Agronegócio

ATeG do Senar-MT deve ampliar atendimento para mais 22 municípios neste ano

Publicados

em


Em 2021, a Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT), deve atender mais 22 municípios mato-grossenses. Em 2020, o número era de 600 propriedades atendidas em 33 municípios do estado.

De acordo com o superintendente da instituição, Francisco Olavo Pugliesi de Castro, popularmente conhecido como Chico da Paulicéia, a ATeG é um dos principais produtos da instituição. “Entendemos que a assistência técnica transforma a vida do homem do campo”, destaca.

Para o superintendente, o conhecimento é o caminho para a transformação. Ele conta ainda que é assim, com assistência técnica do Senar-MT, que centenas de produtores rurais estão conseguindo melhorar o desempenho no campo. “Eles estão aprimorando a atividade desenvolvida ou diversificando a fonte de renda da propriedade”.

Chico destaca ainda que a ATeG será formatada para atender o maior número de produtores mato-grossenses. “Neste momento estamos fazendo o estudo de viabilidade dos 22 municípios que solicitaram assistência técnica. Não podemos aprovar a solicitação sem antes realizar este estudo, mas a nossa meta é atender todos os pedidos”.

Leia Também:  De administrador a produtor de hortaliças

O Senar-MT oferece assistência técnica para as cadeias produtivas da fruticultura, olericultura, piscicultura, bovinocultura de corte e de leite.  O coordenador da ATeG do Senar-MT, Armando Urenha, diz que o trabalho consiste em orientação, levantamento de informações e a partir disso, planejamento da produção. “Com isso, o produtor pode transformar a sua produção em um negócio lucrativo e sustentável”.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

CNA debate regulamentação do Pagamento por Serviços Ambientais

Publicados

em


Brasília (25/02/2021) A Comissão Nacional de Meio Ambiente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu, na quinta (25), por videoconferência, para debater, dentre outros temas, a Lei 14.119 de 2021, que regulamenta o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA).

Os serviços ambientais são atividades individuais ou coletivas que favorecem a manutenção, a recuperação ou a melhoria de ecossistemas.

Segundo o presidente da Comissão e da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Amazonas (Faea), Muni Lourenço, a remuneração dos serviços ambientais para o produtor rural é um pleito antigo do setor.

“A criação de uma legislação voltada para esse benefício sempre foi uma bandeira da CNA, pois é uma forma de reconhecer o esforço e as boas práticas dos produtores. A aprovação da lei foi um passo importante, mas precisamos continuar trabalhando para termos clareza sobre as fontes de recursos para efetivação do PSA”, destacou Muni.

O coordenador de Sustentabilidade da CNA, Nelson Ananias, explicou que a Lei 14.119 foi sancionada no início deste ano como parte de um pacote da agenda verde do Congresso Nacional. “A lei busca implantar a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais (PNPSA) e o Programa Federal de Pagamento por Serviços Ambientais (PFPSA)”.

Leia Também:  Casal de pecuaristas reduz gastos com Assistência Técnica do Senar-ES

De acordo com Nelson, a norma prevê diversas modalidades de pagamento pelos serviços ambientais, como prestação de melhorias sociais às comunidades rurais e urbanas, pagamento direto (monetário ou não), compensação vinculada a certificado de redução de emissões por desmatamento e degradação, títulos verdes (green bonds), comodato e cota de reserva ambiental.

“Muito se fala sobre PSA e na existência de recursos que podem pagar pela conservação de vegetação nativa, restauração, conservação de água. Os casos de PSA no Brasil envolvendo áreas privadas são quase que exclusivamente relacionados ao Programa Produtor de Água da Agência Nacional de Águas (ANA)”, disse Nelson.

O coordenador afirmou que, para garantir segurança jurídica ao PSA, são necessários alguns pontos: remuneração de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e Reservas Legais (RLs); valoração e definição clara dos serviços ambientais prestados; flexibilidade de contratos e pagamentos; que os custos de transação não excedam os benefícios potenciais; monitoramento do cumprimento das metas, das mudanças no uso da terra e da prestação de serviços; incentivo à adoção das tecnologias de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC), entre outros.

Leia Também:  CNA debate regulamentação do Pagamento por Serviços Ambientais

Durante a reunião, a gerente de Investimentos da Sustainable Trade Initiative (IDH), Marcela Paranhos, falou sobre um projeto de sustentabilidade pecuária, desenvolvido em Mato Grosso a partir de uma parceria entre IDH e CNA.

“O objetivo da parceria é compartilhar conhecimento sobre os modelos de governança territorial implementados pela IDH em Mato Grosso e apoiar e fortalecer a cadeia da restauração ambiental para agregar sustentabilidade ao setor produtivo”, disse. 

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA