Política Nacional

Bolsonaro se reúne hoje com embaixadores para atacar urnas eletrônicas

Publicado em

Presidente Jair Bolsonaro (PL)
Wilson Dias/Agência Brasil – 20/06/2022

Presidente Jair Bolsonaro (PL)

Nesta segunda-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro (PL) vai  se reunir com embaixadores estrangeiros em Brasília para tentar apresentar aos representantes a tese dele — nunca comprovada e  já refutada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) — de que houve fraudes nas eleições brasileiras.

De acordo com o mandatário, cerca de 40 diplomatas já confirmaram presença na reunião, que vai ocorrer no Palácio da Alvorada. No encontro, Bolsonaro disse que pretende fazer uma apresentação com documentos sobre os resultados das eleições de 2014 e 2018.

“Não vou supor nada, o foco é na transparência eleitoral. Fazer com que uma vez acabando as eleições, ninguém duvide da mesma e o perdedor imediatamente ligue para o bom ganhador. Essa que é a ideia. Temos mecanismos de praticamente zerar qualquer interferência, diferentemente do que é dito no inquérito da PF de 2018 por documentos fornecidos pelo TSE”, disse o presidente a apoiadores.

Recentemente, Bolsonaro tem aumentado as críticas ao TSE, principalmente a Fachin, sobre a participação das Forças Armadas no processo de fiscalização das urnas eletrônicas . O chefe do Executivo alega que a Corte ignora os questionamentos enviados pelos militares e que não abre espaço para um diálogo com os técnicos das Forças.

Leia Também:  MEC: evento deu bíblias com foto de Milton Ribeiro e pastores lobistas

Na reunião, Bolsonaro deve tentar reapresentar informações de um  inquérito sigiloso da PF sobre as eleições de 2018 que não mostrou qualquer ocorrência de fraude na totalização dos votos.

O documento já foi usado anteriormente pelo presidente para  atacar o processo eleitoral durante uma live. Na ocasião, ele disse que provaria que houve fraude nas eleições, mas não apresentou nenhuma prova concreta que o sistema apresenta falhas.

Bolsonaro chegou até mesmo a ser investigado por divulgar um inquérito sigiloso da PF .

Testes realizados pela Comissão Avaliadora do Teste Público de Segurança do Sistema Eletrônico de Votação (TPS) demonstram a maturidade do sistema eleitoral brasileiro. 

O texto apresentado ao ministro Edson Fachin, presidente do TSE, no final de maio também informa que as urnas eletrônicas transmitem segurança e confiabilidade ao eleitor.

Leia Também:  Frota acusa Bolsonaro de aparelhar PF, COAF e MP: "Não sou ingênuo"

O relatório também apresenta ao TSE sugestões de melhorias para que o órgão consiga aprimorar o seu sistema eleitoral. Entre as recomendações estão: facilitar o acesso da documentação das barreiras do sistema aos investigadores; ajustar o ambiente físico para a realização dos testes; e aprimorar a publicidade dos Boletins de Urna, substituindo a criptografia, que é aplicada atualmente, pela assinatura eletrônica.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Delator da Lava-Jato, Paulo Roberto Costa, morre aos 68 anos

Published

on

Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras
Reprodução: agência senado – 13/08/2022

Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras

Morreu na tarde deste sábado, aos 68 anos, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. A informação foi confirmada ao GLOBO por familiares de Costa. A causa da morte não foi divulgada.

O engenheiro ficou nacionalmente conhecido por ter sido preso no âmbito da operação Lava-Jato, em 2014, e por ter sido delator de supostos esquemas de corrupção na estatal.

Em acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal, Costa revelou esquemas de enriquecimento ilícito que beneficiavam políticos. Delatou, entre outros, o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney. Citou, ainda, nomes como o ex-senador Romero Jucá e o senador e atual ministro da Casa Civil Ciro Nogueira. Todos negaram as acusações à época.

Na ocasião da assinatura do acordo, Costa renunciou a cerca de US$ 23 milhões mantidos em contas na Suíça, à época bloqueados, além de mais US$ 2,3 milhões em Cayman. Na época, o ex-diretor devolveu R$ 79 milhões à Petrobras. Os prejuízos com os esquemas de corrupção foram calculados na ocasião em R$ 1,3 bilhão.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA