Esporte

Adhemar Ferreira da Silva é homenageado pela World Athletics

Publicados

em


.

O bicampeão olímpico Adhemar Ferreira da Silva será o único atleta da América do Sul a receber a placa de Patrimônio Mundial da World Athletics, homenagem criada pelo Departamento de Legado da entidade que administra a modalidade.

“Em 2018, essa homenagem foi criada para celebrar os que fizeram a história do atletismo em todo o mundo, e o Brasil é o único país da América do Sul a ganhar essa honraria”, disse à Agência Brasil o presidente da Consuldatle (Confederação Sul-Americana de Atletismo) e integrante do Conselho da World Athletics, Helio Gesta.

Adyel Silva, filha do bicampeão olímpico, celebra a homenagem da World Athletics e lamenta a falta de respeito dos brasileiros pelo legado do pai, que faleceu em 2001. “É sempre bom que, no meu caso, o meu pai, no caso do meu filho, o avô dele seja homenageado. Mesmo vindo de fora do Brasil, esses gestos de respeito e carinho são importantes demais. Ficamos felizes mesmo sabendo que o Brasil não respeita a história de meu pai. Conquistar tudo o que ele conseguiu em uma época em que, para ser atleta olímpico, tinha que ser amador, uma vida praticamente espartana, é um feito admirável”, declarou à Agência Brasil.

Leia Também:  Perez testa negativo para covid-19 e é liberado para GP da Espanha

Segundo Helio Gesta, a placa em homenagem ao brasileiro medalhista de ouro nos Jogos de 1952, em Helsinque (Finlândia), e de 1956, em Melbourne (Austrália), no salto triplo deve ser instalada no Centro Esportivo Tietê, em São Paulo, em dezembro desse ano. Nesse local funcionava o Clube Tietê, no qual Adhemar alcançou o primeiro dos cinco recordes mundiais da carreira. Em três de dezembro de 1950, o ex-atleta saltou 16 metros cravados (igualando a distância saltada pelo japonês Naoto Tajima).

“Na última reunião presencial da World Athletics, em março, recebi a incumbência de trazer a placa, que já estava pronta. Ela está comigo na minha residência em Manaus. A ideia era instalá-la em março mesmo, após as Assembleias da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) e da Consuldatle, mas a pandemia da covid-19 acabou mudando tudo. E agora nosso plano é formalizar a homenagem no final desse ano”, explicou Helio Gesta.

Além de Patrimônio Mundial da World Athletics, o triplista será consagrado esse ano ao entrar no Hall da Fama do COB (Comitê Olímpico do Brasil).

Leia Também:  Brasileiro: Atléticos vencem e Botafogo empata na abertura da rodada

Atletas históricos como Jesse Owens, Emil Zatopk, Paavo Nurmi, Fanny Blankers-Koen e Abebe Bikila, e competições como a Maratona de Boston, Penn Relays e o Memorial Van Damme, já integram a lista de condecorados pela entidade máxima do atletismo.

Técnico alemão também é homenageado

O alemão Dietrich Gerner, técnico e grande orientador do bicampeão olímpico, também vai ser homenageado. Ele foi escolhido por ser considerado a “primeira lenda” entre os treinadores da América do Sul.

A tradicional Corrida Internacional de São Silvestre também será homenageada por sua importância histórica. A disputa, criada em 1925, chega a contar com 30 mil participantes e tem 15km de distância. O prêmio será entregue à Fundação Cásper Líbero, dona dos direitos do evento.

Edição: Fábio Lisboa

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Conmebol divulga jogos da Copa América e libera trocas para mata-mata

Publicados

em


.

O Brasil começa a defender o título da Copa América no dia 13 de junho do ano que vem, em Medellin (Colômbia) contra a Venezuela. A tabela completa da competição foi divulgada nesta quinta-feira (13) pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). O torneio seria disputado entre junho e julho de 2020, mas foi adiado para 2021 devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

A seleção brasileira está no Grupo B, com sede na Colômbia. Além dos venezuelanos e dos anfitriões, também estão no caminho Peru, Equador e Catar, novamente convidado. O atual campeão asiático esteve na edição de 2019, no Brasil. Após a estreia, a equipe de Tite atuará duas vezes em Cali e duas em Barranquilla. Os quatro times mais bem colocados da chave avançam às quartas de final.

O Grupo A será disputado na Argentina. A seleção local, que abre a Copa América em 11 de junho de 2021 contra o Chile, em Buenos Aires, medirá forças contra Uruguai, Paraguai, Bolívia e Austrália. A nação da Oceania, que compete pelo continente asiático, também foi convidada pela Conmebol e disputará a Copa América pela primeira vez. Córdoba, La Plata, Mendoza e Santiago del Estero são as outras cidades que sediarão o torneio.

Leia Também:  Coluna - Fall Guys diverte sem compromissos

A entidade sul-americana definiu que as seleções poderão trocar até três jogadores da lista de convocados ao término da fase de grupos, além das substituições por lesão. A Colômbia receberá a disputa do terceiro lugar (Bogotá) e a decisão (Barranquilla). Para não precisar sair do país, o Brasil precisa terminar em primeiro ou segundo lugar na chave. Se ficar em terceiro ou quarto, fará as quartas de final e (caso se classifique) a semifinal na Argentina.

É a primeira vez que a Copa América será disputada em dois países. Entre 1975 e 1983, a competição ocorreu em jogos de ida e volta, na casa dos países envolvidos. Com 15 títulos, o Uruguai é o maior vencedor, seguido pela Argentina, com 14. O Brasil foi a nove troféus, com a conquista de 2019. Paraguai, Chile e Peru somam duas taças, enquanto Colômbia e Bolívia ganharam uma. Das seleções sul-americanas, somente Equador e Venezuela nunca venceram o torneio.

Edição: Fábio Lisboa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA