Economia

Bolsa sobe quase 10%, e dólar cai para R$ 5,08 em dia de recuperação

Publicados

em


source

Agência Brasil

Em meio ao anúncio de medidas emergenciais no Brasil e no exterior , o mercado financeiro teve um dia de trégua. A bolsa de valores , que ontem (23) caiu 5,22%, subiu quase 10% hoje (24). O dólar, que ontem tinha encostado em R$ 5,14, fechou abaixo de R$ 5,10.

Aneel suspende corte de energia de inadimplentes

O índice Ibovespa , da B3 , a Bolsa de Valores brasileira, fechou esta terça-feira aos 69.729 pontos, com alta de 9,66%. O índice, que alcançou o maior nível em uma semana, operou com alta acima de 10% durante quase toda a sessão, acompanhando as bolsas no exterior.

Dólar arrow-options
Pixabay/Reprodução

Dólar


O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,081, com recuo de R$ 0,058 (-1,12%). A cotação registrou queda durante toda a sessão. Na mínima do dia, por volta das 12h30, a moeda chegou a ser vendida a R$ 5,05.

A divisa acumula alta de 26,6% em 2020. Diferentemente dos últimos dias, o Banco Central ( BC ) não interveio no mercado. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais nem fez leilões de swap cambial , que equivalem à venda de divisas no mercado futuro.

Leia Também:  Governo estuda recriar CPMF: entenda a fala de Paulo Guedes

Estados Unidos

Hoje, o Federal Reserve , Banco Central norte-americano, anunciou que comprará indefinidamente dívidas de empresas e emprestar recursos diretamente a empresas pelo tempo necessário. As perspectivas de fechamento de um acordo para o Congresso norte-americano aprovar o pacote de estímulos proposto pelo governo de Donald Trump também ajudaram o mercado. O índice Dow Jones , da Bolsa de Nova York , fechou o dia com alta de 11,37%, com o melhor desempenho diário desde 1933.

Pacote de medidas

No Brasil , o mercado continua a reagir à ajuda emergencial de R$ 88,2 bilhões para estados e municípios e à injeção de R$ 1,2 trilhão na economia anunciada ontem pelo Banco Central . A edição de medidas provisórias para flexibilizar a legislação trabalhista durante a crise aliviam a perda do valor de ações de diversas empresas.

Petróleo

A intensificação da guerra de preços do petróleo entre Arábia Saudita e Rússia deu uma trégua hoje. Os dois países estão aumentando a produção de barris, o que tem provocado uma redução na cotação do produto.

Senado vota nesta terça regulamentação de bônus a fiscais e auditores da Receita

Leia Também:  Conta de luz sobe a partir de hoje na grande São Paulo; Veja como economizar

O barril do tipo Brent , que na semana passada atingiu o menor nível em 18 anos, voltou a subir hoje. Por volta das 18h, a cotação estava em US$ 27,71, com alta de 2,52%. As ações da Petrobras , as mais negociadas na bolsa, que ontem tinham caído cerca de 4%, dispararam. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 15,92% nesta quinta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos ) subiram 15,22%.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

PIB deve cair 6,5% neste ano, indica projeção do mercado

Publicados

em


source

Agência Brasil

comércio fechado pouco movimento
Rovena Rosa/Agência Brasil

Com grande influência do isolamento e o fechamento temporário do comércio, mercado espera que PIB tenha queda de 6,5% em 2020

A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano foi ajustada de 6,54% para 6,50%. A estimativa de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – está no boletim Focus, publicação divulgada todas as semanas pelo Banco Central (BC), com a projeção para os principais indicadores econômicos.

Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há seis semanas consecutivas. Em 2022 e 2023, o mercado financeiro continua a projetar expansão de 2,50% do PIB .

Inflação

As instituições financeiras consultadas pelo BC mantiveram a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 1,63%, neste ano.

Leia Também:  Procon-SP notificou Enel por alta na conta de luz na pandemia

Para 2021, a estimativa de inflação permanece em 3%. A previsão para 2022 também não teve alteração: 3,50%. Para 2023, a estimativa passou de 3,50% para 3,42%.

A projeção para 2020 está abaixo do piso da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,5% e o superior, 5,5%.

Para 2021, a meta é 3,75%, para 2022, 3,50%, e para 2023, 3,25% também com intervalo de 1,5 ponto percentual em cada ano.

Selic

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic , estabelecida atualmente em 2,25% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic encerre 2020 em 2% ao ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a taxa básica chegue a 3% ao ano. Para o fim de 2022, a previsão é 5% ao ano e para o final de 2023, 6% ao ano.

Leia Também:  Depois de três meses, milhões seguem sem auxílio emergencial

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Entretanto, os bancos consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Dólar

A previsão para a cotação do dólar permanece em R$ 5,20, ao final deste ano. Para o fim de 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5,05, contra previsão de R$ 5 da semana passada.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA