Esporte

Covid-19: sindicato paulista cogita pedir paralisação do Brasileiro

Publicados

em


.

O Sindicato de Atletas de São Paulo (Sapesp) enviou um ofício à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pedindo mudanças nos protocolos sanitários adotados para o Campeonato Brasileiro, em meio à pandemia do novo coronavírus (covid-19). A entidade, que divulgou o comunicado nesta quarta-feira (12), cogita até entrar com uma ação judicial para interromper a competição, se necessário. À Agência Brasil, a CBF disse que, no momento, não se pronunciará.

“O formato da CBF precisa de ajustes. A gente não pode permitir a continuidade da competição em detrimento às vidas, que estão sendo expostas. Ratificando que a gente quer as competições realizadas, sabemos que a questão financeira é importante a clubes e atletas, mas, se perdermos uma vida, não terá dinheiro que pague”, afirma o presidente do sindicato, Rinaldo Martorelli. “Não descartamos a possibilidade de, em um momento extremo, entrar com ação para preservar a vida dos jogadores e dos clubes do estado que representamos”, completa.

No documento, enviado à CBF na terça (11), o sindicato apresenta reportagens diferentes para ilustrar a suposta fragilidade do protocolo da entidade, citando os três jogos adiados nas principais divisões nacionais, apenas na primeira rodada. “Sem desmerecer todos os esforços anteriores para a elaboração dos procedimentos e definidos em forma de protocolo final e, com o respeito que a situação exige, para os próximos ajustes, há de se considerar novos e outros elementos”, resume o ofício.

Leia Também:  Nove dias depois, Marreco e Carlos Barbosa se reencontram pela LNF

Como sugestões, o sindicato menciona a estratégia do Campeonato Alemão, que “teve três sessões de testes na semana antes da reestreia e obrigava um isolamento das delegações por até sete dias antes de cada partida”, e a bolha adotada pela NBA, liga norte-americana de basquete, isolando os atletas na Disney. “Evidente que qualquer dos dois parâmetros, para ser adotado, deve considerar as modificações inerentes às condições nacionais, porém, sem desconsiderar a essência que traga segurança na preservação da saúde e vida de todos os envolvidos”, diz o documento.

Cenário confuso

Na última segunda (10), a CBF anunciou as primeiras mudanças no protocolo, com o aumento no número de testes por rodada, com 72 horas de antecedência a cada partida e a liberação para que os clubes optem pelos exames em laboratórios locais. Até então, os testes vinham sendo todos feitos no Hospital Albert Einstein, parceiro da entidade. A alteração se deu após o Goiás ter sido informado, com atraso, sobre nove casos positivos da covid-19 horas antes do jogo com o São Paulo, no domingo (9). A partida foi adiada.

Outros dois jogos foram postergados devido a casos de covid-19. Treze e Imperatriz, pela Série C, após o time maranhense ter 12 registros positivos; e Chapecoense e CSA, na Série B, devido à equipe alagoana estar com 18 atletas diagnosticados com a doença. Já nesta terça (11), quatro atletas do Atlético-GO testaram positivo para a covid-19, mesmo assim a CBF autorizou o clube a escalar os atletas nesta quarta (12), contra o Flamengo, às 20h30 (horário de Brasília), em Goiânia (GO). O argumento dos goianos, acatado pela entidade, é que os jogadores estavam isolados e não teriam mais potencial de transmitir o vírus. 

Leia Também:  Prefeitura do Rio anuncia futebol com torcida a partir de 4 de outubro

“Os protocolos adotados foram aprimorados. É certo que causa preocupação, mas temos absoluta certeza que só foram detectados os problemas, as anomalias, as intercorrências, em face do protocolo que tem sido adotado”, analisa Felipe Augusto Leite, presidente da Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf), em entrevista à Agência Brasil. “A Fenapaf, sobretudo, respeita as decisões científicas que estão sendo tomadas tanto pela CBF, como pelos departamentos médicos dos clubes. Estamos aguardando que o assunto se desenvolva, que as medidas que estão sendo adotadas e aprimoradas tenham eficácia, para que possamos avaliar diariamente o quadro que estamos todos vivendo”, conclui.

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Nove dias depois, Marreco e Carlos Barbosa se reencontram pela LNF

Publicados

em


.

O Complexo Esportivo Arrudão, em Francisco Beltrão (PR), recebe o reencontro entre Marreco e Carlos Barbosa, pelo Grupo B da Liga Nacional de Futsal (LNF) neste domingo (20). A partida, da nona rodada da competição, será transmitida ao vivo pela TV Brasil a partir das 11h (horário de Brasília).

As equipes se enfrentaram pela primeira vez nesta edição há nove dias, em Carlos Barbosa (RS). Mesmo fora de casa, o Marreco venceu por 2 a 0, com gols do fixo Beto e do ala Max. Foi a segunda vitória de uma sequência de três que o time beltronense emplacou, até o tropeço da última quarta-feira (16), para o Joinville, em casa, por 3 a 2. Os paranaenses, que têm um quarto lugar em 2017 como melhor campanha até hoje, somam nove pontos em seis partidas.

 
 
 

 
 
 
 
 

 
 

 
 
 

Gols da vitória do @marrecofutsaloficial sobre a @acbffutsal #LNF2020 #ACBFxMAR 0-2 ? LNFTV

Uma publicação compartilhada por LNF (@lnfoficial) em 11 de Set, 2020 às 4:16 PDT

“No primeiro jogo, tivemos uma leitura e postura tática muito boas, na marcação pressão e meia quadra. O que mais me agradou foi o equilíbrio entre ataque e defesa. Para essa segunda partida, o time deles deve vir com uma preparação em cima do que mostramos e precisaremos estar atentos. Será um jogo intenso, então, a equipe tem de estar intensa. Contra o Joinville, não começamos bem e tem de ser diferente contra o Carlos Barbosa”, diz o técnico do Marreco, Serginho Bigode.

Leia Também:  Brasileiro: Internacional visita Fortaleza buscando manter liderança

“Acima de tudo, é [manter] nossa postura tática, dentro das nossas limitações, mas muito agressivos, atentos, com jogo de pivô, ultrapassagens pelo corredor, fazendo a bola chegar no ataque. Temos batido nessa tecla. Seremos muito exigidos, mas não temos que nos acuar. Os jogadores têm demonstrado um crescimento na Liga e podemos jogar bem aqui [em casa], como jogamos lá”, completa.

O tropeço contra o Marreco foi o último compromisso do Carlos Barbosa pela LNF. Em cinco jogos, o time gaúcho tem duas vitórias, duas derrotas, com um empate, somando sete pontos. A ACBF, sigla pela qual também é conhecida a equipe, é a maior campeã do torneio, com cinco títulos, o último deles em 2015.

“Pela organização das chaves, sabíamos que a Liga não seria fácil. Começamos bem [com vitória sobre o Foz Cataratas, no Paraná, por 2 a 1], mas depois, em casa, nosso percentual de aproveitamento abaixou. Tivemos uma produção ofensiva muito grande, mas não fomos efetivos. Óbvio que a parada de quatro, cinco meses, contribuiu”, analisa Edgar Baldasso, técnico do Carlos Barbosa.

Leia Também:  Série B: Náutico e Chape empatam nos Aflitos em partida movimentada

Devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19), as partidas têm sido realizadas sem público. Mesmo assim, Baldasso espera o adversário com estratégia diferente da que funcionou no último dia 11 de setembro. “O Marreco apostou em uma marcação baixa, esperando para contra-atacar, e foi feliz. Tivemos oportunidades, não fomos efetivos e pagamos o preço. O que pode mudar nesse jogo [de domingo] é que acho improvável o Marreco ter a mesma postura. Isso pode beneficiar nosso jogo ou, ao menos, trazer uma divisão de responsabilidade”, projeta.

Também no domingo, duas partidas movimentam o Grupo C. Às 13h, o Campo Mourão busca, em casa, a primeira vitória na LNF 2020 diante do Jaraguá. Às 16h, Assoeva e Umuarama se enfrentam em Venâncio Aires (RS), em briga pelas primeiras colocações da chave.

Confira a classificação da Liga Nacional de Futsal.

Edição: Fábio Lisboa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA