Economia

Após saída de presidente, governo defende privatização da Eletrobras

Publicados

em


source
Governo volta a defender privatização da Eletrobras
Agência Brasil

Governo volta a defender privatização da Eletrobras

O ministério de Minas e Energia divulgou, nesta segunda-feira (25), uma nota na qual defende a privatização da Eletrobras . O texto foi distribuído depois que o presidente da estatal, Wilson Ferreira Junior, renunciou ao seu cargo .

Ferreira Junior alegou questões pessoais para deixar o posto, mas a saída dele levantou dúvidas sobre o plano de privatização da estatal, que o governo chama de “capitalização”.

“O governo federal entende que a capitalização da Eletrobras é essencial e necessária para a recuperação de sua capacidade de investimento”, diz a nota do ministério.

O processo de privatização proposto pelo governo prevê a capitalização da empresa de forma a diluir o controle da União sobre a empresa. É uma forma de arrecadar recursos tanto para o governo quanto para a própria companhia investir.

“Com a capitalização, a Eletrobras se tornará uma corporação brasileira de classe mundial, com capital pulverizado, focada em geração, comercialização e transmissão de energia elétrica, tornando-se uma das maiores empresas de geração renovável do mundo”, acrescenta a nota.

Leia Também:  Fiscais acusam Rappi de usar celular como "relógio de ponto"; entenda

Você viu?

A privatização da estatal foi proposta inicialmente em 2017, ainda durante a gestão do ex-presidente Michel Temer , e foi mantida pelo governo Jair Bolsonaro . Mesmo assim, o projeto enviado ao Congresso não avançou por forte resistências políticas dos parlamentares, incluindo aliados do governo.

Ferreira deixará a empresa em março, mas seu substituto ainda não foi escolhido. A renúncia vem após candidatos à presidência da Câmara e do Senado sinalizarem que privatização da empresa não será prioridade neste ano. O executivo vinha dizendo a pessoas próximas que deixaria a empresa se percebesse que o governo não encamparia mais a venda da estatal .

Na nota, o ministério agradeceu os trabalhos feitos por Ferreira Junior. “Durante os quatro anos e meio em que presidiu a empresa, Wilson liderou um processo de melhoria da eficiência operacional, a qual será mantida. Desta forma, será dado prosseguimento às ações de redução de custos e de aprimoramento da estratégia de sustentabilidade da Eletrobras”, diz o texto.

Segundo o ministério, Ferreira Junior permanecerá como membro do Conselho de Administração da estatatal. “O Ministério de Minas e Energia reafirma seu compromisso para tornar a Eletrobras mais forte, mais eficiente e mais competitiva, contribuindo, desta forma, para fomentar o desenvolvimento do setor elétrico e proporcionar maiores investimentos, gerando emprego e renda para a população brasileira, com menores custos para o consumidor de energia”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Planos de saúde: operadoras terão de explicar ao governo reajuste na pandemia

Publicados

em


source
Operadoras de planos de saúde terão de explicar ao governo reajuste durante a pandemia
Agência Brasil

Operadoras de planos de saúde terão de explicar ao governo reajuste durante a pandemia

As operadoras de planos de saúde terão que dar explicações sobre os reajustes aplicados durante a pandemia ao Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC). O órgão do Ministério da Justiça notificou as empresas.

Possíveis distorções nos preços dos planos levaram consumidores mais vulneráveis, e sem meios de negociar com as empresas, a enfrentarem aumentos maiores que os registrados nos grandes contratos, que tiveram até queda de valor em alguns casos.

O impacto do reajuste varia para cada consumidor.

Para encerrar o problema, o DPDC avalia que seria preciso assinar um termo de ajustamento de conduta (TAC) com as operadoras de saúde . O objetivo é equacionar problemas com os reajustes aplicados no ano passado, com os cerca de 20 milhões de contratos que tiveram aumento suspenso e, agora, têm de pagar não apenas o novo índice, mas também a recomposição do valor que deixou de ser cobrado.

Leia Também:  Fiscais acusam Rappi de usar celular como "relógio de ponto"; entenda

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA