Política Nacional

Bolsonaro diz entender que não oferece ameaça à democracia

Publicado em

Sem provas, Bolsonaro afirmou que o manifesto estaria vinculado a interesse de grandes bancos
Wilson Dias/Agência Brasil – 20/06/2022

Sem provas, Bolsonaro afirmou que o manifesto estaria vinculado a interesse de grandes bancos

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou entender, nesta quinta-feira (28), que ele não oferece ameaça à democracia e ironizou o manifesto público em defesa dos valores democráticos organizado pela Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo). O documento conta com 240 mil assinaturas até o momento.

Sem apresentar provas, Bolsonaro disse a apoiadores na manhã desta quinta, na saída do Palácio da Alvorada, que o manifesto estaria vinculado a interesse de grandes bancos e instituições financeiras. Na visão dele, as empresas estariam incomodadas com ações do governo, como a criação do Pix.

“Você pode ver esse negócio de carta aos brasileiros, democracia… Os banqueiros estão patrocinando. É o Pix, que eu dei na… Uma paulada neles… Os bancos digitais também, que nós facilitamos. Estamos acabando com o monopólio dos bancos”, afirmou. “Eles estão perdendo poder. Carta pela democracia? Qual é a ameaça que eu estou oferecendo para a democracia?” 

Leia Também:  Suplicy foi 'agressivo' ao interromper evento petista, diz Mercadante

Na quinta-feira (27), o presidente já havia comentado o assunto durante participação da convenção do PP, partido do chefe da Câmara dos Deputados, Artur Lira.  Na ocasião, ele disse que não precisa de “nenhuma cartinha” para falar que “defende a democracia” nem de sinalização de apoio de “quem quer que seja” para mostrar que o caminho é “democracia, liberdade e respeito à Constituição”.

No último dia 18, Bolsonaro se reuniu com embaixadores de diversos países  para colocar em xeque, sem provas, a confiabilidade das urnas eletrônicas e do sistema eleitoral brasileiro. O sistema eletrônico de votação é utilizado no Brasil desde 1996 e, desde então, nunca apresentou nenhum indício concreto de fraude ou caso de invasão de uma urna e alteração dos votos.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o perfil geral do Portal iG .

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Lula sobre baixa entre evangélicos: ‘Não sou candidato de uma facção’

Published

on

Lula usa a pauta religiosa para criticar Bolsonaro
Reprodução/Twitter – 16.08.2022

Lula usa a pauta religiosa para criticar Bolsonaro

O candidato do PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que não é “candidato de uma facção religiosa”. A declaração foi feita em entrevista à Rádio Super, de Minas Gerais, nesta quarta-feira. Ele havia sido questionado sobre a baixa intenção de voto dos evangélicos nele.

“Eu não sou candidato de uma facção religiosa. Eu sou candidato do povo brasileiro. Eu quero tratar evangélico igual católico, islâmico, judaicos. Quero tratar todas as religiões, inclusive a religião de matriz africana, com o respeito que todas as religiões devem ser tratadas. Não quero uma guerra santa no país. Eu não quero estabelecer rivalidade entre as religiões.”

Lula disse que a religião não deve ser usada “para fazer política”.

O petista também disse que as urnas eletrônicas e a Justiça Eleitoral “saíram fortalecidas” depois do evento de posse do ministro Alexandre de Moraes como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na terça-feira.

Leia Também:  Fernando Henrique deixa presidência da fundação que leva seu nome

Lula avaliou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) ficou “incomodado” no evento por causa das falas em defesa à democracia. Bolsonaro é contra as urnas eletrônicas e acusa, sem provas, de haver fraude no processo eleitoral — declaração apontada como falsa pela Justiça Eleitoral.

“Ontem foi um ato de fortalecimento do processo do Estado Democrático de Direito. Bolsonaro estava muito incomodado porque ele não gosta de democracia”, disse Lula.

O ex-presidente também disse que fará uma “política de boa convivência” com os outros partidos caso seja eleito, mesmo com aqueles da base bolsonarista, como o PL, partido do presidente. Também disse ser contra “criminalizar” políticos que foram investigados ou condenados no passado:

“Essas pessoas cometeram erros, foram julgadas, foram condenadas, mas estão livres e estão fazendo política. Essas pessoas são presidentes de partido e são dirigentes partidárias, essas pessoas têm mandato.”

Leia Também:  Gilmar Mendes sobre fala de Monark: "Apologia ao nazismo é criminosa"

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA