Tecnologia

Anel com inteligência artificial prevê sintomas de Covid-19

Publicados

em


source

Olhar Digital

coronavírus covid-19
Divulgaçao/PMG

Anel pode identificar sintomas de pessoas infectadas pelo novo coronavírus


Um dos maiores desafios no combate ao novo coronavírus  (Sars-Cov-2) é impedir que pessoas assintomáticas espalhem o vírus. Em abril, pesquisadores do Instituto de Neurociências Rockefeller, da Universidade de West Virginia (RNI), nos EUA, desenvolveram um anel com inteligência artificial para tentar prever os sintomas. Agora, após um período de testes, a equipe afirma que seu equipamento conseguiu, com 90% de precisão, prever os sintomas da doença até três dias antes de eles se manifestarem.

Para fazer a previsão, o anel coleta dados como temperatura corporal, variação da frequência cardíaca, frequência respiratória e padrões de sono. Depois, combina todos as informações e, por meio de modelos guiados por inteligência artificial, consegue prever os sintomas da Covid-19 .

Leia também: Sensor conectado ao celular identifica novo coronavírus em um minuto

Apesar de eficiente, a precisão de 90% ainda cria um espaço para alguns assintomáticos não serem detectados. Por conta disso, pode levar um tempo até que o equipamento esteja realmente pronto para o uso, embora seja promissor.

Leia Também:  Facebook e Instagram passam a lembrar usuários sobre o uso de máscaras

Atualmente, são mais de 600 profissionais da saúde e socorristas testando a tecnologia. A RNI também está trabalhando com novos parceiros para incluir mais de 10 mil participantes para novos testes .

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Sem gastar muito: veja dicas de equipamentos para uma boa videoconferência

Publicados

em


source
videoconferência
Unsplash/Chris Montgomery

Confira as dicas para uma videoconferência de sucesso


Com o isolamento social imposto pela pandemia de Covid-19, o home office se tornou mais popular, e as videoconferências passaram a fazer parte do dia a dia de muitas pessoas. Plataformas como  ZoomMicrosoft Teams registraram aumentos expressivos no número de usuários. 


Para quem usa muito esse recurso, algumas dicas são valiosas para tornar a experiência da videoconferência ainda melhor. Confira quais gadgets valem a pena e como improvisar sem gastar muito.

Novos equipamentos

Para quem usa videoconferências no trabalho, investir em novos equipamentos pode ser uma boa forma de deixar as chamadas mais profissionais. Para Débora Costa, UX Design Lead na ilegra, empresa global de inovação, design e software, um headphone , uma boa câmera e uma internet boa são indispensáveis para manter a qualidade de uma chamada de vídeo.

Um bom fone de ouvido é responsável por excluir os ruídos externos, assim como ajudar as outras pessoas da chamada a te ouvirem bem. E uma câmera com qualidade te ajuda se mostrar mais presente nas reuniões. “Nas reuniões online é importante manter a câmera ligada para que as pessoas consigam se enxergar, isso facilita a comunicação e ajuda a dar visibilidade a todos”, opina Débora.

Leia Também:  Vai trocar de notebook? Aprenda a escolher o melhor modelo para o seu bolso

Ela diz, porém, que esses gadgets são essenciais principalmente para quem quer se profissionalizar mais ou precisa divulgar sua imagem na internet. “Se você está à frente da promoção de lives, por exemplo, pode ser interessante investir em equipamentos extras pensando em profissionalizar e aumentar a qualidade do seu trabalho”, diz.

Grana curta

Para quem não recebe apoio da empresa para novos equipamentos e não pretende gastar com o home office , algumas dicas podem servir para improvisar uma experiência melhor durante a chamada de vídeo. 

Um fone de ouvido caro e poderoso pode ser substituído por um mais simples, que tenha um bom microfone . E se a câmera do notebook  ou computador não tiver uma qualidade muito boa, o uso do celular pode substituir a compra de uma webcam externa – o que pode economizar um bom dinheiro. 

“Caso a pessoa não tenha uma webcam, ela pode se conectar nas chamadas usando o seu celular. Hoje em dia, grande parte das pessoas possui um smartphone com câmera que irá suprir a necessidade”, aconselha Débora.

Os celulares dificultam, porém, na hora de compartilhar a tela em videoconferências. Se for esse o caso, a dica é entrar com os dois dispositivos na chamada, deixando vídeo e áudio para o celular e usando o computador ou notebook apenas para transmitir as informações da tela. Nesse caso, é importante não se esquecer de deixar o áudio do computador no mudo, para não causar interferências.

Leia Também:  Samsung lança carregador sem fio que esteriliza o celular

Internet está fraca, e agora? 

Um dos grandes problemas que atrapalha a experiência em chamadas de vídeo é a internet lenta . Para evitar que isso aconteça, é importante se atentar a algumas questões antes de começar a videoconferência

A primeira dica está na escolha da plataforma utilizada . Algumas demandam mais dados do que outras, então vale a pena testar antes para escolher o meio mais estável para realizar a reunião. 

A segunda dica é garantir que sua internet estará em sua melhor performance. Para isso, negocie com a família os horários de uso da rede doméstica. Se você tiver uma reunião importante, por exemplo, é interessante pedir para que ninguém veja vídeos pesados, faça downloads extensos ou realize outras videoconferências no mesmo horário. 

Além disso, um repetidor de sinal Wi-Fi pode ser um bom investimento para fazer o sinal chegar com mais força a todos os cantos da casa. O uso de cabos Ethernet também é uma dica preciosa para quando o Wi-Fi está fraco, já que a rede com fio é mais rápida e estável. 

Mesmo tomando todas essas precauções prévias, a internet ainda pode cair no meio de uma reunião importante. Nesse caso, a dica é usar o pacote de dados do celular, que costuma estar abandonado em tempos de isolamento social. Se o sinal estiver fraco, desligar a câmera pode ajudar a solucionar o problema. “É melhor áudio do que nada”, diz Débora.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA