Política Nacional

AGU recorre da decisão que obriga Bolsonaro a usar máscara

Publicados

em


source

Agência Brasil

Bolsonaro
Divulgação/Assessoria de imprensa de Carla Zambelli

Decisão foi assinada na última segunda-feira (22).

Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu da decisão da Justiça Federal do Distrito Federal que impôs ao presidente Jair Bolsonaro o uso obrigatório de máscara em locais públicos, para proteção contra o novo coronavírus (covid-19).

No recurso, a AGU argumenta que o presidente Jair Bolsonaro já está sujeito à norma do governo do Distrito Federal (GDF), que desde abril obriga o uso da máscara, sendo “absolutamente dispensável e desnecessária” que uma decisão judicial obrigue o presidente a fazer uso da proteção.

O órgão argumenta ainda que Bolsonaro deve ser tratado como qualquer cidadão, não podendo ser alvo de uma sanção adicional, além da multa já prevista no decreto do GDF.

Na decisão, assinada na segunda-feira (22), o juiz Renato Coelho Borelli, da 9ª Vara Federal Cível de Brasília, estipulou multa de R$ 2 mil por dia em caso de descumprimento da determinação judicial. O valor é o mesmo da multa prevista pela norma do GDF para quem for flagrado sem a máscara.

Leia Também:  Entenda a relação entre Silvio Santos e a Lava Jato que viralizou nas redes

Para justificar a decisão, em que atendeu ao pedido de um advogado em ação popular, Borelli disse ter constatado em “inúmeras imagens” disponíveis na internet que o presidente não estaria cumprindo a determinação do GDF, “expondo outras pessoas à propagação de enfermidade que tem causado comoção nacional”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

Temer diz que Brasil pode ‘colaborar para uma pacificação interna no Líbano’

Publicados

em


source
Jair Bolsonaro convidou o ex-presidente Michel Temer para liderar missão ao Líbano.
Wilson Dias/Agência Brasil

Jair Bolsonaro convidou o ex-presidente Michel Temer para liderar missão ao Líbano.

Em entrevista à CNN Brasil, o ex-presidente Michel Temer declarou que, para além de oferecer ajuda humanitária, a  missão no Líbano tentará fazer com que o Brasil entre em um “processo de mediação para resolver as questões internas” no país do Oriente Médio.

Temer, convidado para chefiar a missão , disse que o governo brasileiro decidiu “muito adequadamente” enviar medicamentos e alimentos para o Líbano.

O ex-presidente também comentou sobre as dificuldades políticas que o governo libanês vem enfrentando. Para ele, o Brasil “tem condições e pode colaborar para uma pacificação interna no Líbano”.

Temer tem certeza de que, independente do dia, o Brasil estará presente no Líbano “cumprindo essa tarefa humanitária e essa tarefa política “.

Leia Também:  Deputado bolsonarista é condenado a pagar R$ 20 mil por dossiê antifascista

Ele afirmou, ainda, que  “o governo está empenhado em ajudar esta pacificação” e disse ter ficado surpreso com o convite para liderar a missão do Brasil ao Líbano .

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA