Saúde

Casos de covid-19 e de gripe diminuem doações de sangue no DF

Publicados

em


A Fundação Hemocentro de Brasília registrou queda no movimento de doadores de sangue devido ao aumento nos casos de infecções por covid-19 e por gripe influenza. Segundo o Hemocentro, a queda de doadores foi de 23% na primeira semana de janeiro. 

De acordo com a fundação, a queda não era esperada, mesmo levando em conta o período de férias escolares, quando o número de doadores costuma cair. No ano passado, a media foi de 163 bolsas coletadas por dia. Nos primeiros dias deste mês, foram coletadas cerca de 126. Nos dias 3 e 4, houve 94 doações. 

A queda nas doações está impactando os estoques de sangue. As reservas de todos os grupos sanguíneos estão em níveis baixos ou críticos e a falta de sangue pode afetar a realização de cirurgias eletivas e atendimentos de emergência nos hospitais. 

Como doar 

Durante a pandemia, o agendamento para doação de sangue é obrigatório e deve ser feito pelo serviço eletrônico de agendamentos do governo do Distrito Federal (GDF).

Entre os requisitos para doar sangue, é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 51 kg e estar saudável. Quem esteve gripado deve esperar 15 dias após o desaparecimento dos sintomas para fazer a doação. No caso de suspeita de infecção por covid-19 ou contato com pessoa infectada é preciso esperar 14 dias. 

Leia Também:  Covid-19: internações de menores de 18 anos em UTI sobem 61% em SP

Quem tomou vacinas contra a gripe e contra a covid-19 também deve aguardar alguns dias para doar. O doador que tomou a Coronavac ou o imunizante contra a influenza deve esperar dois dias após tomar a dose. O prazo para quem tomou vacina da Pfizer, Astrazeneca e Janssen é de sete dias. 

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid-19: prefeitura diz que criança teve parada cardíaca após vacina

Publicados

em


A prefeitura municipal de Lençóis Paulista (SP) divulgou uma nota oficial no início da noite de hoje (19) informando que suspendeu por sete dias a vacinação infantil em razão de uma criança de dez anos ter sofrido uma parada cardíaca 12 horas após ser vacinada contra a covid-19 na cidade. Segundo a família, a criança está estável e consciente. A prefeitura não teve acesso ao prontuário médico da criança, que foi atendida na rede privada. A Secretaria de Estado da Saúde afirmou que é precipitado e irresponsável afirmar que o caso ocorrido está associação à vacinação. 

“O Comitê [de combate à covid-19 do município] deixa claro que não existe dúvida sobre a importância da vacinação infantil, mas diante do ocorrido será dado esse prazo para o acompanhamento e monitoramento diário das 46 crianças lençoenses vacinadas até o momento. Além disso, esse prazo é necessário para aprofundamento sobre o caso de forma específica e envio de relatórios aos órgãos de controle federais e estaduais”, diz o texto da nota da prefeitura.

Leia Também:  Covid-19: internações de menores de 18 anos em UTI sobem 61% em SP

De acordo com a prefeitura, na noite de ontem (18), aproximadamente 12 horas após ser vacinada com o imunizante da Pfizer, a criança de dez anos apresentou alterações nos batimentos cardíacos e desmaiou, segundo relato do pai obtido pela prefeitura. Ela foi levada à rede de saúde particular para atendimento profissional, onde foi reanimada. Após ser estabilizada, a criança foi transferida para o Hospital da Unimed, em Botucatu (SP), onde permanece sob observação.

A administração municipal de Lençóis Paulista informou ainda que pais ou responsáveis que desejam vacinar seus filhos antes da retomada da imunização devem ligar na Central Saúde do município para realizar agendamento. A vacinação em adultos continua normalmente.

Precipitado e irresponsável

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde disse que é precipitado e irresponsável afirmar que o caso ocorrido tem associação com a vacinação. A pasta destacou que todas as vacinas aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) são seguras e eficazes e são responsáveis diretamente na redução de mortes, casos graves e internações por covid-19. 

Leia Também:  Fiocruz submete novo teste de covid-19 à Anvisa

De acordo com a secretaria, o Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) está acompanhando e analisará o caso de Lençóis Paulista. O CVE informou que todos os casos de eventos adversos são analisados por uma comissão de especialistas antes de qualquer confirmação. 

“É, portanto, precipitado e irresponsável afirmar que o caso do município está associado a vacinação. Na maioria das vezes, os casos de eventos adversos pós-vacinação são coincidentes, sem qualquer relação causal com o imunizante”, diz o texto da nota da secretaria.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA