Saúde

Covid-19: Brasil registra 7,67 milhões de casos e quase 195 mil mortes

Publicados

em


As vítimas que não resistiram à covid-19 no Brasil chegaram a quase 195 mil. Nas últimas 24 horas, foram registradas 1.094 óbitos, totalizando 194.949 mortes desde o início da pandemia. Ontem, o sistema do Ministério da Saúde marcava 193.875 falecimentos.

Conforme o painel do MS, há ainda 733.959 casos ativos em acompanhamento. O número de pessoas que já se recuperaram da covid-19 chegou a 6.747.065.

Pelo terceiro dia seguido foram registradas mais de 1 mil mortes. Ontem a atualização diária trouxe 1.194 vidas perdidas. Na terça-feira (29), foram acrescidos 1.111 novos óbitos às estatísticas. Mas o último balanço semanal da pasta apontou queda nas mortes na semana de Natal.

O total de casos acumulados chegou a 7.675.973. Entre ontem e hoje, foram registrados 56.773 novos diagnósticos positivos. Até ontem, o painel da covid-19 trazia 7.619.200 casos acumulados.

As informações estão na atualização diária sobre a pandemia do Ministério da Saúde, divulgada na noite de quinta-feira (31). A atualização reúne as informações levantadas pelas secretarias estaduais de saúde de todo o país.

Leia Também:  Pandemia: OMS faz recomendações sobre viagens internacionais

Estados

No topo da lista de mortes por covid-19 estão São Paulo (46.717), Rio de Janeiro (25.530), Minas Gerais (11.902), Ceará (9.990) e Pernambuco (9.654). Já entre os últimos no ranking estão Roraima (781), Acre (795), Amapá (925), Tocantins (1.234) e Rondônia (1.817).

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 31/12/2020Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 31/12/2020

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil 31/12/2020 – 31/12/2020/Divulgação/Ministério da Saúde

Edição: Bruna Saniele

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Tendência de morte por câncer de mama aumenta entre mulheres negras

Publicados

em


Pesquisa realizada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) mostrou uma tendência de aumento na taxa de mortalidade por câncer de mama entre mulheres negras, enquanto entre as mulheres brancas a tendência foi de redução, considerando a população do estado de São Paulo, no período de 2000 a 2017.

O estudo Disparidades raciais na mortalidade por câncer de mama de 2000 a 2017 em São Paulo, Brasil, realizado por pesquisadores do Caism – Hospital da Mulher José Aristodemo Pinotti, foi publicado pela revista BMC Cancer.

Segundo dados apresentados no estudo, houve 60.940 mortes registradas por câncer de mama no estado no período, 46.365 em brancas e 10.588 em mulheres negras, conforme apontam os pesquisadores. As taxas de mortalidade para 100 mil mulheres em 2017 foram de 16,5 nas brancas e 9,6 nas negras. Em 2000, as taxas foram de 17,1 e 7,4, respectivamente.

De acordo com os pesquisadores, a redução da mortalidade por câncer de mama é o resultado de melhor acesso ao diagnóstico precoce e ao tratamento oportuno, citando ainda a evolução terapêutica, o desenvolvimento de novos fármacos e terapias específicas como fatores de impacto nesses resultados.

Leia Também:  Fiocruz: IFA nacional passará por 14 testes nos Estados Unidos

A conclusão do artigo relata que as divergências observadas entre mulheres brancas e negras podem indicar desigualdade no acesso a cuidados de saúde de alta complexidade nesta área.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA