Agronegócio

Criadores de animais capixabas devem atualizar cadastro no Siapec 3

Publicados

em

 

O Sistema de Integração Agropecuária (Siapec), utilizado para emissão da Guia de Trânsito Animal (GTA), comprovação de vacinação contra febre aftosa e atualização do rebanho foi atualizado e facilitará a interação do produtor com o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf).

O cadastro no novo sistema deve ser feito até esta quinta-feira (15), no site www.idaf.es.gov.br/siapec. Os criadores de animais, lojistas de revendas agropecuárias e médicos-veterinários que atuam como responsáveis técnicos que não atualizarem o cadastro ficarão impossibilitados de acessar o Siapec, a partir do dia 15 de janeiro.

O Fundo Emergencial de Promoção da Saúde Animal do Estado do Espírito Santo (Fepsa), juntamente com o Idaf, fez investimento significativo para evolução do sistema anterior.

A orientação do presidente do Fepsa, Neuzedino Alves de Assis, é para que os criadores capixabas façam o quanto antes a atualização de cadastro na plataforma. “Quem não tiver o cadastro atualizado não conseguirá emitir GTA, fazer declaração de vacinação, registro de mortes, nascimento ou outra movimentação de animais. Criadores de bovinos, bubalinos, suínos e aves devem atualizar seu cadastro”, afirmou.

Leia Também:  Faculdade CNA está com inscrições abertas para cursos de graduação EAD

Migração de sistema

Os sistemas Siapec 1 e Siapec 3 ficarão indisponíveis entre os dias 15 e 17 de janeiro. Nesse período acontecerá a migração dos dados. As GTAs que serão utilizadas nesses dias deverão ser emitidas até esta quinta-feira (14). A validade da guia será estendida.

Para mais informações entre em contato com o Fepsa: [email protected] | (27) 3185-9225

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

Cultivo do coco vira possibilidade para produtores de Mato Grosso

Publicados

em


O plantio do coco vem ganhando novas regiões de cultivo. Produtores do Sudeste e Centro-Oeste do país estão explorando a cultura com a finalidade de produção de água de coco. Segundo o instrutor credenciado junto ao Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT), Rafael Reginato Ávila, o cultivo apresenta um grande potencial de exploração.

 “A cultura apresenta uma grande diversidade nas formas de comercialização. O coco é aproveitado de forma industrial através da extração do óleo utilizado na produção de cosméticos, produtos de limpeza, higiene e medicamentos. In natura com o consumo da água e na utilização no preparo de doces e também para confecção de objetos através de sua casca fibrosa”.

Ávila conta ainda que existem três principais variedades de cultivo. “O produtor pode escolher entre gigante, anã e híbrida. É importante que ele se atente aos critérios específicos como estudo do mercado local, potencial produtivo da área e necessidades do público alvo e também se sua propriedade rural atende as necessidades da cultura como solo, clima e questões hídricas”.

Leia Também:  Pecuaristas atendidos pelo Senar relatam melhoria no desempenho da produção

O treinamento ofertado pelo Senar-MT em parceria com os sindicatos rurais, possui 40 horas e tem como objetivo ensinar os participantes a fazer o cultivo do coco para consumo, processamento e comercialização, utilizando práticas atuais e de diferentes níveis tecnológicos de produção.

Ingrid Weber, 50, moradora do município de Nobres, aproveitou o curso demandado pelo Sindicato Rural de Rosário Oeste para aprender um pouco mais sobre a cultura. “Além de me interessar bastante pelo cultivo, achei uma boa oportunidade de aprendizado para investir nesse tipo de produção, que ainda falta em nossa cidade”.

A artesã acrescenta que através dos conhecimentos aprendidos no treinamento pretende realizar seu próprio plantio além de repassar as informações para vizinhos e familiares. “Em nosso município necessitamos muito de treinamentos voltados ao cultivo de culturas, até para investirmos mais na agricultura local. Após o treinamento pretendo realizar meu próprio plantio e repassar os aprendizados aos meus filhos e netos. E, caso algum vizinho precise de informações, irei auxiliar também”.

Leia Também:  Produtores rurais atendidos pela ATeG recebem treinamentos de Formação Profissional Rural
Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA