Saúde

Anvisa alerta profissionais de saúde sobre imunoglobulina falsificada

Publicados

em


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) emitiu comunicado alertando profissionais de saúde e gestores de unidades de atendimento sobre a circulação de imunoglobulina falsificada no país. Os frascos encontrados são da marca Imunoglobulin.

A substância, também chamada de anticorpo, é uma proteína que circula no sangue humano e que pode atuar no combate a vírus, bactérias, toxinas e elementos formados a partir de processos inflamatórios no corpo humano.

Segundo a Anvisa, o fabricante do medicamento comunicou a detecção dos itens falsificados. O comunicado da agência destaca a importância de profissionais da área de saúde atentarem para as características do produto falsificado, diferentes que são diferentes das do original.

O medicamento falso apresenta características como: frasco sem alça de apoio para infusão, tampa menor e com fenda, lacre sem o nome do remédio na lateral, além de o corpo da embalagem ser maior.

Se o profissional de saúde identificar um produto com tais características não deve usá-lo. É importante informar o fato à agência reguladora, o que pode ser feito pelo sistema Notivisa.

Leia Também:  Procon-SP fiscaliza preços abusivos de testes de covid-19

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Procon-SP fiscaliza preços abusivos de testes de covid-19

Publicados

em


O Procon de São Paulo está fiscalizando os preços dos testes de covid-19 em farmácias, hospitais e laboratórios. Segundo o órgão de defesa do consumidor, a fiscalização ocorre após denúncias de que testes para identificar infecção pelo coronavírus estariam sido comercializados a preços abusivos.

Nos locais fiscalizados, o Procon pediu informações sobre os testes disponíveis e os preços de cada um. As empresas têm que apresentar notas fiscais de compra de insumos e de prestação de serviços que justifiquem os valores cobrados dos consumidores. Estão sendo solicitados documentos desde novembro de 2021.

As empresas também devem informar o tempo médio de espera para exames agendados por plano de saúde ou pagos diretamente pelo consumidor. Além disso, são pedidos demonstrativos de quantos exames foram realizados em cada estabelecimento, com diferenciação dos pagos por planos de saúde e pelos pacientes.

Após análise dos documentos, o Procon avaliará se houve aumento abusivs dos preços aproveitando-se da alta demanda dos últimos meses. “Apesar de não existir regime de tabelamento, e de preços normalmente serem regulados pela lei da oferta e da procura, em hipóteses excepcionais de claro abuso da população em premente necessidade, pode haver intervenção do Estado. Os fornecedores que agirem de forma incorreta poderão ser punidos nos termos do Código de Defesa do Consumidor”, ressalta o diretor do Procon, Fernando Capez.

Leia Também:  SP: metade dos serviços de saúde tem estoque de testes para 7 dias

Escassez

Na semana passada a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) alertou para o risco de falta de testes para identificar infecção por covid-19. “Quando avaliamos notícias que vêm de outros países, de que eles já estão sem insumos, é certo que o problema chegará ao Brasil”, diz nota divulgada pela entidade na última quarta-feira (12).

De acordo com a Abramed, a alta demanda pelos testes está ligada à chegada da variante Ômicron, que levou a aumento considerável do número de casos da doença. “A alta transmissibilidade da variante Ômicron causou aumento exponencial de casos, o que vem demandando significativo aumento da  capacidade produtiva global de testes.”

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA