Carros e Motos

A motocicleta e a música

Publicados

em


source
Os Motokas
Divulgação

Motos e música sempre foram como carne e unha na história dos amantes dessas duas artes impecáveis

O que você faz com sua mente enquanto pilota uma motocicleta? Claro, sei que toda atenção deve ficar na pilotagem, principalmente em meio ao trânsito à sua volta, mas há momentos em que, na intimidade de seu capacete, as ideias voam alto.

LEIA MAIS: Divirtam-se, reconhecendo as motocicletas do cinema

Lembro bem, lá pelos anos 70 e 80, quando as estradas longas e vazias eram parte importante da minha vida, que eu tinha as melhores ideias de pautas para escrever posteriormente, às vezes até “escrevendo” na mente parágrafos inteiros que se tornariam textos impressos. E para não esquecer as melhores ideias, cheguei a instalar um gravador com microfone no capacete, o que nunca deu muito certo. Como motos e música combinam bem, ouví-las na estrada também era um dos meus projetos.

Foi assim que também instalei alto-falantes de fones de ouvido dentro do capacete. Mais uma vez a invenção não foi muito prática, de forma que voltei a organizar pensamentos enquanto cumpria longos percursos em uma motocicleta. Só agora, décadas depois, passei a curtir música nas motos de forma confortável, graças aos modernos sistemas de áudio das grandes estradeiras.

LEIA MAIS: Alguns filmes mais com nossas queridas motocicletas

De qualquer forma, a música sempre foi grande companheira dos motociclistas e, por esse motivo, listar as melhores sobre o tema pode render um bom papo de mesa de bar.

O quê? Claro, a primeira música que vem à mente só podia ser ” Born To Be Wild “, do Steppenwolf, que ficou célebre juntamente com o filme Easy Rider , em 1969. Mas existem muitas outras músicas, algumas pouquíssimo conhecidas, que merecem ser lembradas.

LEIA MAIS: Uma Harley-Davidson no fora de estrada? Acompanhe nossa aventura

Vamos, então, começar com as menos óbvias. Lá atrás, em 1966, Erasmo Carlos cantava “O Homem Da Motocicleta”, composição ingênua para os dias de hoje, mas que pode ser considerada a versão de duas rodas da famosa “Rua Augusta”, de Eduardo Araújo, da mesma época, graças a versos como “quem tem medo sai da frente”, ou “freio é coisa que existe só para enfeitar”.

Assim como no cinema, os anos 60 foram muito propícios para músicas relacionadas às motocicletas, pois foi a época da rebeldia, o que sempre combinou muito com elas. Ainda em 1957 a música “Motorcycle Mike”, de Dave Day, já dava uma ideia do momento musical daquele período,

Leia Também:  Seguro DPVAT: motorista pode ficar isento de cobrança até 2022

Ou a música “Bad Motorcycle”, do conjunto vocal feminino The Storey Sisters, que em 1958 já insinuava que as motocicletas eram irresistíveis para as moças.

No ano seguinte, a cantora Terry Ann confirmava esse status com a música “Motorcycle Jack”, que termina com o ronco do motor de uma motocicleta.

Um conjunto dessa época, com um nome bem sugestivo, era o Tico & The Triumphs. Inglês, naturalmente. Em 1961 eles emplacaram a música “Motorcycle”, com o ronco de um motor acelerando na introdução. Meio falso, já que esse ronco parecia mais com o do motor de um automóvel Triumph de quatro cilindros, mas valeu a intenção.

No ano seguinte, o jovem cantor popular alemão Benny Quick fez sua versão da canção, chamando-a de “Motorbiene”. Dessa vez o som do motor na introdução era nitidamente o de uma motoneta, dois tempos, provavelmente uma Vespa. Bem adequado, já que biene, em alemão, significa abelha.

Há também uma versão brasileira de “Motorbiene”, de 1964, com o conjunto instrumental mineiro Brazilian Boys. Os arranjos são até melhores que os das canções originais, mas não há som de motor na introdução (aos 16 minutos e 30 segundos).

Em 1964, as músicas sobre motocicletas continuavam explorando a sua rebeldia, como em “She’s A Bad Motorcycle”, do grupo de Chicago The Crestones.

A fase ingênua das músicas sobre motos acabou no fim da década, quando o filme Easy Rider consagrou para todo o sempre a música “Born To Be Wild”. Confesso que já não suporto mais ouví-la em reuniões motocicísticas, como se não existisse mais nenhuma outra música importante para ser tocada.

Outras músicas, no entanto, seguiram o sucesso de “Born”. Em 1970, os irmãos Allman, do Allman Brothers Band, gravaram “Midnight Rider”, sobre um cavaleiro em fuga, uma alusão à motocicleta e a estrada.

Mais interessante é uma música de Jimi Hendrix, inspirada no filme de Peter Fonda, com nome bem parecido com o do filme: “Ezy Ryder”. Apesar de ter uma música sua na trilha oficial (“If Six Was Nine”), sua homenagem ao filme só foi conhecida após sua morte, em um álbum póstumo.

Uma banda pouco conhecida, a Sailcat, gravou “Motorcycle Mama”, na qual conecta mulheres e motocicletas. O mais interessante são as imagens do clip, que mostra personagens femininas bem conhecidas pilotando motos.

Leia Também:  Veja as dicas para não ter problemas na compra e venda de automóveis

Já o cantor Sammi Hagar, conhecido por ser o vocalista da banda Van Halen, ainda na sua banda anterior Montrose chama a sua namorada para um passeio de scooter em “Bad Motor Scooter”, música de 1974.

A guitarra de Neil Young sempre me impressionou, mas na canção “Motorcycle Mama”, de 1978, quem solta a voz é a cantora Nicolette Larson. Vale a pena ouvir.

Em “Unknown Legend”, ele mesmo canta e pilota sua Harley-Davidson pela Rota 66.

Falando um pouco de “roquinhos” mais leves, jamais poderíamos deixar de citar o conjunto Os Paralamas do Sucesso, que emplacaram nos anos 80 com “Vital e Sua Moto”. O Brasil estava conhecendo a popularidade crescente das motocicletas e a balada contava como Vital podia fazer tudo sobre duas rodas.

No ano seguinte, 1984, o desconhecido grupo Espírito da Coisa balançou a turminha do postinho com a bem humorada “Ligeiramente Grávida”. Versos como “subi na Kawasaki , o coração fez tic tac…”, ou “aquele motor de mil cilindradas causa reações inesperadas..” só nos faz concluir que se tratava de uma Kawa Z1000.

Fiz uma lista de cerca de 60 músicas enaltecendo a motocicleta, por isso sei que vocês poderão ouvir estas e mais algumas. São muitas. E deixei para o fim duas delas, especiais.

Uma das motocicletas mais representativas da minha história é o título desta canção de 1991, de Richard Thompson: “1952 Vincent Black Lightning”. A história é triste, o jovem rebelled James entregando sua adorada Vincent ’52 na hora de sua morte.

Por fim, fechamos com nosso querido Zé Rodrix, com “Jesus Numa Moto”, de 2000. Nessa balada, ele resume sua geração dos anos 60 e 70.

Se todas essas músicas referem-se a motocicletas, o que dizer de um conjunto chamado Os Motokas? O grupo surgiu no início dos anos 70 fazendo covers de bandas conhecidas e animavam bailinhos no Rio de Janeiro. Mas não tocavam músicas sobre motocicletas. Além do nome bastante sugestivo, eles são os responsáveis por uma coletânea de 13 LP’s, cada um com 30 canções, sempre com uma modelo montada em uma motocicleta na capa.

Rose Di Primo, Alcione Mazzeo, Nadia Lippi e outras musas dos anos 70 em companhia das mais cobiçadas motocicletas também dos anos 70. Se não for interessante ouvir o trabalho do grupo, que depois mudou o nome para Roupa nova, pelo menos vale a pena conhecer as capas. Motos e música são irmãs de mães diferentes.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carros e Motos

Veja 5 versões do Toyota Corolla que não temos no Brasil

Publicados

em


source

Lançado no mercado japonês em 1966, o Toyota Corolla é atualmente o modelo de carro mais produzido da história, com uma produção de quase 50 milhões de unidades em fábricas na Ásia, África e Américas do Norte e do Sul.

No Brasil, o Toyota Corolla chegou apenas em 1992, com a abertura do mercado brasileiro aos carros importados. Já em sua 7ª geração, desem barcava por aqui vindo do Japão, nas carroceria sedã de quatro portas e station wagon. Seguiu importado até 1998, quando foi iniciada a produção da 8ª geração na nova fábrica de Indaiatuba (SP).

Tirando a 9ª geração, que teve a perua Corolla Fielder, todas as outras encarnações do Corolla brasileiro foram oferecidas apenas na carroceria sedã, que no exterior era apenas uma das opções existentes para o modelo médio. Confira as variações do Toyota que não tivemos no Brasil.

Corolla Levin

Toyota Corolla Levin
Divulgação

Toyota Corolla Levin: versão cupê com apelo esportivo não veio e nem virá ao Brasil, onde o sedã reina no segmento


Primeio oferecido no mercado brasileiro, o Corolla de 7ª geração estava disponível no mercado japonês também na versão Levin, com uma carroceria cupê de linhas bem mais interessantes do que as do sedã da mesma época.

Leia Também:  Veja as dicas para não ter problemas na compra e venda de automóveis

A opção de motor mais interessante era o 4A-GZE, um 1.6 de quatro cilindros que era sobrealimentado com um compressor mecânico para atingir impressionantes (para a época) 169 cv.

Corolla Wagon 4×4

Toyota Sprinter Carib
Divulgação

Toyota Sprinter Carib: perua com apelo aventureiro também não tem apelo no mercado brasileiro e nunca foi vendida por aqui


O Corolla Wagon de oitava geração chegou a ser importado para o Brasil, onde causou polêmica com a estranha dianteira de faróis ovais e grade cromada com padrão de colmeia.

Mas não tivemos aqui a versão 4×4 oferecida no mercado japonês. Chamada de Sprinter Carib, tinha uma frente com linhas mais conservadoras, suspensão elevada e um pacote visual típicos dos modelos aventureiros.

Corolla XRS (Brad Pitt)

Toyota Corolla XRS
Divulgação

Toyota Corolla XRS só veio na geração posterior a da foto acima. Agora, aguardamos o GR Sport até o final de dezembro


O nome XRS chegou a ser empregado numa versão do Corolla de 11ª geração feito em Indaiatuba (SP). Mas tratava-se de um carro que trazia apenas o visual mais esportivo. Apelo muito diferente do XRS original, vendido nos Estados Unidos entre 2005 e 2006.

Leia Também:  Mercedes-Benz GLE é o melhor SUV diesel do Brasil?

Partindo da base do Corolla de 9ª geração (conhecido por aqui popularmente como Brad Pitt ), a Toyota instalou uma suspensão rebaixada e recalibrada e um novo motor 1.8 de 173 cv que era o mesmo usado na época pelo esportivo Lotus Elise . Para completar, o modelo ganhava ainda novas rodas de 15″ e um pacote aerodinâmico exclusivo.

Corolla Hatch

Toyota Corolla Hatch
Divulgação

Toyota Corolla Hatch: chegou a ser visto em teste no Brasil, mas apenas para desenvolver componentes, sem intenção de ser lançado


O Corolla hatch já existe no exterior desde os anos 1980, mas nunca despertou o interesse da filial brasileira da marca. Diferente de anos anteriores, onde o sedã era o modelo escolhido para a estreia de novas gerações, o Corolla atual apareceu primeiro na carroceria de cinco portas.

O hatch do Corolla foi apresentado pela primeira vez em março de 2018, enquanto o sedã só seria mostrado em novembro do mesmo ano. No exterior, compete na mesma faixa de modelos como o Honda Civic Hatch e o VW Golf.

Corolla Touring Sports Trek

Toyota Corolla Trek
Divulgação

Toyota Corolla Trek: é uma versão interessante, mas a marca prefere focar apenas no sedã no mercado brasileiro


A station wagon Corolla Fielder foi oferecido entre 2004 e 2008 e deixou vários fãs órfãos aos sair de cena sem deixar um sucessor. Mas a variação station do segue viva no exterior. E tem até uma variação de apelo aventureiro.

Chamada na Europa de Toyota Corolla  Touring Sports Trek, traz em sua versão mais potente um conjunto motriz híbrido composto por um motor 2.0 a gasolina e um propulsor elétrico, para desenvolver 184 cv.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA