esses clubes, ou a maioria pelo menos, continuem vivos, e é tarefa do Flamengo ajudar nisso, colocando-se como um líder e facilitador de novos entendimentos comerciais que favoreçam a todos. Não igualmente, claro, mas proporcionalmente ao tamanho de cada um.

Leia Também:  Pontos polêmicos atrasam votação da Lei Geral da Copa

Não com a soberba do presidente Rodolfo Landim, que a cada atitude que tem se coloca para o futebol brasileiro como um novo Eurico Miranda, mas com a humildade e seriedade do ex-presidente Bandeira de Mello que mostrou para nós que administrar é muito mais que apenas levantar taças.

Na gestão passada o rubro-negro deu exemplo pagando suas dívidas, limpando seu nome,  construindo uma nova relação com o torcedor e fazendo gestão honesta e transparente para criar confiança em investidores, estabelecendo assim patamares sólidos para que hoje chegasse aonde chegou.

Ao estabelecer uma nova relação com a Rede Globo, peitando seus interesses que nem sempre são favoráveis aos clubes, o Flamengo de agora ensina um novo caminho que pode gerar muitas coisas boas, não só do ponto de vista financeiro.

Uma delas é colocar fim ao nefasto horário estabelecido pela emissora para transmitir jogos durante a semana: religiosamente após suas telenovelas, lá para quase 22hs, horário em que pobres mortais trabalhadores já estão sonhando com o trânsito das 4hs da madrugada. Uma transmissão feita pelo próprio canal do clube, quando este for mandante, pode ter um novo horário mais adequado à realidade de um trabalhador e sem a ditadura televisiva.

Leia Também:  Fluminense terá patrocínio do Grupo SIKA

São pequenos passos a serem conquistados ao longo dos anos, mas não há dúvida de que o Flamengo se coloca como grande artífice desse novo momento pela grandeza de clube que se tornou. Pode-se, e deve-se, estar em um patamar acima dos demais, mas é bom para todos que os clubes tradicionais estejam igualmente fortes para que a velha rivalidade sobreviva.

Por isso cabe ao Clube Regatas Flamengo liderar esse processo pela força que tem. O rubro-negro será decisivo no novo formato do Campeonato Carioca do ano que vem. É preciso pensar em si, mas sobretudo ajudar agremiações menores.

O papel do Flamengo é ajudar a estabelecer um novo patamar para o futebol Carioca e Brasileiro, sem deixar de ser forte, mas sem se tornar o lobo de outros clubes. De que adianta ganhar o mundo e ver rivais próximos morrerem e levarem para seus túmulos as tradições e as histórias  que tão bem fazem ao futebol…. e ao Flamengo?

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA