Economia

Bolsonaro é aconselhado a sair do país para que Lira sancione Orçamento

Publicados

em


source
null
O Antagonista

undefined


O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e seu vice, Hamilton Mourão (PRTB – RS), estão sendo aconselhados a deixar o Brasil para que o presidente da Câmara dos deputados, Arthur Lira (PP – AL), assine  o Orçamento de 2021.

A manobra é uma tentativa de escapar da assinatura que pode render um processo de impeachment a Bolsonaro, já que as despesas obrigatórias foram subestimadas para acomodar o aumento de emendas parlamentares.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, alertou ao presidente que ele pode cometer crime de responsabilidade fiscal se sancionar o Orçamento na sua redação atua caso as contas deste ano sejam reprovadas.

Você viu?

Leia também

A Câmara dos Deputados e o Senado Federal, entretanto, defendem que o presidente sancione o Orçamento 2021 sem vetos. 

Leia Também:  Governador do DF recebeu R$ 15 milhões do Bolsolão; dinheiro foi gasto em trator

Além de fugir do impeachment, Bolsonaro deveria levar Mourão consigo, já que ele é o segundo na linha de sucessão da presidência. Na ausência do presidente da República e de seu vice, quem assume é o presidente da Câmara dos Deputados. 

Arthur Lira é réu por corrupção passiva e responde a outras oito investigações. O Supremo Tribunal Federal determinou em 2016 que réus em ações penais podem liderar uma das casas do Congresso, mas não substituir o presidente e seu vice, caso os dois estejam fora do país. 

Aliados de Lira afirmam que ele está apto a assumir a Presidência no caso de ausência de Bolsonaro e Mourão. Caso Lira não possa assumir, quem ocupará o Planalto será o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Depois dele, o próximo na linha sucessória presidencial é o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Dono da CNN, Rubens Menin compra rádio mineira “Itatiaia”

Publicados

em


source
Rubens Merin, presidente da MRV
Brasil Econômico/ Rodrigo Capote

Rubens Merin, presidente da MRV

Nesta quinta-feira (13) a Rádio Itatiaia anunciou que foi vendida para o fundador da MRV Engenharia e controlador da CNN no Brasil , Rubens Menin . O comunicado foi feito numa videoconferência com os empregados da qual participaram Emanuel Carneiro, presidente da emissora, e o apresentador Eduardo Costa, além do novo dono.

“A Itatiaia precisa pensar na sua continuidade, a gente tinha recebido outras propostas, a gente pensou bem, e o que queremos é a continuidade da empresa por muitos e muitos anos com a mesma credibilidade que sempre teve, com relevância enorme. E acreditamos que o Rubens Menin é a pessoa ideal para dar esse prosseguimento”, disse Emanuel Carneiro, presidente da rádio e apresentador do programa ‘Turma do Bate Bola’. 

A venda é vista como um tentativa de atrair novos investimentos para manter a rádio relevante no Estado de Minas Gerais. 

Leia Também:  Governo gasta R$ 8,3 bilhões com cargos extintos; veja a lista

“Eu sou o mais antigo ouvinte da Itatiaia aqui. Eu ouço desde os anos 1960. Emanuel vem de uma família muito boa mesmo. A Itatiaia tem liderança, porque é uma rádio excelente. Parabéns, Emanuel, pelo que você tem feito, pela competência no jornalismo. Eu digo que sou belo-horizontino, mineiro e brasileiro. A gente tem que zelar muito pelo estado, por nossa cultura. Não existe sociedade bem desenvolvida sem um bom jornalismo. A gente viu a importância do jornalismo na pandemia, e a Itatiaia tem uma competência enorme. Não existe emissora com a capilaridade da Itatiaia, que trabalha de forma ética, com brilhantismo”, disse Menin.


Leia Também:  Quebra de patentes: veja os remédios que ficarão mais baratos após ação do STF

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA