Política Nacional

CPI da Covid quer investigar ação de Ernesto Araújo para compra de cloroquina

Publicados

em


source
Ernesto Aráujo, ex-ministro das Relações Exteriores
Márcio Batista/MRE

Ernesto Aráujo, ex-ministro das Relações Exteriores

A CPI da Covid quer investigar a  ação do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo que garantiu o fornecimento de cloroquina ao Brasil. De acordo com reportagem do jornal Folha de S.Paulo , o ex-chanceler ofereceu a estrutura do Itamaraty para a vinda do medicamento sem eficácia comprovada contra a Covid-19 mesmo após a Organização Mundial da Saúde (OMS) interromper testes clínicos.

O depoimento de Araújo na comissão, que inicialmente estava previsto para esta semana, foi adiado para 18 de maio.

A corrida do Itamaraty atrás da cloroquina começou pouco depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falar em “possível cura para a doença” em suas redes sociais, em 21 de março do ano passado.

Durante todo o mês de abril de 2020, houve inúmeros pedidos do Itamaraty para obtenção de cloroquina. O remédio é defendida por Bolsonaro para a cura, tratamento e prevenção contra a Covid-19.

Até novembro de 2020, o Ministério das Relações Exteriores não havia enviado instruções específicas para diplomatas avaliarem potenciais fornecedores de vacinas ou medicamentos na China, segundo pessoas envolvidas em negociações.

Leia Também:  Após críticas a Renan e apoio a Bolsonaro, PM é exonerado em Alagoas

Você viu?

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou nesta segunda-feira (10) que Ernesto será questionado, em seu depoimento na comissão, sobre os esforços para a compra de cloroquina.

Segundo Aziz, os senadores apelaram inúmeras vezes a Ernesto, quando estava no cargo, para fazer esforços internacionais para comprar vacinas. Para o presidente da CPI, o depoimento do ex-chanceler vai ajudar a apurar o papel do Itamaraty na compra de vacinas e medicamentos contra a Covid.

“Ele fez esforços para comprar cloroquina, que não funciona, e negligenciou compra de vacinas, que funcionam.”

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), disse que serão levantadas informações para investigar como atuou o Itamaraty sob o comando de Ernesto na pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

“Serão fundamentais para elucidação dos fatos e atrairá os refletores para o depoimento do ex-chanceler. Outros fatos dessas tratativas internacionais também serão levantados.”

Leia Também:  Deputados do PT acionam PGR contra passeio de moto de Bolsonaro

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Bolsonaro se reúne com Pfizer e tenta antecipar chegada de vacinas

Publicados

em


source
Bolsonaro se reuniu com representantes da farmacêutica Pfizer nesta segunda-feira
Reprodução: iG Minas Gerais

Bolsonaro se reuniu com representantes da farmacêutica Pfizer nesta segunda-feira

O presidente Jair Bolsonaro se reuniu nesta segunda-feira com a presidente da farmacêutica Pfizer na América Latina , Carlos Murillo, e a presidente da empresa no Brasil, Marta Díez. Ao lado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o governo brasileiro pediu a antecipação de doses da vacina da empresa.

A relação entre o governo federal e a Pfizer é um dos pontos centrais da CPI da Covid, que investiga os motivos que levaram Bolsonaro e seus auxilares a demorarem meses para responderem às ofertas feitas pela empresa oferecendo vacinas. Carlos Murillo, da Pfizer, foi uma das testemunhas ouvidas pelos senadores.

Nos últimos dias, governadores e prefeitos anunciaram antecipações do cronograma de vacinação, como João Doria, em São Paulo. O prefeito Eduardo Paes, do Rio de Janeiro, também prometeu acelerar a campanha de imunização em breve. Os anúncios geraram críticas de integrantes do governo. Queiroga chegou a responder ao anúncio do tucano, destacando que a antecipação só seria possível graças às doses obtidas pelo governo federal, mesma crítica feita por alguns deputados bolsonaristas.

Leia Também:  Joice Hasselmann anuncia saída do PSL e acusa partido de "prostituição"

O encontro não estava previsto na agenda do presidente, mas consta na agenda do ministro Marcelo Queiroga. Na audiência, também estavam o chanceler Carlos Alberto França, e o ministro da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos.

Por parte da Pfizer, foram ao Palácio do Planalto dois executivos da empresa, Lucila Mouro e Rodrigo Sini. Murillo e Díez acompanharam a reunião de forma remota. Procurada, a empresa não quis comentar sobre a reunião.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA