Economia

Aeroporto Internacional de BH recebe doses da vacina de Oxford

Publicados

em


source

Contato Radar

Aeroporto Internacional de BH recebe doses da vacina de Oxford
Gabriel Araújo

Aeroporto Internacional de BH recebe doses da vacina de Oxford

CNF ao vivo – O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte (CNF) recebeu na manhã deste domingo (23) cerca de 190 mil doses da vacina AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, na Inglaterra.

A operação foi realizada pelo Embraer 195 cargueiro da Azul, que partiu do Rio de Janeiro (GIG) e pousou no aeroporto mineiro às 09h45. Trazida ao Brasil pela Emirates na sexta-feira (22), as duas milhões de doses do imunizante chegaram em São Paulo (GRU), sendo transportadas ao Rio de Janeiro (GIG) logo após e distribuídas pelo país através de voos da Azul, GOL e LATAM.

Após o pouso, a carga foi retirada e seguiu de caminhão até a Central de Rede de Frio de Minas Gerais, sendo escoltada pela Polícia Militar de Minas Gerais e da Polícia Federal. Já a aeronave seguiu de Confins para Palmas (PMW) e posteriormente para Campo Grande (CGR).

Você viu?

Abaixo, veja fotos da operação:

Leia Também:  Luiza Trajano explica mais do movimento Unidos pela Vacina; veja o vídeo

O post Aeroporto Internacional de BH recebe doses da vacina de Oxford apareceu primeiro em Contato Radar – Notícias de aviação .

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Renda média no Brasil foi de R$ 1.380 em 2020; confira os maiores rendimentos

Publicados

em


source
Renda média no Brasil foi de R$ 1.380 em 2020, com Distrito Federal e São Paulo tendo as maiores médias
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Renda média no Brasil foi de R$ 1.380 em 2020, com Distrito Federal e São Paulo tendo as maiores médias

Com a pandemia de Covid-19 e a crise econômica, a renda média per capita no Brasil caiu no ano passado, ficando em R$ 1.380, segundo divulgou nesta sexta-feira (26) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2019, antes da pandemia, o rendimento médio domiciliar foi de R$ 1.439.  O desemprego, por sua vez, subiu, atingindo a taxa de 13,5% em 2020 — o pior resultado da atual série histórica do instituto, iniciada em 2012. Em 2019, a taxa média fora de 11,9%.

Entre as unidades federativas, o Distrito Federal e São Paulo foram os estados com maior rendimento médio no país: de R$ 2.475 e de R$ 1.814, respectivamente. A terceira maior renda foi registrada no Rio Grande do Sul, de R$ 1.759. No Rio de Janeiro, a renda média ficou em R$ 1.723, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Contínua (Pnad Contínua).

Leia Também:  IR 2021: empresas têm até esta sexta para entregar informe de rendimentos

Dados mostram que, com impacto da queda de renda durante a pandemia , 14% dos brasileiros que não eram considerados pobres em 2019 estão nesta situação em 2021.

Além do Maranhão , que teve a menor renda domiliciar (R$ 676), em outros 12 estados, a renda média foi inferior ao valor do salário mínimo vigente em 2020, que era de R$ 1.045. São eles: Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Piauí, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia.

De acordo com o IBGE , os rendimentos domiciliares são obtidos pela soma dos rendimentos do trabalho e de outras fontes recebidos por cada morador no mês de referência da pesquisa, dividido pelo total de residentes da unidade. A conta inclui pensionistas, domésticos e familiares.

Confira a renda per capita no Brasil em 2020 por estado

  • Média nacional   —   R$ 1.380;
  • Distrito Federal  —  R$ 2.475;
  • São Paulo  — R$ 1.814;
  • Rio Grande do Sul — R$ 1.759;
  • Rio de Janeiro — R$ 1.723;
  • Santa Catarina — R$ 1.632;
  • Paraná — R$ 1.508;
  • Mato Grosso do Sul — R$ 1.488;
  • Mato Grosso — R$ 1.401;
  • Espírito Santo — R$ 1.347;
  • Minas Gerais — R$ 1.314;
  • Goiás — R$ 1.258;
  • Rondônia — R$ 1.169;
  • Rio Grande do Norte — R$ 1.077;
  • Tocantins — R$ 1.060;
  • Ceará — R$ 1.028;
  • Sergipe — R$ 1.028;
  • Roraima — R$ 983;
  • Bahia — R$ 965;
  • Acre — R$ 917;
  • Pernambuco — R$ 897;
  • Amapá — R$ 893;
  • Paraíba — R$ 892;
  • Pará — R$ 883;
  • Piauí — R$ 859;
  • Amazonas — R$ 852;
  • Alagoas — R$ 796; e
  • Maranhão — R$ 676.
Leia Também:  Grande SP regride para fase laranja e comércio só poderá funcionar até as 20h

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA