Saúde

Conheça o cão terapeuta que ajuda profissionais de saúde a aliviarem estresse

Publicados

em


source
o cão henry está vestindo uma capa verde e botinhas de tecido amarelas. ele também usa uma proteção transparente nos olhos
Claudio Cruz/AFP

Henry, de três anos, é chamado pela equipe de hospital de “El Tuerto” (O Caolho, em português) por não ter um de seus olhos


Os profissionais de saúde do Centro Médico Nacional 20 de Noviembre, na Cidade do México, estão em ótima companhia. Isso porque, para reduzir o estresse da rotina de combate ao novo coronavírus , um cãozinho que foi “contratado” há 50 dias como terapeuta durante a pandemia .

Harley é um pug de três anos que foi apelidado pela equipe do hospital como El Tuerto, que em português significa O Caolho. Isso porque, há um ano, ele perdeu um dos olhos em um acidente.

A dona de Harley é Lucía Ledesma, que atua como psicóloga no hospital. Ela explica que o cachorrinho teve treinamento especial desde que era filhote e passa duas horas por dia nas instalações para acalmar os profissionais de saúde que ficam horas tratando de casos da Covid-19 .

Leia Também:  Governo de São Paulo recebe nova remessa de IFA

Leia também: Cães ajudam na terapia de transtornos psiquiátricos

Lucía explicou à imprensa local que o cão estava sendo preparado para trabalhar no hospital durante a pandemia desde fevereiro.

Ela explica que a ação faz toda diferença para quem está na linha de frente. Ao interagir com Henry, os funcionários podem se sentir aliviados e distraídos, conseguindo um momento para não focar na situação estressante a qual estão submetidos.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: média móvel de mortes fica abaixo de mil pelo terceiro dia

Publicados

em


Depois de seis meses seguidos com uma média de mais de mil vítimas diárias de covid-19, o Brasil registrou ontem (2) o terceiro dia consecutivo com a média móvel de sete dias abaixo desse patamar, segundo o painel de dados Monitora Covid-19, mantido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A média móvel de mortes é calculada somando as mortes confirmadas nas últimas 24 horas com as que foram registradas nos seis dias anteriores. O resultado é dividido por sete. Esse dado é observado por pesquisadores para avaliar a tendência de evolução da pandemia de forma mais clara, já que menos informações são notificadas pelas secretarias de saúde municipais e estaduais nos fins de semana e ficam represadas nos primeiros dias de semana, gerando grande oscilação nos números.

Em queda desde a segunda quinzena de junho, a média móvel de mortes chegou a menos de mil (988,86) em 31 de julho, e manteve esse patamar em 1° de agosto (987,14) e 2 de agosto (960,14). Essa foi a primeira vez que a média ficou abaixo de mil desde 23 de janeiro deste ano, quando atingiu 1.021,29 vítimas. Daquela data até o fim de julho, o Brasil viveu o período mais letal da pandemia, com picos em que a média móvel superou 3 mil mortes diárias.

Leia Também:  Covid-19: DF flexibiliza restrições e vai vacinar quem tem 30 anos

Pesquisadores da Fiocruz apontam o avanço da vacinação como a explicação para a redução nas mortes e internações por covid-19. No último boletim Observatório Covid-19, divulgado na semana passada, a fundação ressaltou, entretanto, que o número de óbitos se mantém em patamar muito elevado e que os casos de covid-19 continuam aumentando.

“A diferença entre a curva de novos casos e a curva de óbitos é mais um indício da nova fase da pandemia no Brasil, em que há intensa circulação do vírus, mas com menor impacto sobre as demandas de internação e sobre o número de mortes”.

Apesar da queda das últimas semanas, o patamar da média móvel de mortes ainda supera a maior parte do ano passado. Enquanto em 2021 houve mais de seis meses seguidos com mais de mil vítimas diárias, em 2020, o indicador ficou acima desse nível entre 4 e 10 de junho, entre 19 e 29 de junho e entre 3 de julho e 7 de agosto. Também foram registradas mais de mil vítimas em 10, 11 e 22 de agosto, segundo o painel de dados da Fiocruz.

Entre setembro e novembro de 2020, a média móvel de mortes por covid-19 no Brasil recuou, chegando a 323 mortes diárias em 11 de novembro. A partir daí, houve uma nova tendência de alta, fechando o ano com 706 mortes diárias em 31 de dezembro. Fatores como o relaxamento das medidas de isolamento, as festas de fim de ano e a disseminação da variante Gama (P.1) fizeram com que a média móvel de mortes continuasse a aumentar em janeiro até igualar e superar os piores momentos da pandemia em 2020.

Leia Também:  Brasil registra 1ª cirurgia contra diabetes tipo 2 feita com robô

A situação continuou a piorar em fevereiro e março, e o Brasil registrou mais de 2 mil mortes diárias na média móvel de forma ininterrupta entre 17 de março e 10 de maio. Enquanto a maior média móvel de vítimas registrada em 2020 foi de 1.096.71 mortes diárias, em 25 de julho, o indicador chegou a 3.123, 57 mortes em 12 de abril de 2021.

A média de mortes caiu ao longo de maio de 2021, mas ainda se manteve acima de 1,5 mil vítimas por dia. Entre 6 e 19 de junho, houve uma nova alta, e a média voltou a superar as 2 mil mortes. Desde então, a tendência é de queda.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA