Carros e Motos

A motocicleta e a música

Publicados

em


source
Os Motokas
Divulgação

Motos e música sempre foram como carne e unha na história dos amantes dessas duas artes impecáveis

O que você faz com sua mente enquanto pilota uma motocicleta? Claro, sei que toda atenção deve ficar na pilotagem, principalmente em meio ao trânsito à sua volta, mas há momentos em que, na intimidade de seu capacete, as ideias voam alto.

LEIA MAIS: Divirtam-se, reconhecendo as motocicletas do cinema

Lembro bem, lá pelos anos 70 e 80, quando as estradas longas e vazias eram parte importante da minha vida, que eu tinha as melhores ideias de pautas para escrever posteriormente, às vezes até “escrevendo” na mente parágrafos inteiros que se tornariam textos impressos. E para não esquecer as melhores ideias, cheguei a instalar um gravador com microfone no capacete, o que nunca deu muito certo. Como motos e música combinam bem, ouví-las na estrada também era um dos meus projetos.

Foi assim que também instalei alto-falantes de fones de ouvido dentro do capacete. Mais uma vez a invenção não foi muito prática, de forma que voltei a organizar pensamentos enquanto cumpria longos percursos em uma motocicleta. Só agora, décadas depois, passei a curtir música nas motos de forma confortável, graças aos modernos sistemas de áudio das grandes estradeiras.

LEIA MAIS: Alguns filmes mais com nossas queridas motocicletas

De qualquer forma, a música sempre foi grande companheira dos motociclistas e, por esse motivo, listar as melhores sobre o tema pode render um bom papo de mesa de bar.

O quê? Claro, a primeira música que vem à mente só podia ser ” Born To Be Wild “, do Steppenwolf, que ficou célebre juntamente com o filme Easy Rider , em 1969. Mas existem muitas outras músicas, algumas pouquíssimo conhecidas, que merecem ser lembradas.

LEIA MAIS: Uma Harley-Davidson no fora de estrada? Acompanhe nossa aventura

Vamos, então, começar com as menos óbvias. Lá atrás, em 1966, Erasmo Carlos cantava “O Homem Da Motocicleta”, composição ingênua para os dias de hoje, mas que pode ser considerada a versão de duas rodas da famosa “Rua Augusta”, de Eduardo Araújo, da mesma época, graças a versos como “quem tem medo sai da frente”, ou “freio é coisa que existe só para enfeitar”.

Assim como no cinema, os anos 60 foram muito propícios para músicas relacionadas às motocicletas, pois foi a época da rebeldia, o que sempre combinou muito com elas. Ainda em 1957 a música “Motorcycle Mike”, de Dave Day, já dava uma ideia do momento musical daquele período,

Leia Também:  Kawasaki Vulcan deve ganhar motor da esportiva Ninja, diz revista japonesa

Ou a música “Bad Motorcycle”, do conjunto vocal feminino The Storey Sisters, que em 1958 já insinuava que as motocicletas eram irresistíveis para as moças.

No ano seguinte, a cantora Terry Ann confirmava esse status com a música “Motorcycle Jack”, que termina com o ronco do motor de uma motocicleta.

Um conjunto dessa época, com um nome bem sugestivo, era o Tico & The Triumphs. Inglês, naturalmente. Em 1961 eles emplacaram a música “Motorcycle”, com o ronco de um motor acelerando na introdução. Meio falso, já que esse ronco parecia mais com o do motor de um automóvel Triumph de quatro cilindros, mas valeu a intenção.

No ano seguinte, o jovem cantor popular alemão Benny Quick fez sua versão da canção, chamando-a de “Motorbiene”. Dessa vez o som do motor na introdução era nitidamente o de uma motoneta, dois tempos, provavelmente uma Vespa. Bem adequado, já que biene, em alemão, significa abelha.

Há também uma versão brasileira de “Motorbiene”, de 1964, com o conjunto instrumental mineiro Brazilian Boys. Os arranjos são até melhores que os das canções originais, mas não há som de motor na introdução (aos 16 minutos e 30 segundos).

Em 1964, as músicas sobre motocicletas continuavam explorando a sua rebeldia, como em “She’s A Bad Motorcycle”, do grupo de Chicago The Crestones.

A fase ingênua das músicas sobre motos acabou no fim da década, quando o filme Easy Rider consagrou para todo o sempre a música “Born To Be Wild”. Confesso que já não suporto mais ouví-la em reuniões motocicísticas, como se não existisse mais nenhuma outra música importante para ser tocada.

Outras músicas, no entanto, seguiram o sucesso de “Born”. Em 1970, os irmãos Allman, do Allman Brothers Band, gravaram “Midnight Rider”, sobre um cavaleiro em fuga, uma alusão à motocicleta e a estrada.

Mais interessante é uma música de Jimi Hendrix, inspirada no filme de Peter Fonda, com nome bem parecido com o do filme: “Ezy Ryder”. Apesar de ter uma música sua na trilha oficial (“If Six Was Nine”), sua homenagem ao filme só foi conhecida após sua morte, em um álbum póstumo.

Uma banda pouco conhecida, a Sailcat, gravou “Motorcycle Mama”, na qual conecta mulheres e motocicletas. O mais interessante são as imagens do clip, que mostra personagens femininas bem conhecidas pilotando motos.

Leia Também:  Jeep Compass renovado será mostrado no mês que vem

Já o cantor Sammi Hagar, conhecido por ser o vocalista da banda Van Halen, ainda na sua banda anterior Montrose chama a sua namorada para um passeio de scooter em “Bad Motor Scooter”, música de 1974.

A guitarra de Neil Young sempre me impressionou, mas na canção “Motorcycle Mama”, de 1978, quem solta a voz é a cantora Nicolette Larson. Vale a pena ouvir.

Em “Unknown Legend”, ele mesmo canta e pilota sua Harley-Davidson pela Rota 66.

Falando um pouco de “roquinhos” mais leves, jamais poderíamos deixar de citar o conjunto Os Paralamas do Sucesso, que emplacaram nos anos 80 com “Vital e Sua Moto”. O Brasil estava conhecendo a popularidade crescente das motocicletas e a balada contava como Vital podia fazer tudo sobre duas rodas.

No ano seguinte, 1984, o desconhecido grupo Espírito da Coisa balançou a turminha do postinho com a bem humorada “Ligeiramente Grávida”. Versos como “subi na Kawasaki , o coração fez tic tac…”, ou “aquele motor de mil cilindradas causa reações inesperadas..” só nos faz concluir que se tratava de uma Kawa Z1000.

Fiz uma lista de cerca de 60 músicas enaltecendo a motocicleta, por isso sei que vocês poderão ouvir estas e mais algumas. São muitas. E deixei para o fim duas delas, especiais.

Uma das motocicletas mais representativas da minha história é o título desta canção de 1991, de Richard Thompson: “1952 Vincent Black Lightning”. A história é triste, o jovem rebelled James entregando sua adorada Vincent ’52 na hora de sua morte.

Por fim, fechamos com nosso querido Zé Rodrix, com “Jesus Numa Moto”, de 2000. Nessa balada, ele resume sua geração dos anos 60 e 70.

Se todas essas músicas referem-se a motocicletas, o que dizer de um conjunto chamado Os Motokas? O grupo surgiu no início dos anos 70 fazendo covers de bandas conhecidas e animavam bailinhos no Rio de Janeiro. Mas não tocavam músicas sobre motocicletas. Além do nome bastante sugestivo, eles são os responsáveis por uma coletânea de 13 LP’s, cada um com 30 canções, sempre com uma modelo montada em uma motocicleta na capa.

Rose Di Primo, Alcione Mazzeo, Nadia Lippi e outras musas dos anos 70 em companhia das mais cobiçadas motocicletas também dos anos 70. Se não for interessante ouvir o trabalho do grupo, que depois mudou o nome para Roupa nova, pelo menos vale a pena conhecer as capas. Motos e música são irmãs de mães diferentes.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carros e Motos

Mercedes A35 AMG:  foguete de bolso

Publicados

em


source
Mercedes A35 AMG
Carlos Guimarães

Mercedes A 35 AMG é um hatch esportivo de respeito, embora não seja tão viceral quanto os rivais BMW M2 Competition e Audi RS3

Ah, o Mercedes A35 AMG chegou em boa hora na minha garagem. Depois de um tempo em quarentena, estava sentido falta de dar uma volta, mesmo de máscara e tomando todos os cuidados necessários. Consegui pegar um pouco de estrada, nas imediações do Rodoanel, em São Paulo. Foi como o primeiro gole d´água fresca depois de uma longa caminhada no deserto. Serviu para dar ainda mais valor ao prazer ao dirigir, algo que deve estar garantido, ainda mais agora, que a questão dos carros autônomos deve ficar meio de lado, por causa da crise.

LEIA MAIS: Audi RS3 Sedan: o pequeno notável. Veja avaliação

Nada discreto, o esportivo Mercedes A 35 AMG com belas rodas de aro 19 rasga o asfalto como um ponto amarelo no meio de um mar de carros cinzas e pretos. Reduzo uma marcha dentro do túnel, antes da curva à esquerda pelas hastes do câmbio de dupla embreagem, banhada a óleo, de sete marchas. E o ronco encorpado do motor de 306 cv ecoa pelas paredes ao redor. Uma ode aos que curtem estar ao volante de hatches com sobra de fôlego, cada vez mais raros hoje em dia.

O Mercedes A35 AMG é a porta de entrada da marca que domina a Fórmula 1 atualmente. Mesmo assim, ainda estamos falando de um carro para poucos, com preço sugerido que parte de R$ 279.900, que pode assustar, mas lembre-se que o dólar já beira os R$ 6. De qualquer forma o que não falta é sofisticação e equipamentos para quem não quer saber de SUVs e pode ter um esportivo de verdade com jeito invocado e bem mais acertado que as demais versões do Classe A, em todos os aspectos.

Já começa pela tração integral 4 Matic, que distribui com perfeição a força do motor entre os eixos conforme as mais variadas condições de aderência. Com a parafernália eletrônica ligada, o carro gruda no chão, mesmo ao acelerar em curva, como se estivesse sobre trilhos. Mas, se estiver em pista fechada, é possivel desligar tudo e aproveitar todo o potencial do esportivo . Até onde conseguimos ir, ficou claro que o controle de largada funciona perfeitamente, fazendo o carro acelelar de 0 a 100 km/h em 4,7 segundos, tirando seu fôlego nesse pequeno espaço de tempo.

Leia Também:  VW Nivus é apresentado e chega às lojas no início do segundo semestre

Ao volante do novo A35 AMG

Mercedes
Divulgação

Mercedes-Benz A35 AMG tem central multimídia com comando de voz, com tela de alta resolução no painel


Em cada acelerada um pouco mais forte fica claro o sibilar da turbina de sobrealimentação do motor. De tão bem acertado, não se nota o chamado “turbo lag”, nome do atraso para turbina começar a “encher” o motor. Entre outros recursos, há variador de fase dos comandos de válvulas tanto na admissão quanto no escape, levando aos nada desprezíveis 40,8 kgfm de torque a meros 3.000 rpm, mas logo na metade desse regime de rotação o carro já responde bem, o que garante retomadas vigososas.

LEIA MAIS: Mustang Black Shadow: forjado na maldade

Na compação com o  Mercedes GLA 45 AMG  que avaliamos há um pouco menos de um ano, o novo A35 AMG me pareceu bem mais discreto quando o assunto é nível de ruído. Mas a vocação esportiva fica clara por outros detalhes, como os pneus 235/35R 19, que exigem cuidado ao passar por piso irregular.  E pode confiar nos freios as discos ventilados nas quatro rodas, de 350 milímetros na frente e 330 mm na traseira e com pedal de alumínio perfurado.

Com tanta disposição, a tração integral sob demanda é muito bem-vinda, uma vez que o carro tem relação entre peso e potência de 5,1 kg/cv, portanto, bem abaixo dos 7 kg/cv, o que é considerado o limite ideal para ter apenas as rodas da frente tracionado. Aliás, pode-se ajustar o modo de condução por um dos botões no console central. Por outro comando, também dá para selecionar se o câmbio vai funcionar com trocas automáticas ou manuais, pelas hastes atrás do volante multifuncional, revestido de Alcântara e com base achatada.

Mercedes
Divulgação

Mercedes-Benz A35 AMG vem com bancos do tipo concha com largos apoios laterais

A ergonomia é boa, mas é preciso um certo tempo para se familiarizar com tantos recursos. Bom é mesmo é a nova central multimídia com tela de alta resolução, que pode ter uma série de funções comandadas por voz. O sistema funciona como a Siri da Apple, ou a Bixby dos celulares da Samsung. Basta pronunciar uma saudação, como “Olá, Mercedes”, ou “E aí, Mercedes”, para que a central pergunte o que você deseja fazer. A nova tecnologia atende até mesmo comandos muito específicos, como ligar a luz de leitura do lado esquerdo.

Leia Também:  Fiat marca data para divulgar preços e tudo sobre a nova Strada

Os bancos do tipo concha têm largos apoios laterais para segurar o corpo nas curvas. Há teto solar panorâmico com tela escamoteável acionada por comando do tipo “um toque”. Não faltam também itens como câmera de ré de alta resolução, ancoragem ISOFIX, indicador de fadiga, freio de estacionamento elétrico e entradas USB, uma no painel e outra dentro do porta-objetos central, sob o apoio de braço. Para um carro com aspecto irreverente, senti falta de luz ambiente personalizável, como no  Mini JCW (R$ 221.990).

LEIA MAIS: Chevrolet Camaro: a síndrome do “underground”

Conclusão
O Mercedes A35 AMG é um hatch esportivo como poucos hoje em dia. Para quem pode, é um hatch esportivo de verdade que não vai decepcionar. Hoje em dia, tem muito poucos rivais diretos, já que o mais viceral Audi RS3 2020 (400 cv) ainda não chegou e o novo e brutal BMW M2 Competition (410 cv) está com o primeiro que veio ao Brasil esgotado.

Ficha técnica – Mercedes A 35 AMG

Preço:  R$ 279.900
Motor: 2.0, quatro cilindros, turbo, gasolina  
Potência: 306 cv a 5.800 rpm   
Torque: 40,8 kgfm a 3.000 rpm   
Transmissão: automatizado, dupla embreagem, sete marchas, tração integral   
Suspensão: Independente, McPherson (dianteira) / multilink (traseira)   
Freios: Discos ventilados (dianteiros) / discos ventilados (traseiros)   
Pneus: 235/35 R19  
Dimensões: 4,44 m (comprimento) / 1,80 m (largura) / 1,41 m (altura), 2,73 m (entre-eixos)   
Tanque: 51 litros   
Porta-malas: 370 litros   
Consumo gasolina: 9,2 km/l (cidade) / 10,9 km/l (estrada)   
0 a 100 km/h: 4,7 segundos   
Velocidade máxima: 250 km/h




Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA