Política Nacional

Bolsonaro visita Juiz de Fora pela primeira vez após facada

Publicado em

 Bolsonaro participa de motociata em Juiz de Fora
Reprodução

Bolsonaro participa de motociata em Juiz de Fora

Pré-candidato à reeleição, o presidente Jair Bolsonaro (PL) retornou nesta sexta-feira para Juiz de Fora pela primeira vez desde a facada, em 2018. Bolsonaro desembarcou no aeroporto da Serrinha, e seguiu comboio para a região central da cidade, onde participa de um evento evangélico.

O presidente está acompanhado de políticos da sua base, como o senador Carlos Viana (PL-MG), pré-candidato ao governo de Minas, os deputados federais Daniel Silveira (PTB-RJ) e Otoni de Paula (MDB-RJ), e o ministro da Saúde Marcelo Queiroga.

Bolsonaro participa da 43ª Convenção Estadual das Assembleias de Deus, e depois visita a Santa Casa de Misericórdia, hospital em que foi operado logo após a facada sofrida em setembro de 2018.

Durante a visita, enquanto apoiadores de Bolsonaro circulavam pela cidade com camisas e bandeiras do Brasil, era frequente também gritos contrários a ele. Uma mulher passou de carro na concentração do evento gritando “Lula”, e foi hostilizada pelos presentes.

O mesmo aconteceu em uma das paradas do presidente para falar com apoiadores, no trajeto da motociata. A mulher foi retirada por seguranças (assista ao vídeo) após se aproximar de Bolsonaro e chamá-lo de “corrupto”.

Leia Também:  Em ato de filiação ao PSB, Alckmin cita autor celebrado por olavistas

Por volta das 10h, Bolsonaro chegou ao culto, fechado apenas para convidados, com acesso restrito e controlado por pulseiras.

A viagem ocorre num momento em que o titular do Palácio do Planalto vem sendo acusado de estimular atos de violência contra adversários políticos.

O tema ganhou força desde sábado, quando o guarda municipal e dirigente do PT no Paraná Marcelo Arruda foi assassinado durante a própria festa de aniversário, em Foz do Iguaçu, pelo agente penal Jorge Guaranho, apoiador declarado de Bolsonaro.

Os dois iniciaram uma discussão após Guaranho invadir o evento, que tinha o PT como tema da decoração. Ele atirou contra o aniversariante. Arruda, que também estava armado, revidou, mas acabou morrendo no local. O agente penal também foi baleado e segue internado.

A ida a Juiz de Fora ajuda a reforçar o discurso adotado pelo presidente desde a morte do guarda municipal, a de que ele próprio foi alvo de um grave ato de violência quatro anos atrás. Na terça-feira, Bolsonaro telefonou para irmãos da vítima e bateu nessa tecla.

Leia Também:  Comissão atua como CPI e vai ouvir envolvidos em denúncias sobre o MEC

“Se porventura me apoiem (pessoas com esse tipo de comportamento), peço que apoiem o outro lado. Eu sou vítima, eu levei uma facada”, disse durante a conversa por telefone.

Além disso, o presidente deve voltar a explorar o atentado de 2018. O presidente frequentemente relembra o episódio e acusa a esquerda de estimular a violência. O autor da facada, Adélio Bispo, foi filiado ao PSOL.

O próprio presidente, porém, já protagonizou cenas de incitação a atos violentos contra adversários. Durante um comício no Acre em 2018, ele afirmou. simulando o uso de um tripé como uma arma de fogo:

“Vamos fuzilar a petralhada.”

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

‘Me arrependo’, diz Bolsonaro por ter autorizado depósitos de Queiroz

Published

on

Jair Bolsonaro no Flow
Reprodução

Jair Bolsonaro no Flow

O presidente Jair Bolsonaro disse estar “arrependido” de ter autorizado que o ex-policial militar Fabrício Queiroz depositasse cheques que somaram R$ 89 mil na conta bancária da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Em entrevista ao Flow Podcast, na segunda-feira, o titular do Palácio do Planalto voltou a dizer que o valor se referia ao pagamento de empréstimos feito por ele a Queiroz.

“Quando apareceu isso, de imediato, eu falei que o cheque era para mim. Eu conheço o Queiroz desde 1985 na Brigada Paraquedista, foi meu soldado, pessoa de confiança minha, pagava conta minha. Emprestei para ele, é comum, tinha toda a liberdade. Pagou em cheque para mim, e eu botei na conta da Michelle. Eu me arrependo, poderia ter botado na minha conta, porque ela sofreu. O dinheiro foi para mim, ponto final”, disse Bolsonaro.

Ex- assessor do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e investigado pelo suposto esquema de “rachadinha”, Queiroz depositou 21 cheques na conta de Michelle, entre 2011 a 2016, no total R$ 72 mil. Os extratos bancários também apontam que a mulher do policial militar reformado, Márcia Aguiar, fez depósito de outros seis cheques que somaram R$ 17 mil.

Leia Também:  Damares indica Cristiane Britto como sua substituta no ministério

“Foi ao longo de dez anos isso daí. Se você dividir dá menos de um salário mínimo por mês. Falar em propina de um salário mínimo por mês é brincadeira”, disse o presidente.

Os depósitos para Michelle foram revelados em agosto de 2020. Em 2021, a maioria do Supremo Tribunal Federal votou para arquivar o pedido de investigação sobre os depósitos na conta da primeira-dama.

Na entrevista de mais de 5 horas no Flow, Bolsonaro ainda disse que o caso das rachadinhas deve ser respondido por Flávio, atualmente seu coordenador de campanha da reeleição.

“Isso é assunto do Flávio. Não vou falar de ninguém. Eu respondo pelos meus atos, o Flávio responde pelos deles”, disse Bolsonaro.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Leia Também:  Em ato de filiação ao PSB, Alckmin cita autor celebrado por olavistas

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA