Política Nacional

Adriano Guimarães é lançado como candidato pelo Progressistas de SP

Publicado em

Adriano Guimarães
Divulgação – 27.07.2022

Adriano Guimarães

Em convenção partidária realizada no último sábado (23), na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), o assessor especial do Marco Vinholi e superintendente do Sebrae-SP, Adriano Guimarães, foi aprovado pelo Progressistas para concorrer a uma das vagas de deputado federal no Congresso Nacional.

“Poder participar da corrida eleitoral desse ano será muito gratificante para minha carreira. Nos últimos três anos me dediquei à administração pública, no atendimento aos municípios trabalhando ao lado do Rodrigo Garcia, um excepcional gestor, e do grande municipalista Marco Vinholi, e todas as demais pessoas competentes que conheci neste processo que me ensinou tanto. Me sinto preparado para assumir essa missão. Vou continuar o trabalho que iniciei no Palácio dos Bandeirantes, na busca do desenvolvimento regional e crescimento econômico para geração de emprego e renda”, comemorou Guimarães.

Através do trabalho desenvolvido na Secretaria de Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo (SDR-SP), Marco Vinholi convidou Guimarães para se lançar como candidato a deputado estadual. Na Secretaria, Guimarães atuou fortemente para a implementação do projeto Pet Container, que busca promover a saúde animal nas cidades com toda a estrutura para o atendimento animal, e está em fase de entrega dos materiais nas cidades.

Leia Também:  Lula escolhe marqueteiro para comandar campanha

Guimarães é um grande incentivador do cicloturismo no estado, com propostas e busca efetiva por soluções para a realização do projeto. Além disso, busca atender os municípios, principalmente os do interior do estado, para entender as demandas e auxiliar na mediação por verba e projetos para o seu crescimento econômico.

“Eu espero ter a oportunidade, nestes 45 dias de campanha, de mostrar o meu trabalho e as minhas propostas. Quero poder ouvir os cidadãos para saber o que esperam de um deputado federal, para que eu possa fazer um plano de trabalho participativo e que atenda aos anseios da sociedade paulista”, explicou.

É notório, entre os que frequentam o Palácio dos Bandeirantes, o legado que Adriano Guimarães construiu ao lado do então Secretário de Desenvolvimento Regional Marco Vinholi.

Guimarães tornou-se uma espécie de intermediador, não apenas no que se tratava dos programas e ações da Secretaria, mas defendendo o interesse dos municípios dentro do Governo do Estado.

Bem articulado e receptivo, Adriano se transformou em referência para as lideranças no auxílio às cidades, onde atendeu ou intermediou soluções para pelo menos 600 municípios do estado de São Paulo.

Leia Também:  Janja rebate ataque de Michelle Bolsonaro: "Deus é amor"

Sempre entusiasmando em ajudar todos que o procuravam, Guimarães foi carinhosamente apelidado como “amigo dos municípios”, por vários prefeitos e autoridades.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Política Nacional

Bolsonaro não responde se já fez ‘rachadinha’: ‘É meio comum’

Published

on

Jair Bolsonaro (PL)
Isac Nóbrega/PR – 07.06.2022

Jair Bolsonaro (PL)

presidente Jair Bolsonaro (PL) evitou responder diretamente se já fez “rachadinha “ao ser questionado sobre o assunto durante entrevista a um canal de YouTube neste sábado. A prática consiste em obrigar os seus funcionários a devolver parte do seu salário. O presidente disse que a “prática é meio comum” em gabinetes de políticos, mas afirmou que não iria falar do seu próprio caso.

Um dos filhos, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), é investigado por essa suspeita. O Ministério Público também investiga um possível esquema de “rachadinha” no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ).

Além disso, como o GLOBO revelou, alguns dos servidores suspeitos de serem fantasmas no gabinete de Flávio e de Carlos também trabalharam para Bolsonaro quando ele era deputado federal.

Bolsonaro falou sobre o assunto durante entrevista neste sábado ao canal Cara a Tapa, no Youtube. Perguntado inicialmente se “sobraria” alguém na política que não cometeu a “rachadinha”, o presidente disse:

“Sobra pouca gente”.

O entrevistador, então, questionou diretamente se o presidente iria “sobrar”.

Leia Também:  Lula escolhe marqueteiro para comandar campanha

“Não vou falar de mim. Sou suspeito para falar de mim. Você não tem servidor meu falando que, denunciando”.

Perguntado, por fim, se havia “convivido” com a situação, disse que a prática é “meio comum”, inclusive em outros Poderes.

“É uma prática meio comum, concordo contigo. É meio comum. Não só no Legislativo, não. Também no Executivo. Até no outro Poder também. Cargo de comissão, você pode colocar quem você bem entender”.

Flávio foi denunciado pelo MP Flávio Bolsonaro passou a ser investigado por “rachadinha” em 2018, após o relatório Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontar movimentações suspeitas na conta bancária do assessor de Flavio na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), Fabrício Queiroz.

Em novembro de 2020, as investigações do MP do Rio resultaram na denúncia de Flavio, Queiroz e mais 15 pessoas por crimes como peculato e lavagem de dinheiro, com base em provas como a movimentação financeira dos funcionários do gabinete e uma colaboração de uma ex-funcionária. O senador foi acusado de liderar da organização criminosa.

Leia Também:  De olho na eleição, Bolsonaro inaugura obra em reduto de Doria

Para tentar anular as investigações, a defesa do senador apresentou diversos recursos aos tribunais. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) acabou anulando as quebras de sigilo bancário e fiscal determinadas pelo juiz Flávio Itabaiana, sob o entendimento de que ele não fundamentou adequadamente a justificava para autorizar as quebras.

Na sequência, o STF também determinou a anulação de parte dos relatórios do Coaf usados na investigação. A interpretação é de que os documentos foram produzidos de forma ilegal, o que acabou esvaziando as provas da denúncia. Por isso, o MP do Rio entendeu que não é possível o prosseguimento da acusação e que as investigações precisariam ser refeitas.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA