Estado

Conheça as principais mudanças do Novo Ensino Médio Capixaba

Publicados

em

 

A Lei nº 13.415/2017, conhecida como a Lei da Reforma do Ensino Médio, altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), Nº 9.394/1996, trazendo significativas mudanças na forma de oferta do Ensino Médio em todas as Unidades Federativas do Brasil e que dialogam com algumas das estratégias do Plano Nacional de Educação (PNE) voltadas para esta etapa de ensino.

A nova proposta pressupõe a oferta da Formação Geral Básica, a “parte comum” dos currículos, que deve ser pautada na Base Nacional Comum Curricular, documento normativo que define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos devem desenvolver, e a oferta de Itinerários Formativos, a “parte flexível”, de livre escolha dos estudantes, que serão ofertados considerando os interesses desses atores e as ofertas disponíveis nas escolas e redes de ensino.

Após a homologação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) da etapa Ensino Médio, em 14 de dezembro de 2018, todos os Estados e o Distrito Federal iniciaram a construção dos documentos curriculares, seguindo a necessidade de trabalhar as competências gerais da educação básica apresentadas neste documento referência, a fim de promover a educação integral, colocando os estudantes no centro da vida escolar. Assim, pretende-se estimular a autonomia, o protagonismo e a responsabilidade dos jovens sobre suas decisões para o presente e futuro: apoiar os estudantes a definirem seus Projetos de Vida, também será fundamental para que estejam preparados para escolher um ou mais Itinerários Formativos.

Leia Também:  Vacina contra a Covid-19 é aplicada em mais de 20 mil pessoas no Estado

O currículo capixaba foi elaborado e encaminhado ao Conselho Estadual de Educação para aprovação e homologação. Os Itinerários Formativos estão disponíveis para consulta pública no site da Secretaria da Educação (Sedu) – www.sedu.es.gov.br. O objetivo é que o documento seja homologado ainda em 2020. As formações de professores sobre o novo currículo acontecerão no decorrer de 2021, para implementação, pelo menos, nas primeiras séries do Ensino Médio, em 2022. O curso para professores sobre o Projeto de Vida já está sendo realizado pela Secretaria.

Outra mudança é a ampliação da carga horária dos estudantes, que passará para, no mínimo, 1000 horas anuais, até 2022.

A nova oferta do Ensino Médio propõe uma abordagem interdisciplinar, de forma flexível e diversificada, oferecendo conteúdos obrigatórios e eletivos, com o objetivo de tornar a escola mais interessante, com significado e efetiva para os jovens, além de promover a elevação da qualidade do ensino no País por meio de uma referência comum obrigatória para todas as escolas de educação básica, respeitando a autonomia assegurada pela Constituição aos entes federados e às escolas.

A nova organização curricular define que dever ter, no máximo, 1800 horas do Ensino Médio voltadas para as aprendizagens das quatros áreas de conhecimento: Linguagens e suas tecnologias; Matemática e suas tecnologias; Ciências da Natureza e suas tecnologias; e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, e a complementação das 3000 horas com os Itinerários Formativos de aprofundamento das áreas do conhecimento com a(s) qual(is) se identificam ou, ainda, em curso(s) ou habilitações de formação técnica e profissional, contribuindo para a permanência e melhoria dos resultados da aprendizagem dos estudantes.

Leia Também:  Xi Jinping alerta que disputas comerciais devem provocar 'nova Guerra Fria'

Por que a nova proposta?

O Novo Ensino Médio surge com a pretensão de vencer os grandes desafios que esta etapa de escolaridade apresenta em todo o País, oferecendo uma proposta de ensino que seja mais atraente e faça mais sentido para os estudantes. Um modelo flexível, que estimula o protagonismo juvenil:

  • Evasão: um em cada quatro jovens que ingressam no Ensino Médio abandona a escola ainda no primeiro ano, ou não é aprovado;
  • Somente seis em cada dez brasileiros de 19 anos terminam o Ensino Médio no Brasil, e mesmo assim, saem da Educação Básica com muitos problemas de aprendizagem. Os níveis satisfatórios de aprendizagem não são alcançados nem por 5% da população do Ensino Médio.

A mudança tem como objetivos garantir a oferta de educação de qualidade a todos os jovens brasileiros e de aproximar as escolas da realidade dos estudantes de hoje, considerando as novas demandas e complexidades do mundo do trabalho e da vida em sociedade.

 

Informação à Imprensa:
Assessoria de Comunicação da Sedu
Mirela Marcarini / Geiza Ardiçon / Soraia Camata
(27) 3636-7705 / 7706/ 7707/ 7888 / 99956-2479 / 99802-9043
[email protected] / [email protected] / [email protected]

 

Fonte: Governo ES

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estado

Estado estabelece medidas de rastreamento para todos os trabalhadores de contato direto com os pacientes do Amazonas

Publicados

em


A Secretaria da Saúde (Sesa) adotou uma importante medida complementar de rastreamento laboratorial para detecção da SARS-CoV-2 em todos os trabalhadores envolvidos na transferência e acolhimento dos pacientes do Estado do Amazonas para o Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, localizado na Serra, na última semana. 

Com o objetivo de monitorar, diagnosticar e bloquear os possíveis casos, os profissionais da remoção, apoio e assistência, diretamente envolvidos na operação estão sendo testados por meio de exame de RT-PCR, desde o último sábado (23), antes do 3º dia de contato com os pacientes. Para os casos que apresentarem resultados positivos ou inconclusivos, o isolamento imediato é adotado e todos seus contatos sociais e intradomiciliares testados. Além das equipes que participaram diretamente no acolhimento, todos os trabalhadores contactantes dos pacientes passarão a ser testados. 

O médico infectologista que coordenou a transferência dos amazonenses para o Estado, Mayke Armani, garante que a testagem é uma medida a mais para a vigilância adequada do processo. “Medidas como esta são reconhecidas internacionalmente como protocolo adequado e efetivo de rastreio. Além de manter o cuidado com os pacientes que nos dispomos a receber, de forma solidária como o SUS se apresenta, também queremos incrementar a biossegurança dos trabalhadores que estão na linha de frente do atendimento”, disse. 

Leia Também:  Vacina contra a Covid-19 é aplicada em mais de 20 mil pessoas no Estado

De acordo com Armani, os resultados positivos detectados em um período inferior a 48h do contato com os pacientes do Amazonas, possivelmente se tratam de infecções anteriores à chegada dos pacientes ao Estado, com características de casos assintomáticos. “Por isso, vamos monitorar de forma sistemática esses trabalhadores com testagem de 48/96 horas, independentemente da apresentação de sintomas, para garantir isolamento oportuno. Tal medida se aplica a todos os trabalhadores que tiverem contato com estes pacientes”, afirmou o médico.

Rastreamento por testagem 

De sábado (23) a segunda-feira (25) cerca de 400 amostras foram coletadas nas equipes de primeiro contato e assistencial do Hospital Dr. Jayme. Os exames estão sendo processados pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Espírito Santo (Lacen-ES) e mais de 1.600 testagens serão realizadas durante o rastreamento. 

“O diagnóstico precoce e preciso realizado pelo Lacen permite, além da identificação de amostras positivas, o envio de material para sequenciamento e identificação de vírus circulantes na Fiocruz. Esse trabalho garante um monitoramento efetivo não só dos trabalhadores da saúde, mas de toda a população”, garantiu o coordenador do Lacen, Rodrigo Ribeiro Rodrigues.

Leia Também:  Iema orienta Estado de Minas Gerais sobre Gestão da Qualidade do Ar

Perfil dos pacientes internados 

As impressões iniciais, ainda não conclusivas, indicam que o perfil dos pacientes do Amazonas não difere consideravelmente dos já tratados no Hospital Dr. Jayme. A médica infectologista, coordenadora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do Hospital Dr. Jayme, Daniela Feitosa, explica que a percepção, até o momento, é de que os pacientes não apresentam gravidade diferenciada. 

“Estamos analisando o quadro clínico destes pacientes em comparação com o atendimento habitual que prestamos no hospital. Ainda é cedo para analisarmos a evolução clínica, porque são poucos dias de internação, mas, até o momento, a percepção é de que a doença pouco difere”, explicou Daniela Feitosa. 

Dos 36 amazonenses internados, 17 estão em isolamento de UTI e 19 em isolamento de enfermaria. Destes, oito têm potencial para alta até o final desta semana. No entanto, mesmo com a melhora clínica, a transferência dos pacientes de volta para Manaus está condicionada ao critério de testagem de RT-PCR negativo.

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação da Sesa
Syria Luppi / Kárita Iana / Paula Lima / Luciana Almeida / Thaísa Côrtes / Danielly Schulthais
[email protected]

Fonte: Governo ES

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA