Agronegócio

​Senar-AR/AM realiza aula inaugural dos cursos técnicos em agronegócio e fruticultura no Amazonas

Publicados

em


O Senar-AR/AM, por meio da Coordenação do Rede e-Tec no Amazonas, promoveu, nesta segunda-feira (5), aula inaugural dos cursos técnicos em agronegócio e fruticultura no Amazonas. Além da turma do curso técnico em agronegócio já em execução no município de Itacoatiara, foi dado início, por meio da cerimônia, ao período letivo das novas turmas de curso técnico em agronegócio (polo Manaus) e fruticultura (polo Itacoatiara).

Na ocasião, o presidente do Sistema Faea Senar Fundepec/AM, Muni Lourenço, enfatizou a importância dos cursos técnicos dentro das atividades desenvolvidas pelo Senar-AR/AM pois, de acordo com ele, os segmentos abordados dentro dos cursos (agronegócio e fruticultura) têm um grande potencial no Amazonas.

“Nosso setor rural precisar crescer muito. Temos um mercado consumidor extremamente demandante de alimentos e essa oportunidade de educação que o Senar está disponibilizando com esses cursos técnicos certamente darão oportunidades no mercado de trabalho para esses alunos, seja como profissionais da área técnica seja como empreendedores”, destacou.

Segundo Lourenço, a aposta é grande para que os cursos proporcionem uma contribuição para o desenvolvimento do setor primário. “Estamos formando recursos humanos, mão de obra qualificada pra essas atividades. Da nossa parte, daremos o melhor suporte possível para que os alunos tenham a melhor qualidade de ensino”, completou.

Leia Também:  Propriedade se transforma com ATeG

Além de Muni Lourenço, participaram da cerimônia, a superintendente do Senar-AR/AM, Jeyn’s Alves, a Gerente Técnica do Senar-AR/AM, Susianne Mar, a pedagoga e coordenadora da Rede e-Tec no Amazonas, Ana Pimenta, a secretária escolar do Senar-AR/AM, Danielle Garcia, o presidente do Sindicato Patronal Rural e polo de apoio em Itacoatiara, Alcemir Lima e a auxiliar de secretaria do polo de apoio em Itacoatiara, Soraia Cordovil. Também estiveram presentes colaboradores do Senar-AR/AM e alunos das turmas dos cursos técnicos.


Cursos Técnicos

O curso técnico em Agronegócio é focado nos procedimentos de gestão e de comercialização. Foram oferecidas 1.765 vagas, em 71 polos de apoio presencial do Senar em todo o País. A carga horária total é de 1.230 horas distribuídas em dois anos. Desse total, 20% da são aulas teóricas, atividades práticas e avaliações. Já o curso técnico em Fruticultura ofereceu 950 vagas no Brasil distribuídas em 34 polos de ensino. A carga horária é de 1.350 horas, divididas em dois anos e meio.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Agronegócio

Faeal e Senar AL contribuem na elaboração de cartilha sobre barragem subterrânea

Publicados

em


A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Alagoas (Faeal) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Alagoas) colaboraram com a elaboração da cartilha “Barragem subterrânea: transformando vidas no semiárido brasileiro”. Iniciativa do Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, da Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), Embrapa e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o documento tem o objetivo de orientar produtores rurais e gestores públicos sobre essa solução tecnológica para o aproveitamento da água da chuva, como forma de reduzir os efeitos das irregularidades climáticas nas regiões mais secas.

O Semiárido brasileiro é caracterizado pela reduzida precipitação pluviométrica anual, concentrada em poucos meses, aliada a grandes perdas por escoamento superficial e evapotranspiração, o que limita o acesso à água para o consumo humano e de animais e para a produção agrícola. Estas características demonstram que, para as famílias conviverem com as diferenças do clima da região, é necessário que disponham de reservatórios para guardar a água da chuva para o período da estiagem.

Ciente desta necessidade, a Federação da Agricultura e Pecuária de Alagoas envolveu agentes públicos e instituições como Embrapa e Sebrae numa discussão coletiva que resultou na criação do Programa Estadual de Construção de Barragens Subterrâneas. O programa prevê a construção de 200 barragens e o Governo do Estado já destinou R$ 1,5 milhão com a estimativa de construir as primeiras 60.

Leia Também:  Faeal e Senar AL contribuem na elaboração de cartilha sobre barragem subterrânea

“A partir de um projeto piloto desenvolvido pelo Senar Alagoas em parceria com o Sebrae, percebemos como a barragem subterrânea é uma tecnologia barata e capaz de contribuir para o desenvolvimento socioeconômico do Estado. Depois, descobrimos que um estudo de mapeamento das áreas mais propícias para a construção de barragens, desenvolvido pela Embrapa, corria o risco de ser interrompido por falta de verbas federais. Foi então que provocamos as instituições e agentes públicos para que apoiassem a conclusão da pesquisa e formulassem um grande programa de construção de barragens, conduzido pelo Governo de Alagoas”, relembra o presidente da Faeal, Álvaro Almeida.

Coordenadora de Assistência Técnica e Gerencial do Senar Alagoas, Luana Torres está entre os autores da cartilha sobre barragens subterrâneas. “Este é um importante instrumento de disseminação de informações sobre esta tecnologia que, a baixo custo, contribui para o aumento ao acesso e usos múltiplos da água, a soberania e segurança alimentar e nutricional das famílias, a diversificação e integração de cultivos, tornando os agroecossistemas mais resilientes ao clima, entre outros avanços econômicos e sociais para a população do semiárido”, comenta.

Leia Também:  Família inicia recuperação de área com apoio do FIP Paisagens Rurais

A tecnologia da barragem subterrânea está alinhada a Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS – da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas – ONU. São eles: erradicação da pobreza; fome zero e agricultura sustentável; água Potável e Saneamento; e ação contra a mudança global do clima. A cartilha produzida em Alagoas traz informações sobre o zoneamento realizado pela Embrapa, como é construído este tipo de barragem, quais os locais adequados para a sua instalação, alternativas de cultivo e que impactos traz para a vida das famílias. A elaboração do documento também contou com o apoio das universidades Federal e Estadual de Alagoas – Ufal e Uneal –, Secretaria de Estado da Agricultura, Pesca e Aquicultura (Seagri), Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável de Alagoas ( Emater/AL) e Sebrae.

Para ter acesso à cartilha, clique aqui.

Fonte: CNA Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

BLOG DO ILAURO

POLÍTICA

POLÍTICA NACIONAL

ECONOMIA

CIDADES

BLOG DO ILAURO

MAIS LIDAS DA SEMANA