Política

Ales recebe 300 cestas de alimentos em 1º dia de campanha

Publicados

em


Um dia após o lançamento da campanha “A Fome não Espera!”, a Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales) já recebeu uma importante doação de 300 cestas de alimentos. A oferta feita por um grupo de empresas foi entregue pela Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) nesta quinta-feira (8), na sede do Legislativo estadual.

Cada kit entregue contém um litro de leite Selita; um pacote de café Cafuso, da Real Café; um pacote de biscoito Sarloni, da Villoni Alimentos; um pacote de mistura para Bolo Regina, da Buaiz Alimentos; e um pacote de pão de forma Lekker. As doações foram feitas pelas empresas citadas, por meio da Câmara de Alimentos da Findes.

A presidente da Findes, Cris Samorini, acredita que a indústria capixaba pode ser uma forte aliada nessa batalha. “A força da indústria capixaba pode fazer toda a diferença. Foi por isso que a Findes reativou o movimento Indústria do Bem. Seja com a doação de equipamentos para a área da saúde, produtos de higiene ou com alimentos, nós podemos sim ajudar a população a passar por esse momento tão crítico da pandemia”, afirmou.

Leia Também:  Projeto veda apreensão de mercadorias

A gestora entende que parcerias entre as iniciativas pública e privada podem fazer a diferença nos momentos de crise. “Acredito ainda que é o trabalho conjunto, entre o setor privado e o poder público, que vai salvar vidas e ajudar as pessoas que mais precisam do nosso apoio neste momento”, finalizou.  

Como doar

A campanha “A Fome não Espera!” foi anunciada na sessão ordinária virtual da última quarta-feira (7) pelo presidente Erick Musso (Republicanos) e tem o objetivo de arrecadar donativos para famílias em situação de vulnerabilidade, especialmente por causa da pandemia do novo coronavírus.

Alimentos não perecíveis e itens de higiene podem ser entregues no ponto de coleta, uma tenda organizada em frente ao prédio do Legislativo, na Enseada do Suá. A arrecadação vai até o dia 16 de abril, com a participação de voluntários, das 8 às 17 horas. A orientação é que quem puder e quiser doar vá até o local usando máscara de proteção e atento aos cuidados de manter o distanciamento social. A campanha é uma iniciativa da Ales em parceria com a Federação das Fundações e Associações do Espírito Santo (Fundaes), encarregada de repassar as doações a instituições capixabas.

Leia Também:  Secretário de Saúde presta contas a deputados

Entidades beneficiadas

As seguintes entidades estão listadas, até o momento, para receber doações: Instituto Abequar (Linhares); Instituto João XXIII (Vitória); Fundação Carmem Lúcia (Vila Velha); Associação Recreativa e Cultural Mocidade Unida da Glória – MUG (Vila Velha); Serviço de Engajamento Comunitário – Secri (Vitória); Associação dos Amigos dos Autistas – Amaes (Vitória); Rochativa (Cachoeiro de Itapemirim); Fundação Beneficente Praia do Canto (Vitória); Ateliê das Ideias (Vitória); e Associação Amigos da Justiça (Aracruz, Ibiraçu, João Neiva e Serra).

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Projetos promovem acesso a absorventes

Publicados

em


Parlamentares da Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales) protocolaram projetos de lei (PLs) voltados para o bem-estar da mulher em período menstrual. O PL 165/2021 institui o Programa de Fornecimento de Absorventes Higiênicos (PFAH) na rede pública estadual de ensino. Já o PL 170/2021 institui a “Menstruação sem Tabu”, uma política de conscientização sobre o assunto e o acesso ao absorvente, item indispensável à higiene e ao conforto feminino. As iniciativas serão analisadas pelas comissões de Justiça, Saúde e Finanças.

Conforme o PL 165/2021, de autoria do deputado Dr. Rafael Favatto (Patri), o programa visa a prevenção de doenças causadas pela falta de cuidados adequados, além de promover a higiene feminina no ambiente escolar, principalmente para as estudantes que dispõem de poucos recursos ou não têm acesso a produtos de higiene pessoal. Além disso, a medida determina a redução de faltas de alunas neste período, evitando prejuízos no aprendizado.

A medida proposta por Favatto já existe em algumas cidades, como o Rio de Janeiro, onde desde 2019 o município fornece absorventes higiênicos às alunas. A ação atende aos anseios das estudantes do ensino público oriundas de famílias que não dispõem de recursos para a aquisição desses produtos. Essas alunas, conforme aponta a justificativa do PL, deixam de assistir às aulas nesses períodos devido aos constantes constrangimentos causados pela falta do absorvente. Algumas, segundo a matéria, chegam a abandonar os estudos.

“É um problema real para as adolescentes. A falta de acesso a produtos de higiene para lidar com o período menstrual traz enormes riscos à saúde dessas jovens, muitas vezes em virtude das soluções precárias e insalubres a que recorrem”, afirma Favatto.

Leia Também:  Secretário de Saúde presta contas a deputados

Menstruação sem tabu

O PL 170/2021, apresentado pela deputada Iriny Lopes (PT), também pretende facilitar o acesso de mulheres a absorventes e, além disso, conscientizar sobre a importância de cuidados apropriados durante o período menstrual. A matéria determina a promoção de iniciativas por parte tanto de órgãos públicos quanto da iniciativa privada e da sociedade civil que combatam o preconceito e a desinformação acerca do tema, tratando o ciclo menstrual como processo natural feminino. Para isso, Iriny propõe a realização de cursos, palestras e cartilhas que abordem o assunto de forma didática, incentivando o autocuidado e o acesso ao item. 
 
Outras medidas alcançadas pela proposição são a distribuição gratuita de absorventes e a realização de pesquisas a fim de aferir o percentual de mulheres sem acesso a esses produtos para nortear novas iniciativas favoráveis à população feminina. Fomentar empreendimentos que fabriquem absorventes de baixo custo, estabelecer o item como essencial e distribuí-lo gratuitamente, além de sua inclusão como integrante de cestas básicas são outras propostas.

O PL ainda determina a distribuição gratuita de absorventes para alunas do ensino fundamental e médio da rede pública, homens trans, presidiárias e mulheres em situação de rua, vulnerabilidade e extrema pobreza.

Para justificar o projeto, Iriny alega que metade da população feminina de países em desenvolvimento sofre com a  falta de produtos de higiene durante a fase menstrual. Essas mulheres, segundo ela, lançam mão de panos, papel higiênico e até jornal como proteção contra vazamentos.

“A questão do tabu da menstruação e a falta de acesso aos absorventes higiênicos vai muito além da questão da evasão escolar feminina. Essa questão não é um ‘privilégio’ do Brasil ou de nosso Estado. É um sério problema com vários desdobramentos. De acordo com o aplicativo Clue, que acompanha o ciclo menstrual feminino, 17% das mulheres ao redor do mundo já faltaram na escola, no trabalho ou em algo importante por causa da sua menstruação. No Brasil, 34% do valor pago em um fardo de absorventes é de impostos. Mas o que consideramos o maior absurdo de todos, é a falta de uma Política Pública que aborde e trate das questões da menstruação e do acesso aos absorventes de forma ampla e abrangente”, pontua.

Leia Também:  Projeto propõe nova política de agroecologia

Outras propostas
 
As iniciativas em torno do tema não são recentes na Assembleia Legislativa. Em 2019, o PL 478, de Janete de Sá (PMN), determinava a distribuição do produto em quantidade suficiente para alunas da rede pública de ensino com renda familiar inferior a três salários mínimos. “Não se trata apenas da distribuição de absorventes higiênicos, mas sim de levar mais dignidade para quem não tem condições básicas, o que é algo garantido e não cumprido a todos pela Constituição”, disse Janete, na época.

Em 2020, o deputado Luciano Machado (PV) protocolou o Projeto de Lei 542 que determinava a distribuição de absorventes para mulheres em situação de rua.

Os dois projetos foram considerados inconstitucionais por se tratarem de iniciativas de competência privativa do Poder Executivo. 
 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA