Economia

Aprovação do governo entre beneficiários do auxílio emergencial é de 45%

Publicados

em


source
auxilio emergencial
Divulgação

Aprovação entre os beneficiários do Bolsa família é de 45%

Segundo pesquisa do portal ‘Poder 360’, a aprovação do governo entre as pessoas beneficiadas pelo auxílio emergencial é de apenas 45%. Duas semanas atrás, o número era de 48%.

Os entrevistados também foram questionados sobre como avaliam o trabalho de Bolsonaro. No grupo que recebeu ou aguarda receber o auxílio emergencial, 32% consideram a gestão bolsonarista como “ótima” ou “boa”. O pior índice para o presidente é registrado entre quem não está apto a receber o auxílio. Nesse grupo, 58% desaprovam o governo.

A pesquisa ‘DataPoder360’ ainda indicou que 33% dos brasileiros já receberam o auxílio emergencial. Outros 14% aguardam receber, 13% tiveram o cadastro recusado por alguma razão e 35% não estão aptos para receber o benefício.

Leia Também:  Bolsonaro diz que respeita teto de gastos ao lado de Maia e Alcolumbre

Considerando aqueles que realmente precisam do dinheiro, como os desempregados e pessoas sem renda fixa, o levantamento mostra que 54% já tiveram acesso à renda. Ainda de acordo com a pesquisa, 71% dos que já receberam ou aguardam receber o auxílio, gastaram ou vão gastar o dinheiro com comida. Outros 15% destinaram ou vão destinar o valor para o aluguel e 10% para as dívidas gerais. Apenas 1% deve poupar o dinheiro do auxílio.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Privatização da Caixa? Entenda a Medida Provisória 995

Publicados

em


source
Caixa
GettyImages/BBC

MP 995 permite participação de empresas privadas na Caixa

A Medida Provisória 995, que transita no Congresso Nacional, abre a possibilidade da participação de  empresas privadas na Caixa Econômica Federal. A explicação da ementa da MP diz que ela visa dar “Autorização para que subsidiárias da Caixa Econômica Federal e as sociedades constituídas por elas” possam adquirir “controle societário ou participação societária minoritária em sociedades empresariais privadas”. Editada na última sexta-feira, a MP 995 recebeu 412 emendas. Sindicalistas chamam processo de ” privatização disfarçada”.

A MP permite desmembrar e privatizar subsidiárias da Caixa. Para sindicalistas dos bancários, a medida é considerada uma privatização disfarçada da Caixa, por fatiar o banco e tirar do Estado suas áreas mais rentáveis.

Em seus dois artigos, a MP autoriza as subsidiárias do banco público a incorporar ações de outras sociedades empresariais e a aquisição do controle societário ou participação minoritária em empresas privadas. O texto tem validade de 60 dias e pode ser prorrogada por mais 60. Por se tratar de MP, suas implicações já estão em vigor.

Leia Também:  Privatização da Caixa? Entenda a Medida Provisória 995

O foco do governo é a venda de subsidiárias como Caixa Seguridade, quarto maior grupo segurador do país, e Caixa Cartões. O governo também tem interesse na abertura de capital das Loterias, Gestão de Ativos de Terceiros e o Banco Digital, segundo aponta a Fenae (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal).

“Nosso principal objetivo é suprimir o texto dessa MP que permite a venda das subsidiárias. Vamos fazer tudo o que for possível para reverter essa situação”, diz o presidente da Fenae, Sergio Takemoto.

Para ele, é clara a manobra do governo para privatizar a Caixa mesmo sem permissão do Congresso, o que desobedece o Supremo Tribunal Federal. “O governo está aproveitando esse momento de pandemia. Em vez de se preocupar em defender a vida das pessoas, ele está preocupado em vender patrimônio público”, critica Takemoto.

Em julho, o Congresso pediu ao STF para fazer parte do processo, alegando que a Petrobras vem burlando a decisão do Supremo, transformando refinarias em nova subsidiárias para vendê-las.

Leia Também:  Como gastar o FGTS? Mais da metade dos beneficiários vai quitar dívidas

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA