Economia

Aplicativo Caixa Tem fica instável durante liberação do FGTS e auxílio

Publicados

em


source
claudio salituro
Reprodução Youtube Caixa Econômica Federal

Claudio Salituro, vice-presidente da área de tecnologia da Caixa, justificou no começo de julho o problema no aplicativo Caixa Tem pelo alto número de usuários

Nesta segunda-feira (10), a Caixa Econômica Federal liberou o  FGTS emergencial para nascidos em julho, além do  auxílio emergencial. Para acessar o valor disponibilizado nas contas poupança digitais, os cidadãos precisam entrar no  aplicativo Caixa Tem. No entanto, o aplicativo voltou a dar problema e apresentar instabilidade.

Segundo relatos nas redes sociais, o aplicativo Caixa Tem mostrava nesta segunda-feira que o serviço de acesso à conta estava indisponível. A principal reclamação dos usuários era que, ao tentar fazer uma operação, aparecia a mensagem: “Serviço disponível a partir das 9h15”. Mas mesmo depois do horário, o impedimento continuou.

Leia Também:  Cliente do Atacadão encontra cobra em saco de laranjas

Mais tarde, a mensagem que passou a aparecer para os usuários foi: “Serviço disponível em 30 minutos”. Por volta das 10h45, o aplicativo passou a realizar operações, porém às 11h30, voltou a ficar instável. A mensagem de que o serviço ficaria disponível após 30 minutos tornou a aparecer.

A instabilidade no aplicativo Caixa Tem é sentida pelos beneficiários do auxílio emergencial e FGTS desde o mês passado.

Claudio Salituro, vice-presidente da área de tecnologia da Caixa, justificou no começo de julho o problema no aplicativo  Caixa Tem pelo alto número de usuários. Muitos acessos de usuários ao mesmo tempo geram congestionamento de dados, segundo explicou Salituro à época.

Mas foi a própria Caixa que, no pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial, decidiu que todos os beneficiários deveriam ter contas poupança digitais Caixa Tem – mesmo os que já eram bancarizados. Com a operação do FGTS emergencial, as filas virtuais e problemas de acesso ao aplicativo começaram a surgir.

Leia Também:  Terceirizados e contratados podem ter salários diferente exercendo mesma função

Questionada pelo iG sobre a falta de planejamento da capacidade do aplicativo Caixa Tem, a Caixa respondeu:

“A poupança social digital foi criada com o intuito de facilitar e antecipar o processo de pagamento das parcelas do auxílio emergencial aos cidadãos, incentivando o uso eletrônico dos recursos de modo a reduzir a movimentação de pessoas e manter o distanciamento social recomendado em virtude da pandemia do Covid-19. Por isso, a Caixa tem realizado uma série de melhorias no CAIXA Tem, otimizando soluções e infraestrutura para melhor atender a todos os brasileiros.”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Apesar de congelamento salarial, 162 mil funcionários públicos terão aumento

Publicados

em


source

Brasil Econômico

ministerio
Agência Brasil

Grupo de servidores federais vai se beneficiar de brecha na nova regra barra reajustes até o fim de 2021; veja de quais órgãos são os funcionários

Apesar do congelamento salarial dos servidores, 162 mil  funcionários públicos terão aumento. O grupo corresponde a 25% dos funcionários do Executivo federal, que vai aumentar o salário neste ano com progressões ou promoções na carreira. Isso porque existe uma brecha na  lei que congelou salários do funcionalismo até o fim de 2021, que permite que esses adicionais continuem sendo dados.

A informação é do Ministério da Economia e foi obtida em reportagem deste sábado (26) do jornal Folha de S.Paulo. Os dados mostram que 100 mil servidores subiram na carreira entre janeiro e agosto e outros 62 mil devem ser beneficiados até dezembro. Hoje, o Executivo federal conta com cerca de 602 mil funcionários públicos ativos.

Leia Também:  Governo articula desoneração, novo imposto e novo Bolsa Família; entenda

O custo anual com as progressões automáticas por tempo de serviço e promoções por mérito, como no caso de cursos de capacitação, chega a R$ 500 milhões no Executivo federal. 

As progressões são a maior parte do crescimento da folha de salários do governo, pressionando do teto de gastos e limitando outros tipos de despesa no serviço público.

Os 100 mil servidores que avançaram nas carreiras neste ano são do Ministério da Economia, Banco Central e Itamaraty, órgãos que reúnem algumas das carreiras mais bem pagas do serviço público.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA