Política Nacional

Ciro Nogueira é viado e recebe gritos de ‘Fora Bolsonaro’ no Piauí

Publicado em

 Ministro da Casa Civil foi vaiado em convenção do PDT no Piauí
Reprodução

Ministro da Casa Civil foi vaiado em convenção do PDT no Piauí

O ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP), foi recebido com vaias e gritos de “Fora Bolsonaro” ao chegar na convenção do PDT do Piauí, seu reduto eleitoral. A candidata a deputada federal Amanda Costa (PDT) foi quem iniciou o protesto contra a presença do aliado do presidente Jair Bolsonaro no evento, realizado neste sábado na Câmara Municipal de Teresina.

“Fora Bolsonaro. Eu me retiro, porque eu não fico junto com bolsonarista”, afirmou a candidata, que é vice-presidente do partido no estado. Ela se retirou do local logo em seguida.

Nogueira chegou à convenção acompanhado do candidato ao governo do Piauí Sílvio Mendes (União Brasil), cuja vice é a ex-mulher do ministro, a deputada Iracema Portella (PP), e de Joel Rodrigues (PP), candidato ao Senado. Procurado, o ministro não respondeu aos contatos da reportagem.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O PDT, que na disputa nacional lançou o ex-ministro Ciro Gomes, formalizou apoio à chapa formada por União Brasil e PP no evento de hoje. Após Amanda Costa deixar o local, alguns dos presentes foram cumprimentar o ministro. O PDT lançou o ex-ministro Ciro Gomes à Presidência.

O alinhamento de Ciro Nogueira com o governo de Bolsonaro motivou o rompimento dele com o então governador do Piauí, Wellington Dias (PT), de quem era aliado. Nas eleições deste ano, Dias vai disputar uma cadeira no Senado e indicou seu ex-secretário de Fazenda Rafael Fonteles (PT) como seu sucessor no estado sem o apoio do cacique do centrão.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Bolsonaro não responde se já fez ‘rachadinha’: ‘É meio comum’

Published

on

Jair Bolsonaro (PL)
Isac Nóbrega/PR – 07.06.2022

Jair Bolsonaro (PL)

presidente Jair Bolsonaro (PL) evitou responder diretamente se já fez “rachadinha “ao ser questionado sobre o assunto durante entrevista a um canal de YouTube neste sábado. A prática consiste em obrigar os seus funcionários a devolver parte do seu salário. O presidente disse que a “prática é meio comum” em gabinetes de políticos, mas afirmou que não iria falar do seu próprio caso.

Um dos filhos, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), é investigado por essa suspeita. O Ministério Público também investiga um possível esquema de “rachadinha” no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Além disso, como o GLOBO revelou, alguns dos servidores suspeitos de serem fantasmas no gabinete de Flávio e de Carlos também trabalharam para Bolsonaro quando ele era deputado federal.

Bolsonaro falou sobre o assunto durante entrevista neste sábado ao canal Cara a Tapa, no Youtube. Perguntado inicialmente se “sobraria” alguém na política que não cometeu a “rachadinha”, o presidente disse:

“Sobra pouca gente”.

O entrevistador, então, questionou diretamente se o presidente iria “sobrar”.

Leia Também:  PB: deputado bolsonarista sugere movimento da PM contra governador

“Não vou falar de mim. Sou suspeito para falar de mim. Você não tem servidor meu falando que, denunciando”.

Perguntado, por fim, se havia “convivido” com a situação, disse que a prática é “meio comum”, inclusive em outros Poderes.

“É uma prática meio comum, concordo contigo. É meio comum. Não só no Legislativo, não. Também no Executivo. Até no outro Poder também. Cargo de comissão, você pode colocar quem você bem entender”.

Flávio foi denunciado pelo MP Flávio Bolsonaro passou a ser investigado por “rachadinha” em 2018, após o relatório Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontar movimentações suspeitas na conta bancária do assessor de Flavio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Fabrício Queiroz.

Em novembro de 2020, as investigações do MP do Rio resultaram na denúncia de Flavio, Queiroz e mais 15 pessoas por crimes como peculato e lavagem de dinheiro, com base em provas como a movimentação financeira dos funcionários do gabinete e uma colaboração de uma ex-funcionária. O senador foi acusado de liderar da organização criminosa.

Leia Também:  Eleições 2022: entenda as estratégias e 'alvos' dos presidenciáveis

Para tentar anular as investigações, a defesa do senador apresentou diversos recursos aos tribunais. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) acabou anulando as quebras de sigilo bancário e fiscal determinadas pelo juiz Flávio Itabaiana, sob o entendimento de que ele não fundamentou adequadamente a justificava para autorizar as quebras.

Na sequência, o STF também determinou a anulação de parte dos relatórios do Coaf usados na investigação. A interpretação é de que os documentos foram produzidos de forma ilegal, o que acabou esvaziando as provas da denúncia. Por isso, o MP do Rio entendeu que não é possível o prosseguimento da acusação e que as investigações precisariam ser refeitas.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA