Política Nacional

Celso de Mello classifica Bolsonaro como ‘intolerante’

Publicado em

Celso de Mello criticou o presidente Jair Bolsonaro
Nelson Jr./SCO/STF

Celso de Mello criticou o presidente Jair Bolsonaro

Ex-decano e ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello  afirmou nesta terça-feira que o  presidente Jair Bolsonaro (PL) tem um comportamento “intolerante” e que ignora “valores democráticos”. Na avaliação de Mello, o país passa por um grave momento político diante dos reiterados ataques ao sistema eleitoral e às instituições.

“Muito grave o momento político que estamos a viver, notadamente quando se tem presente o comportamento intolerante e audacioso de Bolsonaro que insiste em ignorar o sentido essencial dos valores democráticos e a importância fundamental das instituições da República!”, afirmou Celso de Mello.

Acrescentou o ministro:

“Os diversos pronunciamentos de Bolsonaro, especialmente aqueles que injustamente ofendem e atacam o Supremo Tribunal Federal, o Tribunal Superior Eleitoral e o sistema eleitoral, são suficientes para revelar a figura de um político sem qualquer noção dos limites que o regime democrático e o dogma constitucional da separação de poderes impõem a quem, como ele, exerce as altas funções de Presidente da República!”.

À reportagem, o ex-presidente do Supremo diz confiar que não haverá ruptura institucional, “não obstante o comportamento do Chefe de Estado que tem demonstrado ostensivo desapreço pela Constituição”. Na avaliação do ministro, essa confiança se dá pelo fato de haver, nos Poderes da República, “pessoas sensatas, responsáveis e conscientes da necessidade de preservar-se a integridade da ordem constitucional”.

Leia Também:  Ex-gerente do MEC recebeu propina de R$ 20 mil, aponta MPF

“Embora confie em que não haverá ruptura institucional (seguida do triste cortejo de abusos governamentais e de subversão da ordem institucional), não obstante, o comportamento do Chefe de Estado que tem demonstrado ostensivo desapreço pela Constituição, tenho plena certeza de que há, nos Poderes da República, pessoas sensatas, responsáveis e conscientes da necessidade de preservar-se a integridade da ordem constitucional fundada em bases democráticas!”, pontua Celso de Mello.

Ainda de acordo com o ex-decano, “o sentimento de respeito à Constituição da República, por ser mais intenso, haverá de sobrepujar e neutralizar quaisquer impulsos emanados de mentes autocráticas! Torna-se necessário resistir, sempre pelos meios legítimos proporcionados pela nossa Carta Política, a quaisquer ensaios que visem a fragilizar, a desvalorizar e a transgredir a ordem constitucional!”.

O ministro aposentado do STF, que deixou a Corte em outubro de 2020, é um dos signatários da “Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado democrático de Direito”, que será lançada em evento na Faculdade de Direito da USP no dia 11 de agosto. No lugar dele, entrou Nunes Marques, primeiro indicado por Bolsonaro ao Supremo.

Leia Também:  Moraes prorroga prazo para PF apurar conduta de homem que ameaçou STF

Na última segunda-feira,  Bolsonaro usou reunião com embaixadores para fazer novos ataques sem provas ao TSE e às urnas eletrônicas – os equipamentos são usados nas eleições brasileiras desde 1996, sem nenhuma suspeita de fraude comprovada até hoje.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Pacheco critica ataques entre candidatos: “Precisamos discutir ideias”

Published

on

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, durante sessão
Waldemir Barreto/Agência Senado – 30.06.2022

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, durante sessão

Nesta segunda-feira (15), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), usou seu perfil no Twitter para criticar o comportamento dos candidatos Ciro Gomes (PDT), Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O senador seguiu o mesmo tom que foi adotado por Simone Tebet (MDB).

“Precisamos voltar a discutir ideias e direcionar nossos esforços para a busca de soluções que tragam prosperidade para o Brasil e para os brasileiros”, afirmou Pacheco, sem citar nomes.

O posicionamento do senador não é por acaso. Nas últimas semanas, os três primeiros colocados intensificaram os ataques nas redes sociais e entrevistas. Ciro, por exemplo, tem chamado Lula e Bolsonaro de corruptos.

Já o ex-presidente tem acusado o atual chefe do executivo federal de ser genocida por causa da política sanitária adotada durante a pandemia. Além disso, o petista tem afirmado que o segundo colocado nas pesquisas tem “distribuído dinheiro” para vencer a eleição.

Bolsonaro vem chamando Lula de corrupto e bêbado. O presidente da República ainda tem dito que o retorno do seu adversário ao poder fará o Brasil quebrar.

Leia Também:  Ex-gerente do MEC recebeu propina de R$ 20 mil, aponta MPF

Apenas Tebet que optou por seguir um discurso diferente. Nesta segunda, em conversa com jornalistas após o Encontro com Líderes do Varejo do IDV (Instituto para o Desenvolvimento do Varejo), em São Paulo, a emedebista declarou que o Brasil precisa de paz. No entanto,  alfinetou os dois primeiros colocados nas pesquisas, acusando-os de se “alimentarem do radicalismo”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA