Economia

Arrecadação federal bate recorde e chega a R$ 165,3 bilhões em maio

Publicados

em

source
Arrecadação federal bate recorde e soma R$ 165,3 bilhões em maio
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Arrecadação federal bate recorde e soma R$ 165,3 bilhões em maio

A arrecadação federal em maio de 2022 somou R$ 165,3 bilhões, de acordo com dados da Receita Federa l. Isso representa um avanço de 4,13% em relação ao mesmo mês do ano anterior, já descontada a inflação do período.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (23) pelo Fisco. O resultado é o melhor para o mês de maio em toda a série histórica, iniciada em 1995. No acumulado dos cinco primeiros meses de 2022, a arrecadação federal somou R$ 908,5 bilhões, um crescimento de 9,75%, também o melhor desempenho para o período.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Mais uma vez, o desempenho do período está relacionado ao crescimento dos recolhimentos de IRPJ e CSLL.

Desde 2021, a arrecadação federal vem batendo recordes e o governo sustenta que esse aumento é estrutural, a despeito da preocupação com que alguns analistas veem esse cenário. O governo se fia no aumento da arrecadação para reduzir alguns tributos. O governo já promoveu rodadas de cortes na alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e Imposto de Importação (II).

Em outra frente, para tentar brecar o avanço dos preços dos combustíveis, o governo zerou PIS e Cofins do diesel e gás de cozinha até o final do ano e pretende estender a ação para a gasolina, etanol e gás natural.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Economia

Servidores protestam em frente à sede do Banco Central, em Brasília

Publicados

em

Servidores protestam em frente à sede do Banco Central, em Brasília
Redação 1Bilhão

Servidores protestam em frente à sede do Banco Central, em Brasília

Por reajuste salarial e reestruturação de carreira, servidores do Banco Central realizaram um protesto na manhã desta segunda-feira (4) em frente à sede da autarquia, em Brasília. Cerca de 300 pessoas estiveram presentes, de acordo com o Sinal (Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central).

Atos também aconteceram em Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O dia 4 de julho foi o escolhido por ser a  data limite para que o governo federal pudesse conceder reajuste salarial a servidores públicos em razão do prazo imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal, que proíbe a elevação de gasto com pessoal nos últimos 180 dias de mandato.

O presidente Jair Bolsonaro (PL), no entanto,  já havia descartado reajuste salarial para o funcionalismo público neste ano.

Leia Também:  Procon-RJ multa Light em R$ 2 milhões por cortes na luz

No último encontro, os servidores do BC decidiram cruzar os braços até esta segunda. Tudo indica que amanhã (5), durante assembleia deliberativa, a categoria decida pelo fim da greve.

A partir do próximo semestre, deve-se começar uma nova fase de mobilização, segundo o presidente do Sinal, Fábio Faiad, que não quis dar detalhes sobre como ela deve acontecer.

“Já que a gente conseguiu que o presidente do Banco Central [Roberto Campos Neto] enviasse um projeto para o Ministério da Economia com a reestruturação da nossa carreira e com a criação da retribuição por produtividade, ou seja, um incremento financeiro, a gente agora quer que esses dois projetos vão para o Congresso Nacional e que o Orçamento de 2023 contemple verba para isso também”, afirmou.

Os servidores do Banco Central estão em greve de forma ininterrupta desde o dia 3 de maio, após paralisação de duas semanas da greve iniciada em 1º de abril.

Leia Também:  Mundo passará por menos crescimento e mais inflação, diz Campos Neto

A paralisação atrapalhou a publicação de diversos indicadores econômicos, como o Boletim Focus, que traz as projeções do mercado financeiro para inflação, PIB (Produto Interno Bruto), entre outros.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA