Política Nacional

Campanha de Bolsonaro quer Michelle em eventos ao lado do presidente

Publicados

em

 

Michelle e Bolsonaro
Isac Nóbrega/PR – 04.07.2022

Michelle e Bolsonaro

A participação da primeira-dama Michelle Bolsonaro na convenção do PL no domingo, no Rio, animou o núcleo da campanha do presidente da República. Integrantes do grupo entendem que, apesar disso, ela não deve mergulhar de cabeça no projeto eleitoral do presidente Jair Bolsonaro, mas se dedicar apenas a agendas pontuais. A equipe de reeleição acredita que o casal junto “funciona melhor” para a missão de suavizar a imagem de Bolsonaro do que apostar em agendas separadas e, por isso, essa deve ser a prioridade.

A participação da primeira-dama no eventos, porém, ainda é assunto delicado. Como mostrou a coluna Lauro Jardim, Michelle, no dia seguinte à convenção, faltou a um evento de empresárias com Bolsonaro em São Paulo e gerou reclamação de um integrante da campanha que esperava “engajamento total.”

O núcleo político do projeto da reeleição avalia que a presença dela ao lado de Bolsonaro em eventos no período eleitoral tem potencial para diminuir a resistência do titular do Palácio do Planalto entre as mulheres, grupo em que, segundo as pesquisas, o presidente não tem o mesmo desempenho que entre os homens.

Com isso, a ideia seria priorizar a participação de Michelle em eventos com o presidente em vez de ter uma agenda própria de viagens. Uma das hipóteses é que ela possa conciliar as agendas e, durante as viagens com o marido, reservar um momento para falar diretamente às eleitoras, principalmente em igrejas evangélicas ou com entidade de ações sociais ligadas às causas em que ele já atua.

Leia Também:  Bolsonaro confirma saída de oito ministros para eleições

No governo, a primeira-dama se empenha em eventos do programa Pátria Voluntária, de incentivo ao voluntariado, e em causas de defesa de pessoas com doenças raras e na inclusão da comunidade surda com a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Sem cobrança Embora relevante para a campanha, integrantes do núcleo político dizem que o engajamento da primeira-dama é um tema delicado e, embora haja a expectativa de participação efetiva dela, não haverá cobrança explícita para que ela se empenhe.

Até agora a ex-ministra Damares Alves (Republicanos-DF) tem sido a principal incentivadora da participação da primeira-dama na campanha. Preterida por Bolsonaro na disputa por uma vaga ao Senado pelo Distrito Federal, Damares, que ainda tem o futuro indefinido, disse que se descompatibilizou do cargo para ajudar no projeto de reeleição.

“Michelle sempre esteve à disposição dos coordenadores da campanha. Eu me descompatibilizei para ajudar na campanha com ela e não para ser candidata. Temos muitos convites para participar de eventos, principalmente nas igrejas em que ela fala para 6 mil, 7 mil pessoas. Nas viagens com o presidente, ela pode ir para algum encontro enquanto ele vai a outro”, disse Damares ao GLOBO.

Na convenção do PL de domingo no Rio de Janeiro, Michelle, até então resistente a se engajar, foi a primeira a falar. Por12 minutos, mesclou o discurso religioso com uma tentativa de humanizar a imagem do marido com foco no eleitorado feminino. Há um entendimento interno que Bolsonaro não mudará seu perfil considerado agressivo por esta parcela do público. Por isso, os estrategistas já vinham defendendo que Michelle falasse como ela vê o marido e contasse como o presidente é na intimidade.

Leia Também:  'É assustador', diz Zelensky sobre combates em Severodonetsk

“Eu sempre oro toda terça-feira no gabinete dele quando ele vai embora. Quando o Planalto se fecha, eu entro com meus intercessores e oro na cadeira dele. E eu declaro todos os dias: Jair Messias Bolsonaro ser forte e corajoso, não temas. Não temas. Ele é um escolhido de Deus, ele é um escolhido de Deus. Esse homem tem um coração puro, limpo, além de ser lindo, né? Mas é meu”, disse Michelle no domingo.

A primeira-dama chegou a se filiar ao PL para participar dos programas partidários na TV, mas Michelle acabou não gravando, apesar dos apelos do presidente do partido, Valdemar Costa Neto, que chegou a ligar para ela pessoalmente.

“A reeleição não é por um projeto de poder como muitos pensam. Não é por status, porque é muito difícil estar desse lado. A reeleição é por um propósito de libertação, por um propósito de cura para o nosso Brasil”, disse a primeira-dama.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o perfil geral do Portal iG .

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

PGR pede multa a Bolsonaro por ataque às urnas

Publicados

em

Jair Bolsonaro criticou o sistema eleitoral em encontro com embaixadores
Clauber Cleber Caetano/PR – 25.07.2022

Jair Bolsonaro criticou o sistema eleitoral em encontro com embaixadores

A Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) propôs ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma representação contra o presidente Jair Bolsonaro pela realização de uma reunião com embaixadores onde promoveu uma série de ataques às urnas eletrônicas e ao sistema eleitoral.

Na representação, o vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet, pede a remoção de 13 links contendo os vídeos da reunião das plataformas de redes sociais e a aplicação de multa contra o presidente em razão da ocorrência de propaganda eleitoral antecipada.

De acordo com o Ministério Público, “os dados constantemente apresentados pela Justiça Eleitoral não podem ser omitidos em discurso que queira ser crítico do sistema de votação, máxime quando as eleições se avizinham e à vista da circunstância de, recentemente, os representantes do povo terem mantido o sistema de votação eletrônico”.

No evento, que ocorreu dentro do Palácio do Planato no dia 18 de julho e teve transmissão ao vivo, o chefe do Executivo também fez críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao TSE.

Leia Também:  Bolsonaro diz que não irá interferir no preço dos combustíveis

Na avaliação da PGR, as declarações proferidas pelo presidente contra o sistema eleitoral e contra as urnas eletrônicas “não são inéditas”. Mas observa, no entanto, que na reunião com os embaixadores foram “lançadas em período próximo das eleições, veiculando noções que já foram demonstradas como falsas, sem que o representado haja mencionado os desmentidos oficiais e as explicações dadas constantemente no passado”.

“Algumas frases, ainda, apresentam à audiência fatos que, descontextualizados, mostram-se engendradas para abalar a confiança no sistema”, ressalta Gonet.

No encontro com embaixadores, Bolsonaro voltou a levantar suspeitas com alegações de fraude não comprovadas nas eleições de 2018. A certa altura do discurso, disse haver “mais de cem vídeos” de eleitores que tentavam​ ​apertar o número 17 na votação​ ​de 2018, mas a urna registrava​ ​o número 13. Nunca houve comprovação de fraudes nas eleições brasileiras desde que as urnas eletrônicas foram implantadas, em 1996.

Leia Também:  Bolsonaro diz que governo estuda zerar PIS/Cofins da gasolina

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA