Política Nacional

6 candidatos a prefeito já desistiram e outros 11 são questionados pela justiça

Publicados

em


source
urna
José Cruz/Arquivo/Agência Brasil

Eleições 2020: capitais têm 6 candidatos a prefeito que desistiram da disputa e 11 questionados na Justiça Eleitoral

Desde o início da campanha eleitoral, 6 candidatos a prefeito desistiram de disputar as  eleições  em algumas capitais brasileiras. Além disso, outros 11 candidatos têm a candidatura questionada na Justiça Eleitoral por não atender a algum requisito legal.

Confira a seguir a lista dos candidatos que desistiram da corrida eleitoral e os que estão em processo de questionamento na Justiça eleitoral. 

Lista de candidatos que desistiram:

  • José Adriano Cordeiro Sarney (PV), em São Luís, no Maranhão: Ele argumentou que teria pouco tempo de TV e não seria possível participar dos debates.
  • Carlos Madeira (Solidariedade), em São Luís, no Maranhão: Ele argumentou questões de saúde, porque teve Covid-19 e disse que não se recuperou totalmente.
  • Pablo Honorato Nascimento (PSOL), em João Pessoa, na Paraíba: Não informou o motivo da desistência.
  • Cristiane Brasil (PTB), no Rio de Janeiro: Foi presa em setembro e libertada em outubro.
  • Hugo Leal (PSD), no Rio de Janeiro: Ele desistiu ainda durante as convenções para apoiar Luiz Lima, do PSL.
  • Fernando Pinto de Araújo Neto (NOVO), em Natal, no Rio Grande do Norte: Alegou não ter condições de saúde após contrair Covid-19.
Leia Também:  MP pede investigação por testes de Covid-19 vencidos: 'Inépcia do governo'

Barrados pela Justiça:

  • José Loureto Barroso Souza (PCO), em Fortaleza, no Ceará: Por problemas na documentação.
  • Gustavo (DC), Antônio Vieira Neto (PCB) e Vinícius Gomes da Paixão (PCO), todos em Goiânia, em Goiás: Os três por problemas na documentação.
  • Thiago de Carvalho Assad (PCO), em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul: Problemas de documentação.
  • Loester Trutis (PSL), em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul: Substituído por Vinicius Siqueira pelo partido.
  • Diogo Furtado (PCO), em Curitiba, no Paraná: Por problemas de documentação.
  • Victor Assis (PCO), em Recife, em Pernambuco: Após o partido ter a candidatura indeferida por não ter representação no Recife.
  • Luiz Delvair (PCO), em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul: Por problemas na documentação.
  • Ted Wilson de Almeida Ferreira (PRTB), em Porto Velho, em Rondônia: Com base na lei da ficha limpa.
  • Filipe Sabará (NOVO), em São Paulo: Após o partido ter pedido exclusão da chapa.

O primeiro turno das eleições vai ocorrer no dia 15 de novembro. O segundo turno, nas cidades onde houver, está marcado para o dia 29 de novembro. Há 308 candidatos a prefeito na disputa das capitais.

Leia Também:  "Vamos corrigir erros do Covas" na Educação durante a pandemia, diz Boulos

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política Nacional

“Vamos corrigir erros do Covas” na Educação durante a pandemia, diz Boulos

Publicados

em


source
Guilherme Boulos (PSOL) em entrevista ao programa Roda Viva%2C da TV Cultura
Reprodução/Roda Viva/TV Cultura

Guilherme Boulos (PSOL) em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura

O candidato à Prefeitura de São Paulo Guilherme Boulos (PSOL) criticou durante entrevista ao programa Roda Viva , da TV Cultura, nesta segunda-feira (23) as decisões do atual prefeito Bruno Covas (PSDB) na condução da Educação durante a pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

“Nós vamos ter que corrigir os erros do Covas. Vamos dar acesso à internet aos alunos”, afirmou o candidato socialista ao comentar a decisão da gestão municipal de manter os alunos em casa sem considerar se todos tinham condições tecnológicas para continuar estudando.

De acordo com o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), a decisão que ele vai tomar será com base nas decisões de especialistas.

“Eu não sou médico e não tenho condições de dizer se estamos em uma segunda onda ou não. Hoje tem um monte de gente falando isso sem ter registro no CRM (Conselho Regional de Medicina), coisa que o [João] Doria e o [Jair] Bolsonaro estão fazendo”, disse Boulos.

Leia Também:  "Luto para que pessoas tenham um teto, isso é radicalismo?", questiona Boulos

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA